Grande y que data de altura

Análisis Walmart (NYSE:WMT)

2020.10.24 16:31 menem95 Análisis Walmart (NYSE:WMT)

Análisis Walmart (NYSE:WMT)
Hola! Tras haber sido bien recibidos los análisis que hice de Disney y de American Airlines hace unas semanas, hoy comparto una nueva edición, por supuesto los invito a debatir, agregar, sugerir, putearme etc. El jueves, en busca de diversificar una cartera mayoritariamente comprada en tech, decidí pegarle un vistazo a Walmart (NYSE:WMT). Adjunto hoy el tl;dr que me habían pedido la otra vez, lo pongo al principio porque sino es una paja encontrarlo.
Tl;dr: La acción viene bien en los últimos años. De ver los financials se puede apreciar que la compañía venia lentamente perdiendo terreno, pero los últimos años (desde 2019) empezó a recuperar. Los estados financieros (actuales) me gustan, poca deuda, buena ganancia neta (si bien hay algunas cuestiones a prestar atención, como el working capital negativo), los ratios también. En un contexto donde las empresas de retail clásicas están amenazadas por el e-commerce, Walmart tiene a su favor la intención de reconvertirse (están pisando fuerte con el management y la política de fusiones y adquisiciones) y su posición dominante. Igualmente el riesgo no me parece bajo, si no se adapta bien la competencia la destruye.
Wal-Mart Inc.[1] es una corporación multinacional de tiendas de origen estadounidense. Walmart abrió miles de tiendas en EEUU, y se expandió internacionalmente. Hoy en día posee aproximadamente 11500 tiendas bajo 56 marcas en 27 países y opera mediante e-Commerce en 10 países. Asimismo, la compañía emplea 2.2 Millones de personas (1,5M solo en EEUU).[2] Respecto a su historia, Walmart fue fundada por el legendario Sam Walton, quien abrió el primer Walmart en 1962, con 44 años de edad, en Rogers, Arkansas, para 1967 tenían 24 tiendas, y tenían ventas por 12,7M de dólares. En 1970 Walmart se convirtió en una compañía pública (OTC) y desde 1972, donde ya tenían (en solo 10 años de historia) 51 tiendas y ventas por 78M USD, Walmart está listada en el NYSE (también forma parte hoy en día del DJIA y del S&P 500). Básicamente el éxito de la fórmula de Walton se resume en dos pilares: precios bajos y atención al cliente (por sencillo que parezca).[3]
Walmart (NYSE:WMT), cerró a 143,55 dólares por acción el 22/10/2020. El desempeño de la acción, tomando como referencia el DJIA, el S&P 500 y el Consumer Staples Select Sector Index que elabora Standard & Poor (el ETF es NYSE:XLP),[4] fue bueno, habiendo crecido un 19,88% los últimos 12 meses, contra 14,86% del S&P 500, 7,86% del XLP, y 5,73% del DJIA. Desde enero (YTD) el diferencial es aún mayor, habiendo crecido 20,79% contra 6,89% del S&P 500, 3,64% del XLP y una disminución del 0,61% para el DJIA. Prestando atención a un swing un poco mas largo, el desempeño de Walmart los últimos 5 años fue muy superior al de los índices de referencia, habiendo subido un 146,36% contra un 66,30% del S&P 500, un 60,24% del DJIA y un 28,91% del XLP. La acción no es muy volátil, tiene un beta (5 años, mensual) de 0,28, moviéndose dentro de todo en la dirección del mercado.
Mirando las medias móviles (SMA de 30, 90 y 200 dias), al 22/10 Walmart está en $143,55, ligeramente por encima de la media de 30 dias (140,29) y bastante por encima de la media de 90 y de 200 (en 133,59 y 125,84 respectivamente). En cuanto al volumen, vemos que en las últimas ruedas (desde principios de Octubre) oscila entre 4 y 6M de USD, lo que es una reducción grande respecto de los volúmenes del orden de los 10M (aprox.) que suelen operarse de este papel, lo cual puede ser una señal a tener en cuenta.[5]

https://preview.redd.it/2xt4compz1v51.png?width=1491&format=png&auto=webp&s=7972388a4257f0ab6f66e27f5caee167619ae571
La compañía tiene un gran tamaño, es sin lugar a dudas una “large cap”, ostentando una capitalización de mercado de 407 miles de millones de dólares, la 9na mas grande de las que cotizan en los mercados principales de USA.[6] Respecto a la posición financiera de la empresa, Walmart tenía, en julio 2020, 64.996M de dólares de activos corrientes (contra 61806M en enero), y un pasivo corriente de 81.957M (contra 77.790M de enero), lo que arroja un current ratio de 0,8 y un working capital negativo de -16961M de dólares (alrededor de 1000M menos que en enero), lo que nos permite identificar la posibilidad de eventuales dificultades en la operatoria en el corto plazo.
Respecto a la deuda de largo plazo de la compañía, encontramos que la misma se ha ido reduciendo, reportando, al 31 de Julio de 2020, 40.959M de dólares de deuda de largo plazo (un 7,8% menos de los 44.404M que reportaron en Julio 2019), lo que representa un 17% del total capital. No obstante, como surge del reporte anual de esta compañía, la grandísima mayoría de la deuda es fija, existiendo solo 1500M USD (a enero 2020) de deuda sujeta a interés variable (interés reportado promedio de 2,1%), con maturity máxima del fin del FY 2022 (enero 2022).
En relación a las ganancias de la compañía. Para el Q2 2020 Walmart reportó ganancias netas por 6.476M de dólares, lo que es un incremento sideral de casi el 80% con respecto a los 3.610 reportados en el Q2 2019. Para el año fiscal terminado en enero 2020, Walmart reportó 14.881M de dólares de ganancias netas, lo que representa un gran incremento con respecto a años anteriores. Echando un vistazo a las ganancias de Walmart los últimos 10 años:
Año (ene-ene) 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
Net income (mill. USD) 16389 15699 16999 16022 16363 14694 13643 9862 6670 14881
Dif. Anual % - -4,21 8,28 -5,75 2,13 -10,2 -7,15 -27,71 -32,37 123,1
Podemos observar que si bien las ganancias crecieron un 123% interanual, las perspectivas hasta el año pasado no eran buenas (cabe aclarar que en los años fiscales la merma de ganancias se debe en parte a la agresiva política de adquisiciones de la compañía), Walmart no parecía un negocio en ascenso, sino mas bien lo contrario. No obstante, el último año fiscal Walmart supo recuperar fuertemente su caudal de negocios, para llegar a niveles similares, si bien aun inferiores, a los que tenía hace 10 años. Esta tendencia parece confirmarse con los reportes trimestrales de este año, que marcan incrementos respecto al año anterior.
Mirando el flujo de efectivo

Año (ene-ene) 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
CF de operaciones (mill. USD) 23643 24255 25591 23257 28564 27389 31530 28337 27753 25255
Dif. Anual % - 2,59 5,51 -9,12 22,82 -4,11 15,12 -10,13 -2,06 -9
Podemos observar que el flujo de efectivo por operaciones no creció, sino que mantuvo una cierta estabilidad a lo largo de los años, lo mismo sucede con el CF de actividades de financiamiento.
Respecto a la política de dividendos de la empresa, el primer dividendo pagado por Walmart es de $0,05 por acción anual en 1974, desde entonces Walmart ha ido incrementando anualmente los dividendos. Hoy en día paga 4 dividendos trimestrales (abril, Junio, Septiembre, Enero) de $0,54 por acción para este año fiscal, y presumiblemente $0,55 para el año siguiente. Asimismo, hubo varios splits, el último de ellos en 1999.[7]
Yendo un poco a los distintos ratios que tiene la empresa, Walmart ostenta un EPS (TTM) de alrededor de 6,3 (contra un 3,96 promedio de los últimos 5 años). En un periodo de 10 años, tomando el EPS promedio de los primeros 3 años fiscales (4,67) y de los últimos 3 (3,58), podemos ver como mermaron las ganancias de la compañía. Para el ultimo trimestre (MRQ) el EPS da 2,28 un incremento de 80% por sobre el mismo trimestre del año anterior.
Respecto al P/E de la empresa, vemos un dato positivo, ya que Walmart tiene un P/E de 22,95 (contra un ratio promedio de 26,72 para el DJIA y de 38,21 para el S&P 500).[8] Usando de referencia el EPS de los últimos 3 años (3,58), el P/E nos da 40,1 (considerar la fuerte suba de ganancias del ultimo año sobre los dos anteriores). En cuanto al P/B lo encontramos en el orden de 4,98 (en promedio las large cap de Consumer Staples tienen un P/B de 5,49).[9]
Los competidores de Walmart se pueden dividir en dos grupos, los de retail clásicos, y los gigantes del e-commerce. A los efectos de hacer una comparación, voy a tomar los top 5 retailers de USA en 2019, que son (además de Walmart que ocupa el 1er lugar): Amazon (NASDAQ:AMZN), Kroger (NYSE:KR), Costco (NASDAQ:COST) y Walgreens (NASDAQ:WBA). Las 5 empresas tienen tamaños muy disimiles, si nos basamos en el Market Cap. Amazon lidera con 1605MM de USD, y Kroger ocupa el último lugar con 25MM (Walmart esta segundo, con 407MM). Punto en contra de Walmart es la cantidad de empleados, 2,2M de empleados (sigue Amazon con 798k, y al final esta Costco con 273k). En cuanto a performance, tanto YTD como anualmente, Walmart está en 3er lugar, superada por Amazon y Costco.
En cuanto a su EPS, Walmart esta tercera (superada por Amazon, con 26,48 y Costco con 9,05), pero en cuanto a P/E ostenta el segundo ratio mas bajo (solo superado por Kroger con 9,87), mientras que las otras compañías tienen ratios sideralmente mas altos (Costco tiene 41,68, Walgreens 75,93 y Amazon 122,09). En cuanto a los ingresos y ganancias, es para destacar que si bien Walmart tiene 524MM de dólares de ingreso, tiene 14,9MM de ganancia; en cambio, Amazon tiene 280MM de ingreso y 11,6MM de ganancia.[10]
Mirando márgenes el gross margin en cierta forma refleja esta “ineficiencia” que destacaba de Walmart en la oración anterior, dado que lidera Amazon con 40,27% de gross margin (no obstante, Walmart esta segundo con 24,66%, superando a Kroger con 20,85%, Walgreens con 18,7% y Costco con 13,15%).[11] Estos datos nos permiten observar que comparativamente no esta mal posicionada, si bien es obvio que Amazon parece superar el desempeño de esta compañía, y que analizar Costco puede resultar de interés.
En cuanto al soporte institucional de Walmart, vemos que hay un 30,95% del flotante en manos de instituciones, siendo los principales tenedores The Vanguard Group Inc. con 4,77%, Blackrock Inc. (NYSE:BLK) que posee el 3,12% y State Street Corporation (NYSE:STT) con el 2,46% de la compañía.
En cuanto al management, de los 11 directores 7 son independientes, el chairman y el CEO son personas diferentes, y 8 de los 11 directores son menores de 59 años. El CEO, Douglas McMillon, cuenta con 29 años de experiencia en la compañía y ostenta el cargo desde 2014, su remuneración es de $22.105.350 para 2020 (1,5M de dólares menos que el año anterior). Los demás executive officers cobran en promedio $18.057.392 USD. El sueldo promedio del empleado de Walmart es de $22.484 USD.
Llama la atención la gran compensación de Suresh Kumar, CTO de la compañía, cuya remuneración alcanza casi 46M de dólares de los cuales 43,6M son compensación en acciones. Esta remuneración entiendo que es equiparable a la que reciben ejecutivos legendarios de otras compañías como Bob Iger de Disney, que recibe 47,5M de USD. Esta remuneración parecería indicar el interés de Walmart en el desarrollo del puesto (inaugurado por Kumar), y en que este sea ocupado por un ejecutivo de jerarquía, que desempeñó roles importantes en Google y Amazon, pero estimo que será un punto a considerar en años subsiguientes.[12]
Sobre la política de fusiones y adquisiciones de la compañía, Walmart desarrolló una política agresiva los últimos años, a fines de adquirir compañías que potencien la faceta electrónica de la empresa. Entre esas, la más importante fue la adquisición, en una puja con Amazon, por 16MM de USD de Flipkart, una empresa de comercio electrónico de india, en agosto de 2018. Otra adquisición importante fue la de la estadounidense Jet.com en 3,3MM de USD en 2016, así como también adquirieron en 2017 la tienda de ropa online Bonobos, por 310M de USD, entre muchas otras.[13]
Mirando un poco al futuro de la compañía, de la carta a los inversores que elaboró el chairman (Greg Penner), podríamos inferir el enfoque casi obvio que toma la empresa, la transición hacia un modelo más digital, haciendo crecer las ventas de e-commerce, pero aprovechando la ventaja (o desventaja) que presupone la gran cantidad de tiendas físicas que la compañía posee. A mi juicio esto ultimo es un arma de doble filo, es una desventaja por los costos que implica (se ven en la comparación con Amazon), pero también es una ventaja por sobre Amazon y compañías similares, en la medida que otorga a los clientes la posibilidad de hacer pickup de los productos que compra, algo que en una compañía puramente de e-commerce resulta imposible, o al menos difícil de ofrecer.
En ese sentido Walmart, al menos hasta enero de este año, mantuvo el mismo nivel de tiendas físicas que los años anteriores, en el orden de las 11.500 unidades. En cuanto a las ventas por e-commerce, reporta para el Q2 2020 un crecimiento del 97% en ventas netas por internet. También reconocen cierta incidencia positiva de los paquetes de estímulo del gobierno de EEUU en determinados segmentos de negocio (principalmente consumer discretionary).[14]
Los prospectos futuros de la economía general son alentadores, en el futuro cercano todo parece indicar que la economía en EEUU se recuperará y fuertemente, en parte gracias a que casi todos los Estados levantaron las cuarentenas y también ayudados por el alivio fiscal y monetario sin precedentes del gobierno.[15] En esa línea parecen también moverse las encuestas, que parecen indicar una recuperación del consumo.[16]

https://preview.redd.it/h2nz5vioz1v51.png?width=703&format=png&auto=webp&s=edc6d0dc3d95c1188f46e485723de4df023ef972
En términos generales, la posición de Walmart es la de un conglomerado mundial de retail, de manera tal que, al ser el principal retailer “brick and mortar” del mundo, la cuestión se centra principalmente en la resistencia a la sustitución por parte de la avanzada feroz del comercio electrónico, liderada por Amazon. Quizás valga la pena hacer referencia al caso de Blockbuster y Netflix.
Lo cierto es que Walmart, a diferencia de Blockbuster, es consciente del cambio de paradigma de la industria, y esta dispuesto a tomar medidas para evitarlo (mas capital allocation hacia e-commerce y logística en desmedro de abrir nuevas tiendas y expandir las existentes, las fusiones y aquisiciones, etc.), que se notan y tienen un impacto directo. No puedo dejar de mencionar ciertas red flags en contrario, que creo que serán determinantes a futuro: Walmart no cierra (o cierra pocas) tiendas físicas, y parece mantener la planta de empleados. Esto la hace mas ineficiente que Amazon, pero como contraprestación le permite el pickup en tiendas físicas de compras online, que suele ser mas rápido que esperar la entrega (lo cual Amazon no puede hacer de la misma manera, ni siquiera aprovechando las tiendas de Whole Foods), siendo esta una tendencia popular que se acentuó con la pandemia.[17] De manera tal que considero que el punto ideal está en encontrar el equilibrio entre el ajuste de tiendas físicas y personal y conservar ese diferencial.
La última cuestión importante respecto al futuro es Walmart+,[18] el nuevo programa de fidelidad de Walmart con el que piensa competir con Amazon Prime y que reemplazará al anterior programa de la compañía (llamado Delivery Unlimited). La ventaja comparativa de este producto es principalmente su precio, dado que la suscripción anual cuesta 20 dólares menos que la de Amazon ($98 contra $119). Otra ventaja es el bajo precio de los alimentos en Walmart, contra Whole Foods de Amazon (que es conocida por justamente lo contrario). La principal desventaja es que, por esos 20 dolares de diferencia, Amazon ofrece Prime Video, Music Unlimited, eBooks, almacenamiento en la nube para fotos, etc. mientras que Walmart no tiene (aún) servicios similares, únicamente ofrece ciertos descuentos en combustibles y otros productos. Por último tampoco tiene Walmart un catalogo tan extenso como el que pueden acceder los catálogos de Amazon Prime. Es por esto que el servicio deja un gusto a poco, y entiendo que sería conveniente que Walmart ofrezca mas “perks” para quienes se suscriban, o que tome una política mas agresiva en cuanto al pricing.[19]
A modo de conclusión puedo decir que si bien Walmart está lejos de desaparecer, y esta tomando medidas para reconvertirse y ser un jugador fuerte del e-commerce en el futuro, queda en cada uno juzgar si van a estar a la altura de las circunstancias o están destinados al fracaso.
Disclaimer: La presente investigación y análisis no debe entenderse de manera alguna como una recomendación o sugerencia de inversión. El autor recomienda enfáticamente a los lectores la realización de investigación propia con la debida diligencia.

[1] En principio la investigación se hace en base a los filings de Walmart ante la SEC, principalmente los Forms 10-K y 10-Q, disponibles en https://stock.walmart.com/investors/financial-information/annual-reports-and-proxies/default.aspx y en base a los datos recopilados en Yahoo! Finance (https://finance.yahoo.com/quote/WMT/). Valores en dinero expresados en dólares estadounidenses.
[2] De: https://corporate.walmart.com/our-story/our-business
[3] De: https://corporate.walmart.com/our-story/our-history
[4] Hay otros índices sectoriales como el S&P 500 Retailing Industry Group (https://www.marketwatch.com/investing/index/sp500.2550/charts?CountryCode=xx) que comparativamente no arrojan resultados tan buenos para Walmart.
[5] Comparación en base a gráfico y datos de TradingView (https://www.tradingview.com/chart/)
[6] Comparación realizada por https://www.dogsofthedow.com/largest-companies-by-market-cap.htm
[7] Ver https://stock.walmart.com/investors/stock-information/dividend-history/default.aspx
[8] Datos de Wall Street Journal (https://www.wsj.com/market-data/stocks/peyields)
[9] Según Zacks (https://www.zacks.com/stock/chart/WMT/fundamental/price-book-value). Datos sectoriales de Siblis Research (https://siblisresearch.com/data/price-to-book-secto)
[10] Según índice de la National Retail Federation: https://nrf.com/resources/top-retailers/top-100-retailers/top-100-retailers-2020-list
[11] Comparación realizada con el screener de TradingView: https://www.tradingview.com/screene
[12] Información sobre el management tomada del Proxy Statement del Annual Report 2020 https://s2.q4cdn.com/056532643/files/doc_financials/2020/a2020-Proxy.pdf
[13] Datos de https://www.investopedia.com/articles/markets/102315/top-4-companies-owned-walmart.asp ; https://theatlas.com/charts/rkIYdxGAG ; https://moneyinc.com/companies-you-didnt-know-walmart-owned/
[14] De la presentación de ganancias del Q2 https://s2.q4cdn.com/056532643/files/doc_financials/2021/q2/Earnings-Presentation-7.31.2020-final.pdf
[15] Ver https://www.wsj.com/articles/second-coronavirus-wave-destabilizes-european-recovery-11603443406 ; https://www.barrons.com/articles/u-s-economic-activity-picks-up-while-europes-stalls-51603479545?mod=bol-social-tw y https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-10-23/economists-say-gdp-will-show-u-s-economy-grew-30-in-3q-a-postwar-record
[16] Ver http://www.sca.isr.umich.edu/
[17] Ver por ejemplo: https://www.cnbc.com/2020/10/11/walmart-target-try-to-beat-amazon-with-curbside-pickup.html
[18] https://www.walmart.com/plus
[19] Ver https://us.cnn.com/2020/09/15/cnn-underscored/walmart-vs-amazon-prime/index.html ; https://www.digitaltrends.com/web/what-is-walmart-plus/ ; https://www.goodmorningamerica.com/living/story/walmart-launches-compares-amazon-prime-73017852
submitted by menem95 to merval [link] [comments]


2020.10.11 02:24 ZaGaGa A História de um jantar de aniversário em tempos de pandemia

(no final tem algumas notas de esclarecimento)
Meus caros vou escrever isto em tom de desabafo, se quiserem leiam se não quiserem não leiam, se quiserem dar upvote força, se quiserem dar downvote também é ok e é só rodar o polegar e enfiá-lo no outro dia a minha cara metade avisou-me que tínhamos sido convidados para ir jantar a casa da cunhada que tinha feito anos. Fiquei logo de pé-atrás, é que eu estava a comprimir uns 10 dias de pseudo quarentena [sim o governo espanhol andava a espiar-me] depois de ter estado a em grande sacrifício em prol dos interesses do país - que é como quem diz: de féria no Algarve - para poder ir visitar os meus pais que moram para lá das serras onde quando se vai tem de se pernoitacohabitar e agora vinha-me esta gaja com uma festa de anos em plena pandemia...raios.
«Não te preocupes. Ela disse-me que somos só nós e os meus pais, assim a família mais próxima» - "A família mais próxima...e eu!" pensei mas guardei para mim, "...é que só pode porque que eu saiba ainda não sou da família! Fogo! Ainda por cima vou ter de arranjar uma prenda..."
Enfim lá fomos, e no dia deram-nos a morada do restaurante, «Então? Restaurante? Não era em casa?!»
«Pois é... não sei, o David [nome fictício] disse-me que é no restaurante do tio do primo dela [grau de parentesco inventado mas vendo bem as coisas é possível], mas que o restaurante vai estar por nossa conta».
Chegados aos restaurante, de aspecto familiar mas com muito boa apresentação, acenou-nos lá de dentro o David - por detrás de uma porta carregada de cartazes da DGS impressos e o do selo COVID Safe - para que entrássemos.
«Então o teu irmão está sem máscara?» perguntei à minha cara metade que olhava para mim com ar de igual surpresa.
«Oh David! Não é preciso máscara?»
«Não, não na boa mano, entra»
Ainda assim hesitamos à entrada da porta do restaurante de onde se podia ver em praticamente todas as colunas e em letras grandes e vermelhas YOU SHALL NOT PASS! ok, na realidade era apenas "Obrigatório o uso de máscara" mas o já adquirido hábito de cumprir essa regras ao fim deste tempo todo era como se uma barreira invisível nos impedisse de atravessar o portal...mais precisamente a porta de entrada.
«Tens a certeza? É que não me importo nada de usar máscara... já estamos habituados» perguntamos com a máscara na mão.
«Oh esquece isso! Só cá estamos nós, o ‘tio do primo’ disse que era na boa. Só se aparecer algum cliente.» “Como assim ‘cliente’? Então o restaurante não estava por nossa conta? Quer dizer que o restaurante está aberto ao público? E isso não faz de nós clientes?” «Eles estão com pouco movimento, o pessoal anda todo com medo do cóvide" continuou o David, “Pouco movimento?” mas guardei para mim as minhas dúvidas.
Subimos à sala de jantar onde uma grande mesa se destacava já posta e com umas 20 cadeiras. Foi quando percebi que a família mais próxima incluía a família "do outro lado". Sem máscara e claramente familiarizados com o espaço (ao contrário de nós) a família da Paula [nome fictício da aniversariante] cumprimentou-nos com a habitual frase "agora não se pode dar beijinhos" e convidou-nos a sentar enquanto se dirigiam à cozinha por entre as mesas (onde dois solitários clientes assistiam a notícias chocantes de mais um lar com infectados - CMTV) para irem buscar petiscos.
Com um enorme nó na garganta sorri e cumprimentei toda a gente, e enquanto se davam as apresentações eu só pensava que queria virar as costas e sair dali rapidamente. Contudo os laços familiares amarravam-me ao chão.
Com 15 adultos à mesa (onde ocupamos estrategicamente o cantinho mais afastado de toda a gente) e uma dúzia de crianças particularmente mal comportadas (ok eram só 5, mas apreciam muitas mais) lá chegaram os aperitivos, daqueles bons à tuga de lamber os dedos depois de lhes pegar e partilhar: camarões, queijos, pica pau, entre outras coisas que nos dão prazer de existir neste mundo circulavam na mesa num "queres? temos aqui mais! eu já comi a minha dose e a Joana (fictício) não gosta do que é bom" e enquanto isso eu gritava para dentro e tentava acompanhar que aperitivos ainda eram relativamente seguros e quais já tinham sido alvo de alguma das crianças que, de tempos, lá pegavam em comida, cheirava e voltava a meter no prato completamente absortos dos pouco convincentes ralhetes dos pais "Já te disse para não mexeres naquilo que não vais comer!" isto x100 e x5 e é só fazer as contas.
1 a 1 os dois solitário clientes abandonaram discretamente a sala enquanto a nossa refeição se desenrolou. Um dos nosso convivas (pelos vistos funcionário do sítio) era uma das duas únicas pessoas que usava máscara e foi receber os pagamentos. A outra pessoa era o dono do elegante restaurante, um senhor forte (ok, gordo) e pachorrento com máscara a fazer da babete enquanto se queixava dos ossos e que vinha aí chuva (acertou claro!)
O jantar estava óptimo! Boa comida, bom vinho tudo bem confeccionado. Até conhecemos a cozinheira, uma senhora com muitos anos na casa, que veio da cozinha (sem máscara) para nos cumprimentar e conversar um pouco com os convivas enquanto, por cima de mim, se apoiava nas costas de minha cadeira.
A conversa lá se orientou para o tema do Covi-19, e afinal aquela gente até é temerosa da coisa, pois tinham "muito medo”, «sabe-se lá as pessoas que andam por aí!», «Andam aí espanhóis por todo o lado e uma pessoa tem receio, ainda no outro dia tivemos aqui umas francesas, vieram cá duas vezes, felizmente já se foram embora!», «A culpa é do governo e do PR! [Claro...] que só dão maus exemplos, andam a pedir para as pessoas irem à praia e irem de férias e depois tá tudo infectado», «Há pessoas que também não têm cuidado nenhum, ainda no outro dia...»
Aos poucos os olhares viraram-se para mim, as pessoas mais próximas sabem que tenho formação científica, opiniões sólidas e minimamente informadas sobre o tema pelo que eu (depois de ter esvaziado uma boa parte da garrafa de tinto que descansava ao meu lado) já não aguentando ouvir mais nada levantei-me e explodi apontando o dedo para aquela gente e denunciei aquela hipocrisia, o incumprimento de regras e toda a estupidez e falta de critério à lusitana pois já era mais que sabido que as mais recentes infecções eram provocadas por eventos exactamente como aquele! Aliás como é que ainda tinham o descaramento de se queixar de falta de clientes perante tão pavoroso incumprimento das mais elementares regras!
Ou pelo menos foi isso que fantasiei por breves segundos e assim, depois de mais um golo no copo de vinho para ganhar tempo, lá respondi quebrando o momentâneo silêncio que se havia instalado: «Pois… É complicado...»
Já as velas lá se apagaram, como deve de ser nos dias de hoje, com um swipe da mão.
--//--
Algumas notas:
submitted by ZaGaGa to portugal [link] [comments]


2020.10.09 18:13 TapperTotoro Eu venci a depressão e é isso que tenho feito desde que me curei! - Parte 2/365

Uma espécie de diário aberto: Antes de quase me afogar na 'escuridão', escrevi um livro para o meu primeiro filho; e agora curado, comecei a escrever o segundo livro para o meu segundo Príncipe, dando continuidade à história inicial.
De notar que esse segundo texto é um tanto comprido (1,98 metros de altura do autor se justificam aqui).
Antes de escrever mais para essa série motivada pela minha vitória na luta contra a depressão, quero agradecer à todas as pessoas que partilharam comigo um pouco do seu tempo para ler e comentar, além de todos os "prémios" que a minha primeira publicação recebeu (e continua a receber) e todas as pessoas que também começaram a seguir-me lá no meu humilde canal de Youtube.
Olá (quem leu a primeira publicação dessa "série" entende esse 'olá').
Pois bem; há quase que exatamente 5 anos atrás, quando as coisas ainda não estavam tão más para a minha existência, decidi escrever um livro para o meu primeiro - e possível na altura, único - filho. É para mim a história mais bonita que já escrevi e o primeiro livro infantil também, e a ideia na data era imprimir todas as páginas em folhas A4 em duas duplicatas e fazer eu mesmo as capas para os livros à mão.
- Além de ter escrito o livro, porquê é que não publiquei com uma editora (ainda)?
Bem, além de querer que 100% dos direitos da obra fossem para o meu pequeno Príncipe e não querer que a mesma tenha nenhum vínculo com uma editora, é como já disse, queria fazer somente duas cópias de forma manual e oferecer a primeira (a que considero 'original') para o meu filho (na altura só tinha e queria ter um, mas surgiu o segundo e amo 'pacas' os dois), e a segunda ficaria guardada como cópia física de segurança. A história basicamente é sobre eu e ele, e a nossa imaginação fértil, mas acabei por quase eliminar o manuscrito (juntamente com todos os outros textos meus) quando cheguei ao ponto em que se não tomasse uma decisão, não estaria vivo hoje.
Foi uma questão de mudança de último segundo a existência desse manuscrito e há alguns dias atrás voltei a lê-lo e decidi que além de publicar a história de forma totalmente independente por e para eles (agora os meus Príncipes são dois, lembra?), farei as duas cópias de forma manual como era planeado no início e guardarei para quando ambos forem adultos receberem como prenda de maioridade. Também sou motivado a não fazê-lo agora ou antes da maioridade (os livros físicos e entregar para eles) pelo facto que a minha ex-esposa destruiria os livros se eu entregasse para ela guardá-los (lembra-se da relação afetiva que tive e quase me matou? Pois bem, eu fui casado por 7 anos com ela), visto que ambos os Príncipes são muito novos ainda.
Para colocar em perspetiva: O divórcio e os meses que se seguiram ao divórcio foram um autêntico inferno, com ela a fazer de tudo para me afastar dos Príncipes (mentindo inclusive para a justiça ao dizer que eu abandonei os Príncipes quando na verdade eu não tinha onde morar - e ficou provado isso - não tinha dinheiro tampouco meios de transporte para visitá-los - ou um telemóvel para ligar para eles - e estava há mais de 30 quilómetros da casa deles; com isso e por ter ficado provado que eu não abandonei os Príncipes ela criou outros processos jurídicos absurdos que se arrastam até hoje somente com intuito de tirar mais e mais do que eu tenho conseguido alcançar aos poucos depois de sair da rua ...).
Foi tudo tão difícil pois como já tinha dito, acabei a morar na rua sem nada pelo simples facto de eu não querer dividir os bens que obtivemos durante a duração do nosso casamento ou levar nenhum bem material no final da relação, deixando tudo com ela para os meus filhos, pois mais do que eu, os eles precisam de um lugar para viver e eu sempre me virei muito bem ou sou muito bom a recomeçar a vida do zero. Valeu a pena esse sacrifício? Sim, e muito!
Mas mesmo tendi isso sido um inferno, ainda existe a parte mais difícil e que muitos pais (divorciados ou não) se irão rever, possivelmente:
Desde fevereiro que só falo com os meus dois Príncipes por videochamada por causa de toda essa questão da pandemia (e outros pontos que prefiro não expor por eles, para preservar o futuro da imagem da mãe deles, ou não ser eu influência no moldar dessa imagem caso aconteça) e decidi que mesmo estando as coisas "mais amenas" aqui em Portugal (mas a piorar agora com o espreitar do inverno), só estaria com eles quando for encontrada a cura ou se provar efetiva a obtenção de imunidade à doença; por nada desse mundo quero colocá-los em risco por uma coisa que o meu sacrifício pode evitar, afinal de contas, eles são o que de mais importante tenho nesse mundo todo ...
Voltar a ler o livro que escrevi para, agora eles, (escreverei entre esse e o próximo ano um segundo livro para dar continuidade à história e incluir o meu segundo Príncipe) despertou algumas ideias que já tenho colocado em prática e a partir de amanhã, publicarei uma página do livro por dia (inserirei o link aqui!) como tenho feito com esses textos novos e outras formas de arte que crio. Como não quero ter mais do que duas cópias físicas de cada livro, não tenho a certeza se vendo os e-books e crio uma conta poupança para os Príncipes com o dinheiro da venda das cópias digitais ou se publico somente no site que estou a construir e uso a monetização por meio da publicidade embutida nas páginas para esse fim (esse é o modo mais apelativo para mim, porque assim mais gente tem acesso aos livros e contribuem mesmo que não tenham condições financeiras para comprar um exemplar).
Digam-me o que vocês acham sobre qual é a melhor opção :)
Eis um trecho do livro e a página de abertura de 'O rei e o grande minúsculo', o livro que escrevi para os meus dois filhos:
Eu sou o Narrador e esta é a história sobre um minúsculo rapaz que vive dentro do pequeno universo que existe no meu umbigo. Neste mundo, ninguém possui um nome, apenas características físicas únicas e marcantes.
O rapaz que conheci tem uma particularidade muito semelhante à uma que tenho. Ele é alto, tão alto, que por este motivo não existe qualquer outro rapaz da sua idade com a altura próxima à dele e é inclusive muito mais alto do que todos os adultos deste tal mundo. Se o tornarmos proporcional à altura das pessoas humanas, este rapaz terá três metros enquanto a altura média de todas as pessoas é de um metro e setenta centímetros.
Conheci-o num dia em que estava eu a descansar ao sol, deitado na relva com uma camisola sem mangas, enquanto brincava com o meu microscópio imaginário e despertou em mim a curiosidade de espreitar com aquilo para o meu umbigo. Para a minha total surpresa, a primeira coisa que vi foi um amontoado de cabelos crespos pretos cheios de caracóis que parecia estar preso a um poste azul acastanhado, só que, depois de poucos segundos o poste se mexeu e assustei-me, afinal, os postes não podem andar. Ou podem?
– Olá gigante! – disse uma voz que não conseguia perceber de onde vinha.
– Estou bem aqui. – continuou ela. Levantei-me da relva e olhei à minha volta. Por mais certeza que tivesse sobre ter ouvido aquela voz, tudo apontava para o facto de estar eu sozinho ali. Corri para o muro da minha humilde casa, trepei-o para espreitar às casas dos meus vizinhos casmurros e vi que ninguém se escondia do outro lado.
– Acho que estou a sonhar acordado, novamente. – disse para mim mesmo em voz alta.
– Não gigante, não estás a sonhar. A propósito, porque é que trepaste para cima dos muros se em pé és maior do que eles? – continuou e perguntou aquela voz misteriosa. Corri para dentro da minha casa, tranquei todas as portas e janelas, fui às pressas e assustado para o meu quarto, apaguei as luzes e escondi-me na segurança que existe por baixo dos meus grandes e quentes amontoados de lençóis de seda, mantas polares e cobertores de todas as cores.
Depois disso, não voltei a ouvir aquela voz naquele dia e acabei por adormecer. Sonhei com milhares de coisas maravilhosas, entre elas doces e chocolates pois sou um narrador um tanto guloso; sonhei com os infinitos momentos de diversão com os meus amigos, com o meu pequeno Príncipe e por fim, para não fugir à regra, sonhei que dormia também ...
Espero que quando os meus Príncipes lerem essa história que escrevi em especial para eles, sintam o que queria transmitir nessa altura em que pouco conseguem entender dos sentimentos humanos e para que encontrem nas minhas palavras tornadas ficção, a voz deles que muito me tem ajudado nessa luta e nova fase da minha vida. E que essa voz os ajude nas fases mais difíceis da vida, e relembrem também os momentos mais felizes.
Também espero que você que me lê novamente hoje, goste de tudo o que pretendo partilhar e se que se existir alguém importante para você, use-a como motivação para lutar contra todas as coisas que não fazem bem, e que esses livros que publicarei inspirem alguém a criar e mudar o mundo, mesmo que o mundo seja só para uma pessoa :)
Com muito amor;
Aladino.
submitted by TapperTotoro to desabafos [link] [comments]


2020.09.28 14:37 Vedovati_Pisos Cavalo Mangalarga Marchador – Saiba tudo sobre a raça!

Cavalo Mangalarga Marchador – Saiba tudo sobre a raça!
Os primeiros cavalos chegaram ao Brasil na época do descobrimento, mas só por volta de 1800 alguns animais de elite começaram a ser enviados para cá. A partir daí, deu-se início a formação do cavalo Mangalarga Marchador.
O Margalarga deveria ser chamado de cavalo Junqueira, mas acabou ganhando o nome Mangalarga. Uma história que começou em 1750 quando João Francisco Junqueira conseguiu com a coroa uma imensa faixa de terra na região do Sul de Minas Gerais, em Cruzilia, para plantar, criar gado e cavalos.
História do Mangalarga Marchador
A raça Mangalarga Marchador é tipicamente brasileira e surgiu no Sul de Minas, através do cruzamento de cavalos da raça Alter – trazidos da Coudelaria de Alter do Chão, em Portugal – com outros cavalos selecionados pelos criadores daquela região mineira.
A base de formação dos cavalos Alter é a raça espanhola Andaluza, cuja origem étnica vem de cavalos nativos da Península Ibérica, germânicos e berberes. Os cruzamentos dessas raças deram origem a animais de porte elegante, beleza plástica, temperamento dóceis e próprios para a montaria.
Os primeiros exemplares da raça Alter chegaram ao Brasil em 1808, com D. João VI, que se transferiu para a Colônia com a família real. Os cavalos dessa raça eram muito valorizados em Portugal e a família real investia em coudelarias (haras) para o aprimoramento da raça. A Coudelaria de Alter foi criada em 1748 por D. João V e viveu momentos de glória durante o século XVIII, formando animais bastante procurados por príncipes e nobres europeus para as atividades de lazer e serviço.
Quando Portugal foi invadido pelas tropas francesas de Napoleão Bonaparte, inúmeras fazendas de criação de cavalos da raça Alter, inclusive a Coudelaria Alter do Chão, foram saqueadas. Nos anos subseqüentes, os cavalos Alter remanescentes no país foram cruzados com diversas raças, principalmente com a raça Árabe.
Mas quando D. João deixou Portugal, trouxe para o Brasil alguns dos melhores eqüinos da Coudelaria Alter do Chão. Dos animais que vieram para o Brasil antes da invasão francesa e, portanto, puro exemplares da raça Alter, descende o garanhão ‘Sublime’, considerado o marco inicial da raça Mangalarga Marchador.
A tradição oral nos conta que em 1812, Gabriel Francisco Junqueira, o Barão de Alfenas, teria recebido como presente do Imperador o garanhão Sublime. Gabriel Francisco teria, então, usado largamente esse reprodutor em suas éguas na Fazenda Campo Alegre, no Sul de Minas (a fazenda era uma herança de seu pai João Francisco Junqueira), daí resultando a base do que viria a ser o Mangalarga Marchador. As primeiras crias desses cruzamentos foram também chamadas de Sublime.
Quanto às éguas brasileiras utilizadas nos cruzamentos, estas foram originadas dos primeiros animais introduzidos no Brasil pelos colonizadores, sendo a maioria de sangue Berbere e Andaluz.
Desde o início dos trabalhos de sua seleção, Gabriel Francisco Junqueira levou em consideração o andamento cômodo, a resistência, rusticidade e o brio dos animais de sua criação. Naquela época, como o cavalo era o único meio de transporte, a notícia da existência de cavalos de andamento cômodo na Fazenda Campo Alegre despertou um grande interesse em todo o Sul de Minas e vários criadores adquiriram animais do Barão de Alfenas.
Alguns pesquisadores, porém, apontam algumas contradições assim como relatos dos descendentes diretos do Barão de Alfenas que não apóiam esta versão. Segundo os mesmos, as datas, tipo de cavalo presenteado, origem do cavalo, etc. não são compatíveis com dados históricos da época.
(Sugerimos a leitura da seção O Barão de Alfenas, do livro MANGALARGA MARCHADOR – E os outros Cavalos de Sela no Brasil de Rosalbo F. Bortoni, para entender melhor a participação do Barão de Alfenas na origem do Mangalarga Marchador.)
Responsáveis
A História do Mangalarga está intimamente ligada à História dos homens que povoaram o Sul de Minas, a partir dos primeiros anos do século XVII. Estes primeiros habitantes da região eram mineradores, atraídos pelas noticias que se espalharam da ocorrência de muito ouro nos rios e ribeiros daquelas terras.
Com o passar dos anos, a mineração foi sendo substituída pela agropecuária, com especial atenção para gado leiteiro e eqüinos para o trabalho.Algumas das famílias que se instalaram nesta região tornaram-se ancestrais de várias das mais tradicionais famílias mineiras, como os Junqueiras, os Resendes, os Andrades, os Meirelles, os Reis, os Ferreiras, os Carneiros, para citar apenas algumas.
Houve deslocamento dos que se interessaram pela agropecuária para a região de Baependi, Aiuruoca e São Tomé das Letras, onde já havia alguns moradores. Ali, nas terras mais férteis e nos campos mais vastos e de melhor topografia, os novos habitantes encontraram melhores condições para o que pretendiam, que era desenvolverem-se na agropecuária.

Foi então que se iniciou a seleção dos cavalos que viriam a ser os Mangalarga.
O Início do Mangalarga Marchador
Uma das famílias que se instalou na região das Comarcas de Baependi e Aiuruoca foi a de Helena Maria do Espírito Santo, que se casou com João Francisco Junqueira, o patriarca da família Junqueira.
Os descendentes de Helena Maria e João Francisco, ao começarem a trocar suas atividades de mineração pela agropecuária, desenvolveram um tipo de cavalo de porte médio, bastante forte, rústico e de boa ossatura. O andamento variava do diagonalizado até o lateralizado puro.
A seleção inicial se fez principalmente visando o andamento cada vez mais cômodo, trabalho esse que veio resultar na marcha batida ou picada, conforme a localização de cada núcleo. Naqueles mais próximos à região de maior influencia da mineração a preferência era pela marcha picada. Nos mais próximos a Baependi, Aiuruoca, São Tomé das Letras, em que a atividade principal passara a ser a pecuária, havia clara preferência pela marcha batida.
O essencial, entretanto, era que o cavalo fosse rústico, confortável para o cavalheiro, frugal e esperto.

https://preview.redd.it/k7iex6zcuvp51.jpg?width=945&format=pjpg&auto=webp&s=50ef5c1339cd8ecd0442097acf46f39b3051a5f0
Houve, portanto, uma seleção natural e os animais mais capazes e que atendiam os objetivos dos criadores deram os primeiros passos para o aparecimento das linhagens.
Início das Linhagens
As primeiras notícias que se têm sobre seleção e aprimoramento de cavalos são a partir de João Francisco Filho, com maior ênfase para a atuação de José Frausino, seu filho (filho e neto, respectivamente, de Helena Maria Espírito Santo e João Francisco Junqueira), que estabeleceram-se na Fazenda do Favacho.
Fazenda Campo Alegre
Propriedade do patriarca da família Junqueira, João Francisco Junqueira. Ali nasceu, em 1782, seu filho Gabriel Francisco Junqueira, depois Barão de Alfenas. Gabriel Francisco se casou com Ignácia Constança de Andrade e tiveram 10 filhos. Entre eles, dois se destacaram na criação de cavalos: Francisco Gabriel de Andrade Junqueira, chamado Chiquinho do Cafundó, de quem descendem os proprietários da Fazenda Tabatinga, e Antônio Gabriel Junqueira, da Fazenda Narciso, onde também se criaram famosos reprodutores da raça.
A Gabriel Francisco Junqueira, que continuou residindo na Fazenda Campo Alegre, é creditado o mérito de ter criado um tipo peculiar de cavalos, assim como a fixação do andamento marchador desses animais, tudo a partir de cruzamentos feitos de suas éguas com um garanhão que lhe fora presenteada pelo então Imperador do Brasil.
A tradição oral conta que em 1812, Gabriel Francisco, o Barão de Alfenas, teria sido presenteado pelo Imperador com um reprodutor da raça Alter. Gabriel Francisco teria, então, usado largamente esse reprodutor em suas éguas, daí resultando a base do que viria a ser o Mangalarga Marchador.
Apesar das controvérsias em relação a essa história, não resta a menor dúvida de que ele criava cavalos. E que Gabriel Francisco, juntamente com um sobrinho, José Frausino, se preocupou mais do que os outros com a evolução de suas montarias.
Fazenda do Favacho
Em 1828, José Frausino adquiriu para a Fazenda do Favacho um potro, chamado de Fortuna, em alusão ao alto preço pago por ele.
Fortuna foi o reprodutor que maior influência teve na fixação de um tipo, contribuindo definitivamente para a formação e fixação dos caracteres da raça Mangalarga.
A influência de Fortuna foi intensa e extensa, já que também nos animais posteriormente selecionados no Estado de São Paulo a descendência desse reprodutor foi de imensa importância.
Na Fazenda do Favacho foram gerados os Fortunas II e III. De Fortuna III, levado para São Paulo, depois de ter servido na Fazenda do Favacho por alguns anos, descendem os Fortunas IV e V, tendo voltado para a Fazenda do Favacho um descendente deles, o Armistício, que foi pai de Candidato, cavalo de imensa importância no criatório sul-mineiro em geral.
Tanto nos rebanhos de Minas Gerais, como nos de São Paulo, estes também iniciados por membros da família Junqueira, se nos detivermos numa análise genealógica, constataremos que as boas linhagens são quase todas provenientes do Fortuna.Dos Fortunas também descende Colorado, de capital importância no criatório do Mangalarga, também chamado Mangalarga Paulista.
Ainda na Fazenda Favacho, tiveram influência no correr dos anos os reprodutores: Plutão, Canadá, Duque, Calçado, Manco, Trovão, Montenegro, Jambo, Gesso, Albatroz, Fla-Flu, além dos já citados Armistício e Candidato.
Fazenda Traituba
Construída em 1831. Seu primeiro proprietário foi João Pedro Junqueira, que foi pai de João Pedro Diniz Junqueira. Uma filha deste casou-se com José Frausino Fortes Junqueira, e a partir daí a criação de cavalos tomou vulto na fazenda.
Tropa muito semelhante em tipo e aptidões à da Fazenda do Favacho, com ênfase para as qualidades funcionais do cavalo.
Garanhões que maior influência tiveram na tropa: Pégaso, Canário, Glicério, Armistício, Rádio, Rádio II, Bibelô, Beduíno, Candidato e Sátiro, sendo que este último foi para a Fazenda do Angathy, onde exerceu marcante influência.
Fazenda Campo Lindo
Fazenda Campo Lindo, de João Bráulio Fortes Junqueira (n.1837 f. 1901) e Gabriela Vitalina Diniz Junqueira.
Apaixonado pelo campo e pela pecuária, João Bráulio tornou famosa sua marca‘JB’. João Bráulio conseguiu formar tropa de grande refinamento e expressão racial, sem se descuidar das qualidades funcionais.
Pégaso, filho de Beline, serviu na Fazenda Traituba, gerando o excelente Rádio, que por sua vez gerou Sátiro, de capital importância na fixação de um tipo na Fazenda do Angathy.Da Fazenda Campo Lindo era outro reprodutor que exerceu grande influência nas tropas do Sul de Minas. Trata-se de Beline, nascido em 1901. Vejamos alguns exemplos.
No atual rebanho Herdade domina também a origem de Beline, através de Brasil e Ouro Preto JB, filhos; Londres JB, neto; Beline e Seta Caxias, bisnetos de Beline.
Clemenceau II, neto de Beline, é de uma suma importância no rebanho da Fazenda Tabatinga, já que era avô de Tabatinga Predileto e bisavô de TabatingaCossaco.
Na região de São Vicente de Minas, Beline também exerceu marcante influência. Assim é que as Fazendas Engenho de Serra, Pitangueiras, Bela Vista e Porto usaram por vários anos reprodutores ‘JB’, descendentes de Beline: Ouro Preto JB, filho de Beline; Clemenceau II JB, V-8 JF, Panchito JB e Londres JB, netos de Beline, além de Baluarte, filho de Panchito, bisneto, portanto de Beline.
Muito grande foi e é a influência dos animais da Fazenda Campo Lindo nos criatórios atuais, e muitos foram os reprodutores que continuaram na própria Campo Lindo ou influenciando outros criatórios: The Money, Farol, Rio Negro, Clemenceau I e Clemenceau II, Ouro Preto JF, Candidato, V-8, Sargento, Diamante e outros mais.
Fazenda Narciso
Criatório já extinto. Entretanto seus animais tiveram e têm marcante influência na raça Mangalarga Marchador.
Era de propriedade de Antônio Gabriel Junqueira, filho de Gabriel Francisco Junqueira, Barão de Alfenas.
Quase todas as tropas daquela época foram beneficiadas por reprodutores da Fazenda Narciso, destacando-se entre eles: Abismo, Trovador, Pretinho, Primeiro, Mussolino.
Fazenda do Angathy
Construída por volta de 1782 por José Garcia Duarte, bisavô de Cristiano dos Reis Meirelles, sob cuja influência tomou vulto na Fazenda do Angathy o criatório de cavalos.
Reprodutores que influenciaram na formação e continuidade da tropa: Bônus, Mozart, Mineiro, V-8 JF, Miron, este, filho de Sátiro, cavalo vindo da Traituba e de fundamental importância na Fazenda do Angathy, além de Salmon, Veto e Yankee.
Foi da Fazenda do Angathy um dos mais célebres reprodutores da raça, o Caxias I, nascido na Fazenda Luziana, em Leopoldina. Era também da Fazenda do Angathy o garanhão de nome Angathy, registrado sob o número 1 na Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador.
Linhagens de Tradição
A partir daquelas seis linhagens iniciais, a criação dos cavalos marchadores rapidamente se espalhou pela região sul-mineira, começando a alcançar regiões mais distantes, mas todas elas, inicialmente, no Estado de Minas Gerais. Hoje, porém, já se espalhou por todo o país e por alguns paises no exterior.
Muitos outros criatórios existiram na região sul-mineira. A criação do Mangalarga Marchador se deveu basicamente ao trabalho da família Junqueira. Mas sua consolidação se fez com o trabalho de grande número de pessoas. É provável que essas pessoas talvez nem estivessem imbuídas da importância que viriam a ter os animais que criavam. Eram fazendeiros que precisavam de cavalos para o trabalho. Gostavam daqueles animais que ofereciam conforto ao cavaleiro, e os criavam. Cada qual colaborou com uma pequena parcela para a fixação dos caracteres raciais e para maior divulgação da raça.
E por que ficou o nome Mangalarga Marchador?
Há várias versões e até lendas para a denominação ‘Mangalarga’. A mais consistente, segundo pesquisadores, está relacionada com a Fazenda Mangalarga, localizada em Pati do Alferes, no Estado do Rio de Janeiro.
Seu proprietário era um rico fazendeiro que, impressionado com os cavalos da família Junqueira, adquiriu alguns exemplares de Gabriel Francisco Junqueira – o Barão de Alfenas -, fazendeiro do Sul de Minas e deputado na Corte.
Vez por outra os proprietários da Fazenda Mangalarga iam à Corte com os cavalos sul-mineiros. Quando alguém se interessava pelos animais, eles indicavam as fazendas do Sul de Minas como sendo a origem dos cavalos.
Quando os compradores iam ao Sul de Minas, pediam cavalos iguais aos da Fazenda Mangalarga. E com o tempo, esta referência acabou transformando-se em nome.
Outra versão diz respeito a um cavalo do Imperador que teria sido o pai desta raça e se chamava Mangalarga.
A terceira versão diz respeito à forma do cavalo movimentar as mãos (as patas) dianteiras, como se estivesse vestindo mangas largas.
A marcha é o diferencial do Mangalarga, que é diferente dos outros animais marchadores. A marcha, que é o passo acelerado, se caracteriza por transportar o cavaleiro de maneira cômoda, pois não transmite os impactos ocorridos com os animais de trote.
Durante a marcha, o Mangalarga Marchador descreve no ar um semicírculo com os membros anteriores e usa os posteriores como uma alavanca para ter impulso. Marchando, ele alterna os apoios nos sentidos diagonal e lateral, sempre suavizados por um tempo intermediário, o tríplice apoio, momento em que três membros do Mangalarga Marchador tocam o solo ao mesmo tempo.
A fácil atuação do Mangalarga Marchador frente a obstáculos naturais demonstra sua aptidão nata para o trabalho e esportes em geral. No enduro, os animais da raça têm valorização crescente pela comodidade da marcha, que garante conforto ao cavaleiro, e pela resistência para percorrer longas distâncias.
A Exposição Nacional, a mais importante mostra do Marchador, é realizada desde 1982 pela Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador (ABCCMM), no Parque da Gameleira, em Belo Horizonte, e reúne representantes de todos os Estados. Os cerca de 300 expositores levam à pista mais de 700 animais, todos credenciados anualmente com os títulos de Campeão ou Reservado Campeão nas exposições oficializadas pela entidade em todo o país.
Associações
Em 1934 foi fundada a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo da Raça Mangalarga (ABCCRM). Anteriormente, houve uma notável migração de parte da família Junqueira para São Paulo. Chegando em novo solo, com topografia, cultura e caça diferentes, os cavalos tiveram que se adaptar a uma nova topografia e necessidades, por isto foi mais valorizada a marcha trotada que tem apoios bipedal, pois os animais de tríplice apoio, apesar de serem mais cômodos, não conseguiam acompanhar o ritmo alucinante das caçadas e a lida com gado em campo aberto.
Devido à inevitável diferença entre os criadores de Mangalarga de São Paulo e de Minas, foi fundada em 1949 uma nova Associação, a ABCCMM. Esta Associação teve origem a partir de uma dissidência de criadores que não concordavam com os preceitos estabelecidos pela ABCCRM e teve como objetivo principal a manutenção da marcha tríplice apoiada.
Mangalarga Marchador no Guinness Book
A condição de ser um animal resistente, dócil e cômodo e com regularidade permitiu ao Mangalarga Marchador entrar para o Guinness Book, o Livro dos Recordes. Entre maio de 1991 e julho de 1993, três cavaleiros – Jorge Dias Aguiar, 64 anos, Pedro Luiz Dias Aguiar, 60 anos, e o capataz de Pedro, José Reis, 65 anos – e seis animais da raça fizeram uma cavalgada durante aqueles dois anos, entre os pontos mais distantes do Brasil, Chuí, no Rio Grande do Sul, e Oiapoque, no Amapá, pelo projeto “Brasil 14 mil”. Com o retorno a São Paulo, percorreram 19.300 quilômetros. Uma das maiores estratégias de marketing feitas com a raça, o projeto acabou transformando-se na “Cavalgada Mercosul – Projeto Brasil 14 mil”, com a inclusão da Argentina e Paraguai, totalizando 25.104 quilômetros.
Características
– Temperamento dócil
– Capacidade de percorrer longas distâncias
– Adestramento fácil e rápido
– Pode ser criado somente em regime de pasto diminuindo os custos de manutenção
Morfologia
– Cabeça triangular e pescoço piramidal
– Tronco forte com costelas bem arqueadas
– Nos membros os tendões são vigorosos e bem delineados
– Altura mínima de 1,47 e máxima de 1,57, sendo 1,52 a altura ideal

https://www.vedovatipisos.com.bnoticias-artigos/mangalarga-marchado
submitted by Vedovati_Pisos to u/Vedovati_Pisos [link] [comments]


2020.09.19 16:41 HanSolo100 Vale E Azevedo - A ascensão e a queda de um Anti-Herói

Começo este post para falar de uma personagem que não é capaz de deixar ninguém indiferente pelos adeptos do nosso clube, falamos pois claro de João Vale E Azevedo (JVA).
Antes de começar o post permitam-me começar por apresentar-vos a definição de um anti-herói.
"Anti-heróis são personagens não inerentemente maus que, às vezes, praticam atos moralmente questionáveis. Contudo, algumas vezes é difícil traçar a linha que separa o anti-herói do vilão. No entanto, note-se que o anti-herói, diferente do vilão, costuma obter aprovação, seja através de seu carisma, seja por meio de seus objetivos muitas vezes justos ou ao menos compreensíveis, o que jamais os torna lícitos. A malandragem, por exemplo, é uma ferramenta tipicamente anti-heroica."
Esta descrição acaba de certa forma por demonstrar na perfeição aquilo que Vale E Azevedo foi enquanto presidente do Benfica.
Ao contrário daquilo que a cartilha do sistema Vieirista hoje pretende fazer-se passar o antigo presidente do Benfica não era o vilão, mas sim um anti-herói que apesar dos seus imensos defeitos era alguém a quem lhe gabo a virtude da coragem, de olhar de frente para os inimigos e que jamais baixava a cabeça na altura de os enfrentar. Alguém que apesar de tudo queria singrar e vencer mesmo face a uma herança miserável deixada por Manuel Damásio, o principal destruidor do Benfica que todos nós conhecemos.
Eleito em 31 de Outubro de 1997 com 51,5% dos votos Vale E Azevedo prometeu uma revolução gigante no mundo do Benfica, com várias promessas que chegaram a ser cumpridas e outras que nem tanto. A primeira delas todas foi o rompimento do contrato com a OliveiraDesportos, também conhecida por ser a empresa central do sistema.
Vale E Azevedo foi alguém que lutou arduamente contra os poderes de gente ligada a Joaquim Oliveira e à sua empresa que como todos sabemos, tinham intenções duvidosas para com o Benfica, o único presidente dos 3 que defendeu com todas as forças os interesses do Benfica para com aquele que foi um dos dinamizadores da década de domínio para o Porto.
E realidade é que este homem conseguiu meter a existência do sistema em perigo, sendo que esta luta acabou entre ameaças que acabaram por estender até à sua própria família onde a própria mulher e filhos se incluem.
Mas desengane-se quem pensa que as virtudes de João Vale E Azevedo apenas se limitavam à vida política. Em Janeiro de 1998 contra todas as expectativas e em pleno Vietname eis que consegue sacar um craque internacionalmente conhecido e consagrado, um jogador que esteve na alta roda do futebol mundial e que jogava numa das melhores equipas do mundo, um jogador que ficou em 10º lugar para a bota de ouro mundial uns anos antes. Falamos claramente de Karel Poborsky.
Eis que uns meses após a eleição Vale E Azevedo dá uma cartada de génio, apenas e só meses após ter sido reeleito. A sua contratação é algo que com Damásio nunca teria sido possível e apenas foi através de uma cartada de um visionário como Vale E Azevedo.
Nos seus 3 primeiros anos os resultados infelizmente escasseavam e a realidade é que enquanto o clube sofria as derrotas a realidade é que JVA se viu numa situação pouco agradável face aos anos em que o clube tendia em não vencer, pois os vestígios deixados por Manuel Damásio eram demasiado notórios face à situação que o clube passava. A acrescentar a isto também o facto de as competições europeias não terem o mesmo tipo de prémios que existem hoje em dia para saldar as dividas que na altura eram imensas. O que também acabou por não ajudar foram as várias artimanhas que o levaram a tirar dinheiro do clube para investimentos duvidosos, um pouco à semelhança daquilo que acontece com o atual presimente, Luís Filipe Vieira.
Entre 1999 e 2000 dois pontos altos na presidência de JVA sendo o primeiro a constituição de uma SAD que foi unanimemente aprovada pela larga maioria dos sócios e a segunda outra que perdura ainda hoje que marca o inicio das obras do centro de estágios do seixal no qual lançou a primeira pedra. Dois pontos que partiram da visão de um presidente hoje visto como um bicho papão.
Também surgem os planos para uma nova catedral mais moderna e mais à imagem daquela que vemos hoje em dia.
https://em-defesa-do-benfica.blogspot.com/2017/10/ja-fui-infiel.html
Mas avancemos até Setembro de 2000.Após a saída atribulada de João Vieira Pinto que foi uma das más decisões do seu reinado e a resignação de Jupp Heyckes, Vale E Azevedo decide fortemente apostar num nome que viria a mudar o futebol daquela década.
Falamos naturalmente de José Mourinho, o treinador escolhido pela direção benfiquista naquela altura.
Mourinho viria não só a conquistar o seio da equipa como os seus jogadores após imensos anos e a realidade é que pela luz já se sonhava um futuro risonho que se avizinhava sob comando do "Special One" que empolgava as bancadas e que conseguia fazer já muito com as peças limitadas que tinha.
A guerra nos tribunais com a Oliveira se avizinhava até ao fim e em desespero recorre a dois homens para tirar de lá aquele que estava até à data a ser o maior inimigo.
Vilarinho surge na linha da frente para fazer parte da cabala e Luís Filipe Vieira surge numa segunda para depois tomar controlo do clube.
E quando todos pensavam que a coisa iria finalmente endireitar-se, eis que Vilarinho vence contra todas as expectativas enganando tudo e todos. Após 3 anos, o sistema finalmente voltou a tomar as rédeas do maior clube português.
Vilarinho não apenas sabota a época em andamento do Benfica ao aproveitar-se do ultimato de Mourinho para o despedir e ir buscar Toni como quebra por completo a promessa de trazer Mário Jardel, que acabara mais tarde no Sporting.
Os planos para remodelação do estádio saem gorados por força de vontade do sistema que queria a todo o custo a implementação de novos estádios dos 3 grandes para o Euro 2004.
E como se não bastasse traz aquele que era até à data o homem de confiança de Pinto Da Costa, o homem que desviou Deco e Ovchinikov do Benfica para o Porto e titulou o Benfica como "clube de merda" anos antes.
Vilarinho sai sem qualquer título conquistado e cede a presidência a Vieira em 2003 e a escuridão finalmente apodera-se do clube. A dragartização do Benfica estava completa sendo o Benfica invadido por dragartos.
Em 17 anos o Benfica conquistou um total de 7 campeonatos enquanto que o Porto nos mesmos 17 conquistou 10, a acrescentar a isto os 5 troféus europeus dos quais 2 deles foram conquistados com aquele treinador que foi um dia uma aposta pessoal de Vale E Azevedo.
No meio de tantas humilhações sofridas pelas mãos do Porto seja na luz ou no dragão, Vieira consegue também perder 2 campeonatos em 3 para um clube falido e intervencionado pela UEFA, algo inédito em toda a história do clube.
Vieira consegue mais uma vez consolidar o seu lugar na história do Sport Lisboa E Benfica como o pior presidente de sempre e aquele que mais prejudicou o Benfica.
E é para terminar este post que volto a repetir.
Vale E Azevedo ao contrário daquilo que as pessoas dizem não foi um vilão, mas sim um anti-herói, alguém que tentou meter a justiça nas próprias mãos com a intenção de uma certa forma vir a singrar nas suas funções.
Vilarinho e Vieira foram os verdadeiros vilões desta história que hoje em dia saem pelos pingos da chuva, duas personagens vilanescas e malfeitoras que destruíram por completo aquilo que o Benfica podia ter sido e foram alimentando ao longo destes anos todos a corja do Norte.
Vieira é sem sombra de dúvidas o pior presidente da história do clube.
E fazendo jus às palavras de JVA meses antes de perder as eleições em 2000:
"Vale e Azevedo: «Se saísse agora, era o caos»"
E foi...
submitted by HanSolo100 to benfica [link] [comments]


2020.08.26 20:21 ElaborBR Impactos trabalhistas no enfrentamento do COVID-19

Desde o domingo, dia 22 de março de 2020, em que o Governo Federal assinou a Medida Provisória 927/20, inúmeras dúvidas inundaram a segunda-feira dos escritórios de advocacia, empresas de contabilidade, departamento de Recursos Humanos, Departamento Pessoal, firmas de auditoria e em especial, a dos trabalhadores.

Algumas dúvidas versavam sobre questões legais, mas seguramente a maior parte dos questionamentos era no sentido de: como implantar as medidas trazidas pela MP de maneira mais segura tanto para a empresa como para os colaboradores?

Como meu sistema está ou não preparado? Como eu poderia rodar em grande escala as férias dos colaboradores sem o pagamento do terço constitucional, já que posso pagar até o dia 20/12/20? E lá adiante, o sistema de folha de pagamento conseguirá vincular o pagamento do terço às férias corretamente? E se tiver aumento de salário? Pago o terço constitucional com o salário novo ou com o salário da época da concessão das férias?

Um cliente me ligou hoje pela manhã e perguntou: será que o Protheus já está preparado para calcular as férias de acordo com a MP? Respondi: fique tranquilo… de domingo à noite até hoje, quarta-feira pela manhã … Nem Protheus, nem qualquer outro sistema. Nós dois rimos… de nervoso… rs.

Depois de dois dias de leituras, pesquisas e resposta às consultas de nossos clientes, resolvemos trazer algumas das questões debatidas.

Não temos a pretensão de dirimir todos os aspectos, impactos e desafios que as empresas e trabalhadores enfrentarão pela frente. Mas é um apoio, um suporte a quem terá que ser um instrumento da gestão de mudança sem perder de vista o atendimento ao compliance e empatia com a posição e as vidas dos colaboradores dentro e fora da Empresa.

ENTENDENDO OS IMPACTOS TRABALHISTAS NO ENFRENTAMENTO DO CORONAVIRUS – COVID19 MEDIDA PROVISÓRIA 927/2020

1) Quais são as principais medidas trabalhistas trazidas pela Medida Provisória 927/2020 no enfrentamento do coronavírus (COVID-19) ?

O artigo 3º. da MP estabelece que poderão ser adotadas pelos empregadores, dentre outras, as seguintes medidas:

I – o teletrabalho;

II – a antecipação de férias individuais;

III – a concessão de férias coletivas;

IV – o aproveitamento e a antecipação de feriados;

V – o banco de horas;

VI – a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho;

VII – o direcionamento do trabalhador para qualificação profissional (REVOGADO PELA MEDIDA PROVISÓRIA 928/20); e

VIII – o diferimento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS.

Importante destacar o artigo 2º. da MP 927/20:

“Durante o estado de calamidade pública a que se refere o art. 1º, o empregado e o empregador poderão celebrar acordo individual escrito, a fim de garantir a permanência do vínculo empregatício, que terá preponderância sobre os demais instrumentos normativos, legais e negociais, respeitados os limites estabelecidos na Constituição”

2) Neste sentido, existe a possibilidade de uma discussão jurídica nos tribunais sobre a tal preponderância do acordo individual sobre as leis, decretos, instruções normativas, portarias, etc.?

Em um primeiro momento, entendemos que dependerá muito da forma, do conteúdo e da essência dos acordos que serão firmados com o trabalhador, ainda que o objetivo principal seja nobre, que é o da preservação do emprego. Portanto nossa resposta é que SIM, poderá haver a chamada judicialização de alguma das medidas trazidas pela MP.

Uma forma de minimizar a exposição é obter o maior número de elementos e subsídios que auxiliem na tomada de decisão. O envolvimento do consultor trabalhista e principalmente do vosso assessor jurídico são fundamentais neste processo.

TELETRABALHO (HOME OFFICE OU TRABALHO REMOTO)

3) Como devemos gerir o regime de home office?

O assunto teletrabalho é bem amplo, mas vamos focar nas questões da MP:

O regime de trabalho presencial poderá ser alterado para o de teletrabalho independentemente de acordos individuais ou coletivos, e deverá ser será notificado ao empregado com antecedência de, no mínimo, 48 horas, por escrito ou por meio eletrônico.
As disposições relativas à responsabilidade pela aquisição, pela manutenção ou pelo fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura necessária e adequada à prestação do teletrabalho e ao reembolso de despesas arcadas pelo empregado serão previstas em contrato escrito, firmado previamente ou no prazo de trinta dias, contado da data da mudança do regime de trabalho.
Os estagiários e aprendizes não ficaram de fora e também estão contemplados neste regime.
4) Podemos suspender a concessão do Vale Transporte e do Vale Refeição aos empregados que estão em home office?

O vale transporte poderá ser suprimido, tendo em vista que a finalidade do transporte (residência x trabalho x residência) não ser aplicável ao trabalhador que está no regime do teletrabalho.
O vale refeição deve ser mantido, pois o trabalhador está trabalhando e mesmo que remotamente, ele precisa se alimentar. Deverá ainda ser observado os intervalos para descanso e alimentação. Ao indagar se devemos continuar fornecendo o vale refeição, muitos empregadores demonstram ter uma ideia distorcida do próprio home office.
5) As empresas que forneciam aos empregados a alimentação na modalidade de restaurante próprio ou convênio, precisam fornecer o benefício ao trabalhador colocado no regime de teletrabalho?

Nada muda, o empregado continua tendo que se alimentar, por isso é necessário que a empresa conceda a alimentação, devendo avaliar internamente a modalidade e procedimento que será adotado.

6) E em relação a parte de Saúde e Segurança do Trabalho?

Como o momento é extremamente delicado, as empresas provavelmente não tiveram o tempo necessário para tomar todas as medidas necessárias, em especial ao mobiliário: mesa, cadeira, fones (se necessários), por exemplo.

Sabemos que existem empregados trabalhando sentados na cama, onde toda a questão ergonômica fica prejudicada. A longo prazo esta posição incorreta poderá se tornar uma doença profissional. Por isso é importante que o empregador olhe com cuidado para estes aspectos.

7) As empresas são responsáveis pelo fornecimento da infraestrutura e equipamentos necessários ao desempenho das tarefas em home office?

Sim. Inclusive deverá constar no contrato escrito como se dará o fornecimento destes equipamentos e materiais, em especial ao reembolso das despesas com a utilização da internet, por exemplo.

Para fins de benchmarking, alguns dos nossos clientes adotaram o modelo de reembolso mensal das despesas, cujo valor tem flutuado entre R$ 50,00 a R$70,00.

8) O reembolso de despesas deverá constar em folha de pagamento?

Sim, conforme prevê o artigo 225 do Decreto 3.048/99, a empresa é também obrigada a:

I – preparar folha de pagamento da remuneração paga, devida ou creditada a todos os segurados a seu serviço, devendo manter, em cada estabelecimento, uma via da respectiva folha e recibos de pagamentos;

9º A folha de pagamento de que trata o inciso I do caput, elaborada mensalmente, de forma coletiva por estabelecimento da empresa, por obra de construção civil e por tomador de serviços, com a correspondente totalização, deverá:

IV – destacar as parcelas integrantes e não integrantes da remuneração e os descontos legais

Embora algumas empresas utilizem o modelo de relatório de reembolso de despesas (RD), conservadoramente nossa posição é a de que todo pagamento realizado ao colaborador deve transitar em folha de pagamento, o que não significa dizer que deverá ter todas as incidências (INSS, FGTS e IRRF). Importante as empresas se atentarem às previsões existentes no Decreto 3.048/99 e no Decreto 9.580/18.

9) Devo controlar o horário de trabalho ou adotar o cartão de ponto aos empregados colocados em regime de teletrabalho?

De acordo com a Lei 13.467/17, conhecida como lei da reforma trabalhista e que alterou a CLT em diversos pontos, os empregados em regime de teletrabalho não estão abrangidos pelo instituto do controle de jornada nem de horário. Então a resposta é não, não há a necessidade de controle de horário, embora algumas empresas estejam aplicando sim o controle, seja pela marcação via mobile ou via time sheet.

Neste momento, o maior desafio dos gestores é medir a produtividade de cada colaborador. Sabemos que nem todos têm o perfil para trabalhar em casa, mas não podemos esquecer que as crianças também estão fazendo “home office”!

Por isso é extremamente relevante que as empresas comuniquem aos seus trabalhadores como se dará o trabalho em home-office, as condutas, posturas, comunicação com clientes, pares e gestores, etc.

Sem dúvida quando tudo isso passar as empresas olharão o trabalho em home office de uma forma muito diferente. Uma nova forma de trabalho está nascendo.

FÉRIAS

As férias poderão ser concedidas por vontade do empregador, devendo o trabalhador ser comunicado com antecedência mínima de 48 horas, por escrito ou meio eletrônico.
Não poderão ser inferior a 5 dias.
Poderá ser antecipado períodos aquisitivos futuros, mediante acordo individual escrito.
Os colaboradores pertencentes ao grupo de risco devem ser priorizados na concessão ou antecipação das férias,
A concessão do abono pecuniário (venda de 1/3 das férias) ficará sujeita a concordância do empregador.
O empregador poderá pagar o 1/3 constitucional até a data de pagamento da gratificação natalina, também conhecido como 13º. Salário, ou seja, até 20/12/20.
O pagamento da remuneração das férias poderá ser realizado até o 5º. dia útil do mês subsequente ao início do gozo das férias.
Em caso de férias coletivas, não será necessário realizar a comunicação prévia ao Ministério da Economia e aos Sindicatos representativos.
Porém há a necessidade de comunicar aos empregados contemplados pelas férias coletivas com antecedência de, no mínimo, 48 horas.
Os RH´s devem se antecipar e verificar junto aos seus respectivos fornecedores de folha de pagamento as questões relacionadas ao cálculo e geração das férias nos moldes trazidos pela MP.

FERIADOS

As empresas poderão antecipar o gozo de feriados não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais e deverão notificar, por escrito ou por meio eletrônico com antecedência de, no mínimo, 48 horas mediante indicação expressa dos feriados aproveitados.
Os feriados também poderão ser utilizados para compensação do saldo em banco de horas.
No caso dos feriados religiosos, este deverá ter concordância dos colaboradores mediante acordo individual e por escrito.
Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

BANCO DE HORAS

Ficam autorizadas a interrupção das atividades pelo empregador e a constituição de regime especial de compensação de jornada, por meio de banco de horas, em favor do empregador ou do empregado, estabelecido por meio de acordo coletivo ou individual formal, para a compensação no prazo de até 18 meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
A compensação de tempo para recuperação do período interrompido poderá ser feita mediante prorrogação de jornada em até duas horas, que não poderá exceder 10 horas diárias.

SUSPENSÃO DE EXIGÊNCIAS ADMINISTRATIVAS EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

Suspensão da obrigatoriedade da realização dos exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, exceção feita aos exames demissionais.
O exame demissional poderá ser dispensado caso o exame médico ocupacional mais recente tenha sido realizado há menos de cento e oitenta dias.
Os demais exames (admissionais, mudança de função, retorno de afastamento e periódicos) deverão ser realizados no prazo de 60 dias após o contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
Na hipótese de o médico coordenador do PCMSO considerar que a prorrogação representa risco para a saúde do empregado, o médico indicará ao empregador a necessidade de sua realização.
Ficam suspensos também os treinamentos previstos nas Normas Regulamentadoras (como o treinamento da CIPA por exemplo) e deverão ser realizados no prazo de 90 dias após o contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.
Os treinamentos poderão ser realizados na modalidade de ensino a distância e caberá ao empregador observar os conteúdos práticos, de modo a garantir que as atividades sejam executadas com segurança.
Entendemos que alguns treinamentos nos parece de difícil aplicação pois como seria possível observar os conteúdos práticos de um treinamento para trabalho em altura ou espaço confinado ?

Os processos eleitorais da CIPA ficam suspensos até o encerramento do estado de calamidade pública, assim como os processos eleitorais em curso.

POSTERGAÇÃO DO DEPÓSITO DO FGTS

Fica suspensa a exigibilidade do recolhimento do FGTS pelos empregadores, referente às competências de março, abril e maio de 2020.
O recolhimento das competências de março, abril e maio de 2020 poderá ser realizado de forma parcelada, sem a incidência da atualização, da multa e dos encargos.
O pagamento das obrigações referentes às competências mencionadas será quitado em até seis parcelas mensais, com vencimento no sétimo dia de cada mês, a partir de julho de 2020.
Em caso de rescisão do contrato de trabalho, as Empresas deverão depositar os valores correspondentes ao empregado desligado e a eventual multa de 40% do FGTS, sem incidência da multa e dos encargos devidos.
Os prazos dos certificados de regularidade emitidos anteriormente à data de entrada em vigor desta Medida Provisória serão prorrogados por noventa dias.

OUTRAS DISPOSIÇÕES

Fica permitido aos estabelecimentos de saúde, mediante acordo individual escrito, mesmo para as atividades insalubres e para a jornada de doze horas de trabalho por trinta e seis horas de descanso:
prorrogar a jornada de trabalho;
adotar escalas de horas suplementares entre a décima terceira e a vigésima quarta hora do intervalo interjornada, sem que haja penalidade administrativa, garantido o repouso semanal remunerado.
As horas suplementares computadas em decorrência da adoção das medidas previstas acima poderão ser compensadas, no prazo de dezoito meses.
Os casos de contaminação pelo coronavírus (COVID-19) não serão considerados ocupacionais, exceto mediante comprovação do nexo causal.
Os acordos e as convenções coletivos vencidos ou vincendos, no prazo de cento e oitenta dias, contado da data de entrada em vigor da MP, poderão ser prorrogados, a critério do empregador, pelo prazo de noventa dias, após o termo final deste prazo.
Durante o período de cento e oitenta dias, contado da data de entrada em vigor da Medida Provisória, os Auditores Fiscais do Trabalho do Ministério da Economia atuarão de maneira orientadora, exceto quanto às seguintes irregularidades:
I – falta de registro de empregado, a partir de denúncias;

II – situações de grave e iminente risco, somente para as irregularidades imediatamente relacionadas à configuração da situação;

III – ocorrência de acidente de trabalho fatal apurado por meio de procedimento fiscal de análise de acidente, somente para as irregularidades imediatamente relacionadas às causas do acidente; e

IV – trabalho em condições análogas às de escravo ou trabalho infantil.

https://elaborbr.com/impactos-trabalhistas-no-enfrentamento-do-covid-19/
submitted by ElaborBR to u/ElaborBR [link] [comments]


2020.08.26 15:02 HanSolo100 A teia do Benfica

A TEIA DO BENFICA
Sobre a rede de interesses e de influências que gravita em torno do nosso Clube e estrangula o desenvolvimento do Sport Lisboa e Benfica
“O maior castigo para aqueles que não se interessam por política, é que serão governados pelos que se interessam.” — Arnold Toynbee
A citação acima relembra que todos, enquanto Benfiquistas, temos as nossas responsabilidades e não devemos deixá-las para outros sob qualquer pretexto. Esta lembrança torna-se ainda mais importante quando em causa está o nosso maior amor, O Benfica!
As relações de Poder estão por toda a parte, inclusivamente na esfera da nossa vida privada. Neste caso em particular, a esfera do Sport Lisboa e Benfica. Esfera essa que tem vindo a ser corrompida, sobretudo de 94 em diante, até aos dias de hoje em que enfrentamos consequências de vária ordem que colocam em causa todo o potencial deste gigante clube.
PREÂMBULO
No sentido de verificar e validar o que doravante apresentaremos, contactámos um historiador, Benfiquista insuspeito, salvo-conduto da nossa história e dos nossos valores que, confrontado com os dados inicialmente lançados para cima da mesa, nos disse, ipsis verbis, o seguinte:
ü - “tudo começou com a primeira máfia do futebol português, pois eles funcionam como a máfia, adiantavam dinheiro para manter os clubes presos, e essas pessoas, de que falamos, foram agentes ao serviço dessa máfia do norte, dos direitos televisivos (…) foi aí que tudo começou”, disse, referindo-se à Controlinveste, grupo empresarial dos irmãos Oliveira (António e Joaquim), proprietários da Olivedesportos.
Quer isto dizer que, nas últimas décadas de vida do nosso Clube, o revisionismo histórico tem sido um instrumento useiro e vezeiro e que a narrativa que nos tem sido vendida, afinal, é um logro que nos impede de ter uma percepção da realidade que nos permita defender o Clube e traçar-lhe o destino que é seu e que Lhe tem sido negado.
Esta investigação teve como mote o almoço anual onde participam algumas figuras que iremos abordar mais adiante. Coube, este ano, a Francisco Cortez organizar o que decorreu no passado dia 18 de julho de 2020, em Coruche. Sabidos os nomes que nele estiveram presentes, tocaram os alarmes e, ao juntar as pontas de um intricado novelo, ficou patente um elitista almoço, contrário à génese do que é o Benfica, e cujos participantes têm para si a assunção de direitos-naturais sobre o Benfica e, claro está, o seu controlo.
Antes deste evento ter lugar, assistimos à criação de uma elevada expectativa, para um messias que estaria para chegar. Propositada e estrategicamente posta em prática, a preparação para a entrada em cena de João N. Lopes foi durante semanas acompanhada de soundbytes como “fortíssima base de apoio, num projeto imponente”, nos termos de Adão e Silva, e teve como palco, como seria de esperar e com bastante tempo de antena, a Sporttv+.
Foi desta forma que, naquele espaço televisivo, foi continuada e reiteradamente anunciada, permeio de forte suspense, com pompa e circunstância a chegada de um presumível predestinado a assumir os destinos e a presidência do Benfica. A Sporttv +, de Joaquim Oliveira, não olhou a meios e disponibilizou, semanalmente, amplo tempo de antena.
Tudo isto, estrategicamente preparado para parecer extraído de um conto de fadas. Toda esta mediatização não mais foi do que uma forma de mascarar um cheiro a bafio que conspurca o Benfica há cerca de 30 anos. Uma história falsa que nos querem impingir, uma versão repetidamente contada, empolada e amplamente romanceada para mascarar a podridão com que nos presenteiam há décadas.
A reboque do almoço elitista, lembremo-nos que o Benfica é, e sempre foi, um Clube de origens populares, que sempre rejeitou as elites e cuja transparência das suas práticas democráticas sempre prevaleceu mesmo em contexto de regime autoritário, de Salazar.
A ORIGEM
Importa, pois, contextualizar todo o processo que adiante exporemos.
Manuel Damásio, o 1.º ensaísta de um Benfica das elites, deixou o Sport Lisboa e Benfica de rastos por meio de uma gestão profunda e reconhecidamente danosa que deixou o Benfica profundamente vulnerável a um homem que se soube aproveitar dessa vulnerabilidade estrutural do Benfica para nele entrar.
João Vale e Azevedo foi o que foi, um engenhoso autocrata. Ainda assim, se mérito há que deve ser reconhecido a João Vale e Azevedo (JVA), foi a coragem deste para ter rompido com a máfia do norte que mantinha o Benfica refém devido aos direitos televisivos, via Olivedesportos. Recorde-se, nesta altura estava-se em pleno processo de revolução e expansão do mercado de transmissão audiovisual de jogos de futebol.
A reação da Olivedesportos ao rasgar do contrato, assinado por Damásio em março de 1996, levado a efeito por JVA, não se fez esperar. Porventura, já precavendo aquilo que anos mais tarde se veio a confirmar, quando o acórdão do Tribunal da Relação veio conferir razão às pretensões do Benfica ao declarar a nulidade do contrato com a Olivedesportos, esta, rapidamente gizou e colocou em prática um meticuloso plano para recuperar e conservar o monopólio dos direitos de transmissão televisiva do 1.º escalão do futebol profissional.
A Olivedesportos foi, nunca é demais recordar, comprovadamente, desde logo, no âmbito das escutas do processo "Apito Dourado”, a cabeça e principal braço de uma organização criminosa que dominou o futebol português durante décadas com recurso a esquemas de corrupção altamente elaborados e enraizados nas estruturas de poder do futebol português.
É então que a família Oliveira, com recurso ao auxílio de meia dúzia dos mais argutos agentes ao seu serviço, resolve lançar uma ofensiva muito bem planeada para recuperar a influência sobre o Benfica, Clube sem o qual perderia o monopólio dos direitos televisivos, bem como o exercício de domínio total do futebol nacional e das respectivas estruturas de decisão.
Os mais destacados agentes escolhidos pela família Oliveira para materializar o insidioso plano, meticulosamente desenhado, foram, por diversas e estruturais razões, três pessoas da máxima confiança de Joaquim Oliveira. Tendo sido eles, Luís Filipe Vieira, Luís Seara Cardoso e Tinoco de Faria.
O objectivo primordial passava, pois, por estes recuperarem os direitos de transmissão televisiva das partidas de futebol do Benfica para a Olivedesportos, com quem JVA havia rompido.
Recorde-se que Luís Filipe Vieira e Luís Seara Cardoso tinham histórico de grande proximidade ao poder corrupto do norte. Ainda recordar Tinoco de Faria, representante da RTP/Olivedesportos na disputa com o Benfica sobre direitos televisivos, cuja ética se comprovaria deficitária, mais tarde, no caso do conflito de interesses entre Benfica e TBZ, das quais era simultaneamente representante. Eram os homens indicados para interpretar e materializarem os interesses dos irmãos Oliveira no Benfica.
Acontece que cedo perceberam, juntamente com Vítor Santos e outros nomes que compunham o outro lobby interessado no Poder do Benfica, o lobby do betão, que Luís Filipe Vieira, por variadíssimas razões, não teria capacidade para destronar JVA em eleições, pelo que, em consonância com o lobby do betão, havia que encontrar uma solução de bypass. Isto é, encontrar alguém com mínimos de perfil que anuísse em vencer as eleições, frente a JVA, no ano 2000, para em seguida transmitir o poder ao seu principal homem de confiança, Luís Filipe Vieira.
A solução encontrada para dar início à operacionalização do plano passou, pois, por Manuel Vilarinho. Ele que já havia estado no Benfica como diretor financeiro da desastrosa direção presidida por Manuel Damásio e que se predispunha, de resto, como o próprio já assumiu publicamente, a assumir as expensas de derrotar JVA, para, uma vez conquistado o poder no Benfica, em seguida transmiti-lo a Luís Filipe Vieira.
E assim foi. Em, simultaneamente, boa hora por um lado, e má hora por outro lado, Manuel Vilarinho derrota JVA com recurso a um discurso profundamente populista, à geração de imensas e falsas expectativas junto dos associados, com recurso à promessa fácil de trazer Mário Jardel que ficou, no entanto, por cumprir integralmente.
Foi, ainda assim, e para o que para eles verdadeiramente importava, eficaz, e escancarou as portas a quem sempre obedeceu, tendo levado para dentro do Benfica, precisamente, quem estava previsto levar com ele. Recorde-se, Luís Seara Cardoso e Tinoco de Faria.
LFV, esse, entrou meses mais tarde, tendo aproveitado esse hiato para resolver algumas pendências e lançar as bases para outras dependências estruturais, após a sua entrada, como se verificou, nomeadamente, com o corredor de transferências entre o Alverca e o Benfica, e vice-versa. A fazer lembrar o protocolo de parceria que havia assinado com Damásio quando ainda era dirigente do Alverca, mas a um nível completamente diferente e lesivo para o Benfica.
Mas sobre LFV já muito foi dito e escrito, cabendo agora ao julgo popular e das autoridades avaliar tudo aquilo que foi feito. Ao dia de hoje, só se deixam enganar os atingidos por uma profunda cegueira, que confunde Vieirismo com Benfiquismo, pelo que, passemos, portanto, a elencar e desmistificar aquilo que aqui nos traz.
Em outubro de 2000, Manuel Vilarinho vence as eleições e herda um Benfica que tinha rasgado o contrato com a Olivedesportos e outro, financeiramente muito mais vantajoso, deixado acordado com a SIC, por JVA.
É então que Manuel Vilarinho, Luís Seara Cardoso, este umbilicalmente ligado ao poder corrupto, e Tinoco de Faria, resolvem, por assim dizer, devolver os direitos de transmissão televisiva dos jogos do Benfica à Olivedesportos, não obstante o acórdão do Tribunal da Relação, entretanto, ter vindo dar provimento às pretensões do Benfica na quebra unilateral de contrato com a Olivedesportos, levada a efeito por JVA.
O Benfica, recorde-se, vivia uma penúria financeira sem precedentes, JVA havia negociado um contrato financeiramente muito mais vantajoso com a SIC e, estes senhores, agentes ao serviço do poder-corrupto, resolvem devolver os direitos à Olivedesportos servindo-lhos numa autêntica salva de prata.
As questões que ficam por colocar, entre muitas outras, são:
  1. Uma vez que o Tribunal decidiu em favor das pretensões do Benfica, dando-nos razão no diferendo que nos opunha aos interesses dos Oliveira, por que razão a Direcção do Benfica não aproveitou o momento e o enquadramento legal favorável para negociar um novo contrato?
  2. Que razões presidiram à decisão de não promover novas negociações ou um concurso entre os demais agentes presentes no mercado televisivo e, considerando a dificílima conjuntura financeira do Benfica, à data, porque não consideraram entregar os direitos de transmissão televisiva à proposta financeiramente mais alta?
  3. Estando a Olivedesportos já amplamente identificada no seio do universo benfiquista como o “ grande inimigo”, que nos queria destruir, por que razão se privou o Benfica de outras valências financeiras para enfrentar o futuro, que tão doloroso foi, para se ir entregar assim, sem mais, os direitos de transmissão às mãos do inimigo, à Olivedesportos, sem apelo nem agravo?
  4. Quem foram as partes interessadas neste desfecho?
  5. Quem lucrou com tão danosa e dolosa decisão de gestão?
O Benfica, caras e caros benfiquistas, com terminante certeza, não foi!!
O Benfica foi perturbadora e vilmente prejudicado!!
Resultado?
O Benfica passou pelas maiores amarguras e dificuldades financeiras da sua história a expensas desta decisão, de entregar numa bandeja os direitos televisivos aos irmãos Oliveira. Assim, sem mais, depois do Tribunal ter decidido no sentido que permitia ao Benfica libertar-se do garrote financeiro com que se debatia aviltantemente. Resultado disto, o FC Porto, coincidentemente, conheceu a sua década de maiores conquistas desportivas, nomeadamente, no plano internacional, enquanto se passeava por entre óbvias e concedidas facilidades nas provas domésticas.
OS INTÉRPRETES
Mas… há mais. Muito mais.
Prova disso mesmo são os incontáveis registos fotográficos só possíveis de obter por via da enormíssima vaidade pessoal e tendência para a ostentação nas redes sociais de Luís Seara Cardoso.
Mas, é só isso? - Perguntar-se-ão.
Não, muito longe de ser apenas isso. Não obstante a comprovada intimidade com o poder corrupto em registo fotográfico, assim bem como artigos produzidos que consubstanciam tudo isto. Existem registos oficiais.
Por registos oficiais, entenda-se, registos, por ex., em Diário da República.
E o que nos provam esses registos? Comprovam que coincidentemente com, pelo menos, todo o 1.º mandato de Seara Cardoso como Vice-presidente do Benfica, este mesmo Luís Seara Cardoso partilhou responsabilidades societárias com Adelino Caldeira e Angelino Ferreira, já à data homens do topo da hierarquia do FC Porto, numa sociedade denominada “Clube Imobiliário o Beco, SA”.
https://benficalivre.blogspot.com/2020/08/A-Teia-do-Benfica-1.html
submitted by HanSolo100 to benfica [link] [comments]


2020.07.28 00:35 Maxter3 Experiencias, paginas,opiniones sobre lamparas galponeras.

Que onda gente, hoy vengo a pedirles data sobre este tipo de luz.
Les comento, estoy con bastante ganas de arrancar un micro cultivo automatizado con alguna pantallita estilo moderno futurista,riego automático y alguna boludes mas que se me ocurra y pueda hacerse.
Tengo algunos conocimientos para hacerlo y ya tengo todo en mi cabeza, pero lo ultimo que me faltaría ver es el tema de las luces.
La idea sería hacerlo en un 40x40 y de altura algo limitado. Todavía estoy pensando si en un 60 de alto o 70.
Actualmente tengo los paneles ocupados y como mi próxima compra grande va a ser de chips de alta eficiencia, no quiero comprar un panel nuevo y al mismo tiempo quiero experimentar con este tipo de luces que ya vi que bastantes en la comunidad las usan y son las ultimas que me faltan probar del "mercado".
Por lo que vengo a preguntarles sus experiencias mas que nada en flora, que marcas recomiendan, cuantas pondrían (en 40x40) y de que potencia, algún grower que las utilice y haga seguimientos en insta,si les subio mucho el consumo,etc.
Toda ayuda es bienvenida!!
Desde ya muchas gracias y buenos humos para todos!!!
submitted by Maxter3 to ArgEntos [link] [comments]


2020.07.10 15:09 GajoDeRamalde [EP10] O que é feito dele?! Brayan Beckeles 2014/15

[EP10] O que é feito dele?! Brayan Beckeles 2014/15
Dados Jogador:
Nome: Brayan Antonio Beckeles (Beckeles)
Data Nascimento: 28-11-1985
Nacionalidade: Hondurenha
Épocas no clube: 1
Posição: Defesa Direito
Posições Secundárias: Médio Direito
Número: 55
Partidas Realizadas: 27 (2144 minutos)
Golos: 0
Clube Actual: Nashville SC (EUA)

https://preview.redd.it/ee88dcv341a51.jpg?width=242&format=pjpg&auto=webp&s=03909c08488c2be4faae1994564d2c3572dafdcb
A chegada ao Bessa:
Durante a sua carreia começou como jogador no Club Desportivo y Social Vida em 2006/07 que actua na primeira liga Hondurenha tendo-se mudado para CD Olimpia em 2011/12 onde se tornou campeão nacional por este clube. Mas antes de rumar ao Bessa, Brayan Beckles já se tinha tornado jogador da seleção das Honduras em 2010 tendo sido seleccionado para representar as Honduras no Mundial 2014. Embora as Honduras tenham ficado pela fase de grupos Bryan Beckeles participou nos 3 encontros frente à França, Equador e Suíça o que o colocou na rota do Boavista.
Assim Brayan Beckeles chega ao Bessa com 29 anos para disputar a época 2014/15 sendo esta a sua primeira experiência profissional fora das Honduras, precisamente no ano em que demos o salto de duas divisões, ficando ao serviço da equipa orientada por Petit que tinha a difícil missão de manter o Boavista FC na primeira divisão.

https://preview.redd.it/yogw8dx441a51.jpg?width=2048&format=pjpg&auto=webp&s=d893aea215410a228d06a20bbd838b926401f442
Perante esta tarefa hercúlea de manter um clube na primeira liga quando este tinha subido duas ligas num só ano, a fase inicial do campeonato foi mais complicada devido também ao facto de os primeiros jogos terem sido realizados frente a Braga, Benfica e Rio Ave que tinham ambições muito diferentes da do Boavista. Com duas vitórias e um empate à décima jornada Beckeles acreditava na equipa e puxava pelos colegas afirmando que «Ainda estamos a crescer» antes do jogo contra o Penafiel, afirmando que era um jogo que valia 6 pontos. E se bem o disse melhor o fez pois como titular os 90 minutos batemos o Penafiel em casa por uma bola a zero.

https://preview.redd.it/j6g5o00641a51.jpg?width=1365&format=pjpg&auto=webp&s=f5db295aae17200325e70cd23083c09f946b9f87
Mas Beckeles foi durante toda a temporada pedra fundamental na equipa e esteve presente em 26 jogos para o campeonato assim como 1 para a Taça da Liga. De caricato durante essa temporada foi à vigésima jornada o cartão vermelho que recebeu aos 8 minutos de jogo, numa altura em que o VAR ainda não estava implementado, provocando uma grande penalidade num jogo com equipas com objectivos diferentes pois o Rio Ave lutava pela Europa e o Boavista para não descer, mas acabando o jogo empatado a uma bola.
No final da temporada o objectivo foi cumprido e o Boavista sobrevivia a um salto de duas ligas obtendo a manutenção com um décimo quarto lugar a 4 pontos da linha de água. Assim, em Maio de 2015 e com 30 anos Beckeles terminava a sua época no Bessa e rumava para o Nexaca à segunda divisão do campeonato Mexicano numa transferência avaliada em 1.33 Milhões de euros (dados transfermarkt), embora o Boavista ainda ficasse com parte do passe do Jogador.

https://preview.redd.it/bhq0bc0741a51.jpg?width=1024&format=pjpg&auto=webp&s=3cef952917887fd6eb12e87380c1a20b10a62acc
Rumo ao campeonato Mexicano.
Segundo Assim, rumo Nexaca para ajudar o clube a concretizar a subida de divisão, Beckeles não só ajudou a equipa a concretizar o objectivo participando em 27 jogos como para além disso ainda foi considerado o melhor jogador da equipa nessa época.

https://preview.redd.it/g9e5040841a51.jpg?width=820&format=pjpg&auto=webp&s=4e5672e035aee8209150ea6e10deaf2f5cd136ad
Mas o sucesso não se ficou por aqui, pois na época seguinte, 2016/17, participou em mais 34 jogos pelo Nexaca onde conquistou a taça do México.

https://preview.redd.it/8rzkz5r841a51.jpg?width=1024&format=pjpg&auto=webp&s=e34fdea4755ddd3ce7bfe067eaecac57c538189c
Como se não bastasse, na época seguinte em 2017/18 Brayan Beckles ainda conquista a Super Taça MX e com mais 37 jogos ao serviço do Nexaca.

https://preview.redd.it/rd372wf941a51.jpg?width=1024&format=pjpg&auto=webp&s=87cbdc36b00c8ef6e5816754b2c90569646798ed
2018/19 foi a sua última época no clube, realizando mais 29 jogos antes de transferir pela terceira vez na sua carreira.
De volta às Honduras por pouco tempo, rumo à MSL.
Com 33 anos, e com o final do contracto com o Nexaca, Beckeles transfere-se a custo zero para o CD Olimpia, em 2019/20, clube que o lançou. No entanto, e após realizar 9 jogos pelo clube aproveitou a oportunidade e transferiu-se no inicio do ano para o Nasville SC que se estreava na primeira divisão dos EUA.

https://preview.redd.it/nzwhv7na41a51.jpg?width=1200&format=pjpg&auto=webp&s=b9f162bf0ce818691631770ed427c479b1ba8844
Apesar de ainda não se ter estreado em campo pela sua nova equipa, foi convocado para os dois jogos oficiais e aguarda que a paragem forçada do campeonato retome.
Força Pantera.

Episódio anterior: [EP09] O que é feito dele?! Brayan Angulo 2008/09
submitted by GajoDeRamalde to BoavistaFC [link] [comments]


2020.06.29 20:20 throwaway2159861 Fracassei em todos os aspectos da minha vida

Boa tarde, estou precisando desabafar e resolvi contar aqui grande parte da minha história e talvez fazer uma auto-análise. Imagino pelo que vi e vivenciei que é possível que muitas pessoas se identifiquem com os assuntos que eu vou falar, então pode até ser uma leitura interessante.
Antes de começar, recomendo essa música pra quem por ventura vier a ler o texto abaixo. Ela não tem nada de especial, mas eu gosto bastante dela.
https://www.youtube.com/watch?v=7NLvmr7zpso
Pois bem, atualmente tenho 28 anos, quase fazendo 29 e estou terminando a minha segunda faculdade. Provavelmente algumas coisas em relação a datas serão confusas pois além da minha memória ser bastante ruim, ela se restringe aos últimos 5 anos da minha vida. Então, as últimas memórias que eu tenho são da copa de 2014 no Brasil onde consegui assistir a alguns jogos. Eu não sei se isso é neurológico, mas estou pra ver isso tem alguns anos já. Antes que perguntem, eu tenho memórias de situações anteriores, mas em vez de lembrar do fato em si eu me lembro de alguma outra pessoa me contando, então é uma espécie de memória de segunda mão.
Enfim, quando eu tinha cerca de 10 anos eu tive depressão crônica e comecei a tomar medicamentos para tratar isso. Por volta dos 13~14 além do tratamento da depressão, eu comecei a ter ataques de pânico intensos, de modo que eu tive que abandonar o colégio por cerca de 6 meses pois eu não conseguia sair de casa. Também desenvolvi um distúrbio de personalidade esquizóide. Felizmente acabei não perdendo o ano pois a direção entendeu a minha situação e eu tinha boas notas, esporadicamente eu arrumava a matéria do colégio e lia em casa pra tentar aprender alguma coisa. Curiosamente um amigo meu me contou anos depois que a minha mãe por volta dessa época pediu pra ele e alguns outros amigos tentarem me convencer de ir numa excursão do colégio que seria durante um feriado prolongado.
Avançando um pouco, por volta dos 17 anos e perto de prestar o vestibular, eu não tinha a menor idéia de qual curso eu deveria escolher. Cheguei a perguntar para o meu pai se ele poderia me dar mais um ano pra escolher a carreira enquanto eu fazia um cursinho mas ele só riu e achou que eu estivesse de sacanagem. Por fim, acabou falando pra eu fazer Direito pois ele sempre achou que todo mundo deveria saber o básico das leis, além do fato de ter trocentos concursos públicos disponíveis pros graduados. Nesta época, eu já estava de saco cheio de estar indo no psicólogo e no psiquiatra com regularidade, além de ter que tomar os medicamentos todo dia. Pra ser sincero, comecei a tomar os medicamentos em dias alternados em vez de diariamente e cada vez mais fui espaçando, até o ponto de achar que eu não precisava tomar mais. Não notei mudança nenhuma no meu comportamento, apenas uma grave insônia. Depois de um tempo então revelei que eu não estava mais tomando os medicamentos para os médicos e para os meus pais e como aparentemente não fazia diferença nenhuma porque ninguém percebeu, eu só parei de frequentar o psicólogo e psiquiatra de um dia pro outro.
Como eu não sabia pra qual curso prestar vestibular, acabei acatando a idéia do meu pai, só que eu não tinha motivação nenhuma pra estudar. Aliás, eu nunca tive e sempre fiz parte da grande maioria dos alunos que estudam apenas na véspera. Para a minha grande surpresa, acabei passando no vestibular e só fiquei sabendo aos 45 do segundo tempo, no penúltimo dia da pré-matrícula quando um amigo meu veio me dar parabéns. Foi uma conversa engraçada, ele me deu parabéns mas eu não sabia pelo quê, já que eu não tinha acompanhado o resultado do vestibular pelo fato deu não ter estudado durante o ano. Foi uma grande sorte, que aliás é um tema recorrente na minha vida. Dei sorte do meu colégio dar o conteúdo inteiro durante o 1º e 2º anos do ensino médio, deixando o 3º ano apenas pra revisão da matéria toda, então querendo ou não, eu assistindo as aulas acabei fazendo uma revisão sem querer. Dei muito mais sorte do meu amigo ter me avisado, já que sem ele eu perderia a matrícula e só deus sabe o que aconteceria. Talvez eu conseguisse o meu sonhado ano pra descobrir o que eu queria fazer da vida, mas me conhecendo, acho que eu apenas procrastinaria por mais um ano.
Já no começo da faculdade eu percebi que as carreiras legais não eram pra mim. Na verdade, analisando friamente, tenho certeza de que eu seria um bom juiz, devido à minha personalidade e jeito de ser. Infelizmente nasci sem a motivação necessária para traçar objetivos de longo prazo e perseguí-los. É bem verdade que eu considero que não se nasce com isso e que é tudo uma questão de disciplina, mas não me vejo mudando isso na minha personalidade no curto, médio ou longo prazo. Talvez seja um mecanismo de defesa pra me prevenir do fracasso, afinal de contas, ninguém pode dizer realmente que fracassou se nem tentou.
Enfim, apesar de achar a área da advocacia algo bastante chato, passei a me interessar moderadamente pela área acadêmica, mais especificamente pelo jusnaturalismo. Na época da faculdade comecei a ler um pouco sobre religião comparada e sempre achei que o direito sem uma base metafísica não passa de um jogo de poder onde quem possui mais faz a lei e quem não possui apenas obedece. Até hoje tenho vontade de realizar uma pesquisa acadêmica sobre isso, mas as chances beiram a zero pois a vida acontece.
Também durante a faculdade eu comecei a ter recaídas da depressão, mas como eu já conhecia os sintomas, eu sempre tomava medidas contra a minha própria vontade para tratar o problema no início. Eu tinha que manter um horário de sono regular, fazer algum tipo de exercício físico diariamente e ter uma alimentação mais saudável. Isso realmente funciona, então se alguém estiver passando por isso, recomendo fazer isso antes de partir para algo mais radical. O problema é que isso é chato demais e eu não conseguia manter essa disciplina por muito tempo, então eu ficava alternando períodos bons e ruins. Na verdade, isso acontece até hoje, mas aos poucos fui aprendendo a lidar com isso.
Vou abrir um parêntese aqui pois pelos anos de experiência, percebo que muitas pessoas passam pelo mesmo problema que eu, sobretudo aqui que é um lugar para desabafos anônimos. Também não é um assunto fácil de conversar com as pessoas, a não ser que você tenha ótimos amigos ou uma família bem estruturada que se importa realmente com você. A minha família sempre me deu essa abertura, mas por conta da minha personalidade eu nunca fui capaz de falar nada disso com eles. Aliás, não sei nem se adiantaria alguma coisa falar com eles. Acredito que o melhor meio mesmo seja apenas ler relatos na internet de pessoas que passam por uma situação semelhante pra saber que isso não acontece só com você. Acho que isso foi o grande motivador pra eu escrever este texto.
Gostaria de falar sobre sentimentos. É bastante paradoxal, visto que eu sou literalmente analfabeto em matéria de sentimentos e não sinto quase nada devido à minha TPE. Ainda sim, acredito que ajuda bastante saber que alguém tem a mesma sensação que você, pois é algo difícil de colocar em palavras. A pior delas é justamente esse algo que não tem nome. É como se fosse alguma coisa queimando, mas não queimando num sentido físico. Está mais para uma dor na alma, ainda que paradoxalmente a dor pareça física. Desde pequeno eu sinto isso e não consigo imaginar a minha vida sem sentir isso. A melhor forma que eu encontrei de descrever essa sensação até hoje foi como se existisse um buraco negro em algum lugar aqui dentro e que ele estivesse sugando tudo, até mesmo a tristeza, só que como ela está em maior quantidade, é o que acaba sobrando pra gente, ainda que essa tristeza não seja tão intensa quanto já foi em outros momentos.
Voltando, já no meio da faculdade eu sabia que teria problemas caso eu decidisse mudar de carreira pois seria bem mais difícil a minha entrada no mercado de trabalho sem experiência e com uma idade avançada, sem contar psicologicamente, já que os meus amigos estariam numa posição mais avançada da carreira profissional e consequentemente ganhando muito mais dinheiro que eu, o que é difícil pra qualquer pessoa, ainda que você não se importe muito com isso. Eu decidi não abandonar o curso no meio pois era um curso de renome numa excelente faculdade, então ainda tive que aturar mais 2,5 anos estudando algo que eu não gostava só pra pegar o diploma no final tendo certeza que eu não iria usá-lo.
Pois bem, prestei o enem no último ano da faculdade e consegui emendar um curso no outro. Não pra minha surpresa, descobri que o segundo curso que eu escolhi também era horrível e confesso que até cogitei em voltar pra advocacia. O problema é que eu não tive nenhuma experiência profissional em escritórios de advocacia e já esqueci o conteúdo da faculdade anterior, o que basicamente me impossibilita de voltar pra carreira anterior.
Ao menos arrumei um estágio e estou ganhando um salário mínimo por mês até eu me formar, que eu espero que seja daqui a dois meses. A parte ruim é que provavelmente não vão me contratar e eu vou ficar desempregado, a parte boa é que eu odeio o meu trabalho e provavelmente não vou aguentar nem mais 1 ano trabalhando lá.
Dito isto, vamos aos problemas e ao real motivo do desabafo. De uns tempos pra cá o negócio do meu pai está indo muito mal, de modo que tivemos que pegar alguns empréstimos com o banco e o coronavírus acabou forçando o negócio a ficar parado desde março. Então, já estamos numa situação periclitante.
Não bastasse isso, recentemente meu pai teve que operar para tirar um tumor e ao que tudo indica, provavelmente ele está com câncer. Além disso o meu pai está no limite de fazer parte do grupo de risco do covid e trabalha com atendimento ao público. Não sei como faremos pra tomar conta do negócio, já que ele provavelmente vai ter que parar de trabalhar pra fazer o tratamento.
A minha mãe por sua vez é aposentada por invalidez. A minha irmã tentou abrir um negócio também mas foi paralisado pelo coronavírus, sendo que ele já não ia bem. Desde o ano passado ela veio com uma proposta deu tomar conta da parte administrativa da coisa e tirar um dinheiro para mim do que entrar, mas a verdade é que ainda não consegui tirar sequer 1 real da coisa pois essa é a única fonte de sustento da minha irmã, então tudo o que eu consegui foi trabalhar de graça e um monte de dor de cabeça.
Eu por minha vez estou trabalhando entre 10 e 14h por dia ganhando um salário mínimo, fora o estresse e ainda tenho cerca de 5 semanas pra escrever o TCC que eu nem comecei pra me formar na faculdade daqui a 2 meses.
A única notícia boa que eu tive recentemente foi um conhecido meu ter me contado que só não se matou porque há uns anos atrás eu liguei e conversei com ele bem no dia em que ele tinha pretendido se suicidar.
Dada a minha situação é difícil não pensar em se matar constantemente. Não que isso seja algo novo, tenho esses pensamentos recorrentes desde os 13 ou 14 anos de idade, mas entre pensar e fazer existe um abismo infinito de modo que eu nunca cogitei seriamente fazer isso. Ainda sim, deixo sempre a opção aberta muito embora eu tenha me decidido a fazer isso só depois dos meus pais e da minha irmã morrerem.
Sendo bem sincero, motivos mesmo pra continuar vivendo eu não tenho nenhum. A única coisa que ameniza um pouco é eu tentar deixar a vida um pouco menos merda para os meus familiares, só que o fato é que eu tenho 28 anos na cara e não consigo nem me sustentar sozinho. Se o meu pai morrer, seja de câncer ou de coronavírus, imediatamente teremos que vender o apartamento e ir morar de aluguel ou com algum parente.
Eu acho que isso tudo é culpa minha, mas no fundo eu sei que não é, já que ninguém é capaz de prever o futuro. Também sei que a minha situação não é tão ruim quanto a de outros, já que eu ainda tenho um teto e comida, mas também sei que a coisa pode ficar feia muito rápido.
Acho que o maior agravante é que eu não tenho sequer 1 área da vida onde eu tenho um desempenho satisfatório. Fracassei economicamente, já que não consigo me sustentar; Fracassei amorosamente, visto que não tenho perspectiva nenhuma de constituir família; Fracassei socialmente pois o meu já pequeno círculo de amizades está se tornando cada vez menor muito pela perda de contato, já que eu não tenho mais como acompanhar os meus amigos com tanta frequência devido à falta de tempo e dinheiro; e a pior de todas, é a sensação de que fracassei como filho. Sim, é verdade, e eu tenho certeza que ninguém nunca vai falar isso, mas não existe nada mais natural que os filhos tomarem conta dos pais na velhice. Infelizmente pra mim, esse tempo chegou e eu não fui capaz de resolver esse problema à altura.
Quem não gostaria de bancar os pais para eles pararem de trabalhar, depois de uma vida inteira de trabalho? No meu círculo social já há pessoas que conseguiriam fazer isso, ao menos durante esse período de quarentena. É inevitável a comparação, mesmo sabendo que cada um é cada um. Eu sempre soube que seria difícil não ficar chateado com esse tipo de coisa quando eu escolhi mudar de carreira, mas está beirando o impossível. Não apenas no aspecto econômico, mas também no aspecto afetivo. Desde sempre a minha família soube que eu era praticamente um autista no quesito de relações sociais, ainda que eu esteja infinitamente melhor do que quando eu era mais novo. O que pega mais, é que no meu íntimo eu sequer considero a minha família como família propriamente dita. Eu entendo que eu tenho um dever moral para com eles, mas não vejo diferença entre eles e os outros seres humanos. É por isso que eu nunca falei eu te amo para eles e nem para ninguém. Não tenho certeza se eu vou chegar a falar isso pra alguém na minha vida, mas tudo indica que não.
Enfim, eu tinha mais coisas pra falar, mas infelizmente tenho que voltar a trabalhar. Desabafar aqui não foi ruim, eu deveria fazer isso mas vezes. Dito isto, eu estou juntando um dinheiro pra me consultar com um psicólogo online depois de quase 10 anos. Eu gostaria de ter dinheiro pra fazer pelo menos 2 meses, mas é difícil achar um psicólogo bom na faixa de preço que eu posso pagar.
Se possível, eu também gostaria de um feedback sobre o texto em si. Eu tenho uma conta anônima no medium e escrever lá, ainda que infrequentemente por falta de tema ou tempo, acabou se tornando uma das poucas diversões que eu tenho, muito embora eu ache que seja difícil alguém chegar a ler até o final, dado o tamanho imenso do texto.
É isso, excelente dia pra vocês.
submitted by throwaway2159861 to desabafos [link] [comments]


2020.06.02 02:23 MischiefManaged97 A época de exames no IST vai ser uma novela: prof a dar rage quit

Contexto: professor revoltadíssimo com as avaliações à distância dá rage quit.
O texto:
INFORMAÇÃO PARA OS ALUNOS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL 2 (CDI2)
No dia 28 de Abril o Conselho Científico e Pedagógico do Departamento de Matemática (DM) aprovou por unanimidade uma posição que, no essencial, foi:
“- O DM até à data não conhece uma solução que permita concluir que a avaliação final presencial (testes/exames) das Unidades Curriculares Horizontais de formação base em Matemática possa ser substituída por qualquer tipo de avaliação remota nas plataformas disponíveis, sem que a sua credibilidade, integridade e justiça fiquem seriamente comprometidas.
- O DM esta disponível para, em conjunto com os Órgãos do IST, procurar encontrar as medidas que sejam necessárias para que a avaliação final destas Unidades Curriculares Horizontais de formação base em Matemática possa ser feita sem comprometer seriamente os princípios fundamentais acima enunciados.”
Esta posição, respeitante às 8 Unidades Curriculares Horizontais do DM, foi transmitida aos Órgãos Centrais do Técnico (conselhos de Gestão, Científico e Pedagógico) e, em resposta, recebeu no dia 28 de Maio a reafirmação que as avaliações teriam de ser remotas.
Eu, um outro Professor de CDI2 e um Professor de CDI1-Semestre Alternativo não aceitamos fazer avaliações remotas, a não ser provas orais para quem não possa comparecer a prova presencial devido ao COVID-19. As minhas 4 razões principais para isso são:
1) Considero que não é possível garantir justiça e equidade nas classificações atribuídas neste tipo de disciplinas com avaliações remotas de provas prestadas a partir de qualquer lugar (se não for um número limitado de provas orais), e quando assinamos os livros de termos das classificações finais estamos a responsabilizar-nos pela justiça da classificação atribuída a cada aluno.
2) Entendo que os alunos devem prestar provas em condições o mais semelhantes possível com as a que estão habituados, para se poderem concentrar no conteúdo das perguntas e respostas sem outras perturbações e/ou dificuldades tecnológicas ou intromissões à distância durante as provas, de modo à avaliação ser sobre competências demonstradas na matéria da disciplina e não de outra natureza, como destreza digital ou outra.
3) Considero que a avaliação por respostas de escolha múltipla é inapropriada para avaliação na escala de 0 a 20 valores de uma disciplina como CDI2, e que os procedimentos que estão a ser considerados para realização e fiscalização de provas remotas com respostas escritas em papel e enviadas electronicamente, além de não assegurarem justiça e equidade, são demasiado complicados para que, a meu ver, os alunos possam ser avaliados justamente pelas suas competências na disciplina sem excessivas perturbações ou preocupações com aspectos que não têm a ver com a disciplina.
4) Várias das universidades de engenharia na Europa e nos EUA que mais respeito decidiram que não poderiam deixar de fazer as avaliações presenciais que tinham previstas, em alguns casos adiando-as (e.g ETH Zurich, EPFL Lausanne, KU Leuven, quase todas as boas escolas de engenharia da Alemanha, a U. Técnica da Dinamarca, a École Polytechnique de Paris, o MIT), ou que as classificações finais com provas remotas seriam só Aprovado/Reprovado (e.g. U. College London, U. Sheffield, Stanford U., Harvard U.), ou ainda que alunos do 1º ano transitam para o 2º ano sem avaliações (e.g. U. Edinburgh, U. Manchester). Há também outras universidades de topo que optaram por avaliações remotas. Contudo, é claro que as universidades referidas entendem que a substituição de avaliações presenciais por remotas e as classificações que se obteriam são inadequadas.
No que respeita às outras duas universidades públicas de Lisboa, o IUL-ISCTE prevê avaliações presenciais (na FIL-Expo) e a U. Nova de Lisboa determinou:
“quando a opção do docente para avaliação incluir um exame, deverá, sempre que possível, privilegiar-se a realização de provas presenciais e físicas, aspeto que fica reforçado com as instruções de desconfinamento, sem prejuízo que permanece actual – sendo até desejável em diversas situações –a necessidade de compatibilização entre provas presenciais e físicas e provas realizadas a distância”
e
“quando a opção do docente para avaliação incluir um exame, dar opção aos alunos de realização de provas presenciais e físicas, em alternativa à realização, apenas, de provas a distância”.
Além disso, em Lisboa há pelo menos uma universidade privada – U. Lusíada – que fará as avaliações finais presenciais inicialmente previstas (com a alternativa de prova oral remota para quem não possa comparecer).
Neste contexto, solicitei ao Presidente do Técnico autorização e apoio para avaliação presencial nos cursos a que dou aulas (com alternativa de prova oral remota), a realizar em grandes espaços (átrios dos Pavilhões de Civil e Central, e outros grandes espaços do Técnico ou da U. de Lisboa), com lugares separados de pelo menos 2 metros, uso individual de máscara, higienização dos espaços e das mesas antes de cada turno, realização consecutiva dos dois testes cada um em 1 hora.
Esta proposta começou por ser muito bem acolhida numa reunião a 23 de Maio, mas na 5ª feira passada (28 de Maio) foi-nos transmitido pelo Conselho de Gestão que não era aprovada por não garantir a avaliação “nas mesmas condições para todos os alunos” da disciplina, e que as avaliações finais teriam de ser todas remotas. Isto apesar de, mesmo em situações normais, os enunciados das provas serem diferentes entre turnos de provas, e até haver diferenças num mesmo turno, e das avaliações remotas que estão previstas (respostas de escolha múltipla para uns cursos e manuscritas com envio electrónico para outros) serem radicalmente diferentes.
Exactamente “nas mesmas condições” é obviamente impossível. O que é preciso é que sejam o mais possível equivalentes, e principalmente para alunos de um mesmo curso. O que se espera numa Universidade é que no âmbito de regras gerais com ampla flexibilidade sejam os Professores Responsáveis a definir as condições em que se realizam as provas que levam às classificações de que terão de assumir a responsabilidade assinando-as, em vez de lhes ser imposto um modelo único ou desrazoavelmente restritivo por órgãos administrativos que não têm competência legal para atribuir classificações e não as podem assinar.
Nesta situação, como não acredito na razoabilidade dos resultados destes tipos de avaliações remotas, pelas razões referidas, solicitei a minha substituição como Professor Responsável Geral de CDI2 no período de avaliações finais, pois não posso ser responsável por um processo com resultados de que não poderia assumir a responsabilidade. Essa é a explicação que senti necessidade de vos dar, de modo franco e suficientemente claro para que possam perceber porque vou ser substituído por outro Professor do Departamento de Matemática, provavelmente logo depois de hoje.
Cada Professor Responsável por cada bloco de CDI2 irá em breve informar sobre os procedimentos da avaliação remota desse bloco.
Tenho pena de não vos poder acompanhar como Professor Responsável Geral de CDI2 até ao fim.
Faço votos para que tenham os maiores sucessos no estudo e nas provas que vão realizar, e também na vossa vida futura como estudantes e profissionais.
Lisboa, 1 de Junho de 2020
Luis Magalhães, Professor Responsável Geral por Cálculo Diferencial e Integral 2 no IST

INFORMAÇÃO PARA OS ALUNOS DE CDI2 DE LMAC E MEFT
Como podem ver no anúncio precedente, devido a discordar em absoluto de avaliações finais remotas para este tipo de disciplina pelas razões aí expostas (excepto um número limitado de provas orais para quem não possa comparecer devido ao COVID-19), e depois de ter solicitado ao C. de Gestão do IST autorização e apoio para realização de provas presenciais nas condições adequadas (com a alternativa de provas orais remotas), o C. de Gestão acabou, a 28 de Maio, por não autorizar.
Como a minha discordância de provas remotas nas condições previstas é por razões muito fortes (explicadas no anúncio precedente) e, portanto, não seria responsável se as ministrasse ou fosse o Professor Responsável de uma disciplina em que fossem ministradas por outros, solicitei ser substituído por outros Professores do Departamento de Matemática como Professor Responsável Geral de CDI2 e como Professor Responsável da disciplina para LMAC e MEFT, o que deve ser já depois de hoje.
Como devem calcular, lamento fortemente que não tenha havido abertura para uma alternativa que me parece razoável e a melhor possível nesta altura, e até a mais próxima da que os alunos estão habituados e da que estava estabelecida inicialmente. Em particular, entristece-me não ser eu a avaliar os alunos a que dei aulas e que acompanhei ao longo deste semestre e também no semestre passado. Acho que os alunos não deveriam ficar nessa situação, mas, como provavelmente compreenderão, não posso ser responsável por um processo com resultados de que não poderia assumir a responsabilidade.
O meu serviço na disciplina terminará quando for nomeado o Professor que me substituirá, incluindo horários de dúvidas. Contudo, como atendo sempre quem me procure para falar de Matemática, e com acrescida satisfação quando são antigos alunos meus, estarei disponível para esclarecimento de dúvidas ou outras questões de Matemática que entendam pôr-me, a pedido por e-mail a que responderei combinando como o fazer em cada caso; não hesitem, pois é com total abertura e disponibilidade, e até com prazer, que responderei.
Quanto ao processo de avaliação, neste momento é certo que será remota, nas datas e num dos turnos marcados no Fénix e com os dois testes previstos consecutivos, para cada curso num turno que será indicado com antecedência.
O novo Professor Responsável por CDI2 para LMAC e MEFT irá informar os alunos, em breve, sobre os procedimentos da avaliação remota para estes cursos.
Tenho pena de não vos poder acompanhar como Professor Responsável de CDI2 até ao fim.
Faço votos para que o estudo e as provas que vão realizar vos corram o melhor possível.
Lisboa, 1 de Junho de 2020
Luis Magalhães, Professor Responsável por Cálculo Diferencial e Integral 2 para LMAC e MEFT
submitted by MischiefManaged97 to portugal [link] [comments]


2020.05.29 15:04 FDezso Desconhecio

olá amigos, como vocês estão? Vim hoje apresentar uma historia de misterio e ficção cientifica para vocês. Espero que gostem...
obs: são apenas 3 capitulos que eu mostrarei hoje, se quiserem mais, me cobrem
Capitulo 1 - Aproximação

A Falcon se aproximava de um planeta com grande potencial a vida, seu capitão, John McConey, e sua tripulação estavam ansiosos para descer no planeta desconhecido, o ar da nave sempre era bastante festivo desde a saída da terra em direção a novos horizontes. John estava feliz por essa missão, e se sentia orgulhado de ter descoberto um planeta que poderia salvar a humanidade, devido seus problemas decorrentes há anos. Com isso, John queria chegar o mais rápido no planeta, mas algo o impedia. na data 09/12/2324 a I.A da nave, Falcon, havia detectado uns sinais estranhos na superfície do planta, porém ele não consegui identificar co que era, só poderia deduzir que já havia alguém habitando lá.

Capitulo 2 - Sinais

No momento que os sinais começaram a chegar, Falcon automaticamente desacelerou a nave, colocou-a em modo de alerta e começou a pesquisar a respeito dos misteriosos sinais. John sem entender nada perguntou
-o que estava acontecendo?- para Falcon e ele respondeu -não podemos continuar, pois deduzo que não estamos sozinhos-
John sem entender nada começou a trabalhar a respeito dos sinas, para tentar desvendar o que poderia ser o transmissor que estava enviando os sinas de dentro do planeta. Após horas de analise descobriram que havia tipo de rochas que naturalmente emitiam algumas ondas eletromagnéticas podendo transmitir grandes sinais dependendo de seu meio ambiente. John com isso retrucou ao Falcon
- viu Falcon, não há nada de estranhos com esse sinais- e ironizou - são apenas rochas especias, fica tranquilo-
Falcon, como uma I.A respondeu educadamente -Senhor, não tenho tanta certeza que são apenas rochas, os sinas são mais fortes que os normais, para serem criados naturalmente, receio que se continuarmos podemos encontrar algo que não queremos- terminou Falcon.
John ficou tenso, depois de o depoimento de Falcon a tripulação que estava na ponte, ficou assustada. Mas a ganancia de John era maior, ele queria aquele planeta de um jeito ou de outro, então ele respondeu -Falcon é um planeta desconhecido, com minerais desconhecidos, não sabemos o porque desses sinais e pode ser pela composição desconhecida desses minerais que causa os causa, vamos continuar a frente, é uma ordem- disse John.
Falcon como uma I.A apenas obedeceu o pedido de John e começaram a descida no planeta.

Capitulo 3 - Desconhecido

Descida iniciada, a Falcon se infiltrava na atmosfera do planeta em alta velocidade, altas temperaturas em seu casco, e tremores e seu interior, parecia que cada vez mais perto do solo eles ficavam, mais difícil ficava em manter a nave estável. quando eles chega ao nível altura de cruzeiro, se depararam com uma tempestade, com altas voltagens de eletricidades e eles descobriram isso da pior maneira.
-Falcon, relatar danos-
-vários sistemas danificados, sinais de comunicação inativos-
-ativar escudos externos-
-escudos externos estão em 34% capitão e baixando-
-senhor estamos há 4 mil metros do solo-
-assone os trem de pouso-
-trem de pouso se fundiu com o casco-
-Falcon aplicando manobras de emergência nível 4-
Após a passada difícil na tempestade eles se deparam com um paraíso, um lugar extremamente lindo, até na hora da aterrissagem que eles encontram algo em que não tinha sido a natureza do local que tinha feito.
submitted by FDezso to Misterio [link] [comments]


2020.05.03 21:31 aquele_inconveniente A perda dos ideias democráticos e de liberdade em Portugal com o Covid-19

Introdução
Olá a todos, costumo seguir este fórum mas nunca tinha tirado tempo para criar uma conta e poder colaborar em vez de ser um mero consumidor.
O clima actual em relação ao virus e às respostas dos diferentes governos mundiais à crise, em conjunto com as opiniões tenho visto neste fórum fizeram-me pensar se em Portugal (e no mundo) se valoriza verdadeiramente os ideias de liberdade. Gostava que lessem a minha argumentação e comentassem de forma civilizada, seja qual for a cor partidária ou ideologia do comentador e sem insultos a mim ou a outros comentários. Gostava de pôr a etiqueta "sério" mas não sei como.
Argumento usado pelo governo português (implicitamente)
Este argumento pode ser reescrito genericamente como:
Evitar a morte de muitos é preferível a liberdades individuais. A mata muita gente, B minimiza significativamente A mas restringe liberdades, logo B deve ser efectuado.
Relembro que a gripe mata perto de 3 mil pessoas por ano em Portugal e que doenças respiratórias por bactérias ou vírus chegam a matar perto de 15 mil por ano (ou outro número parecido mas não me lembro ao certo)
Outros cenários em que este argumento foi usado em Portugal
Fazendo uma abstração da situação actual, este tipo de argumento tem sido usado sempre para defender autoritarismos que em teoria reduzam o número de vítimas de um dado fenómeno ( muitas vezes reduzindo efectivamente esse número de vítimas.
Dois exemplos recentes na história portuguesa:
Conclusão
Sei que o paralelo nunca é perfeito mas é fundamentalmente uma forma de pensar semelhante. Segurança e vida humana tendo primazia sobre a liberdade do indivíduo.
Não deixo de pensar que em vários momentos da história existe histeria de massas que leva a que os acontecimentos vão por um caminho que não pode depois ser retraçado e que esse mesmo caminho passa a ser o único com sentido àqueles que o trilham. No caso da guerra em Angola, quando foram divulgadas as imagens do massacre da UPA que matou milhares de negros e brancos no 15 de Março de 1961, o choque fez muitos do que viviam na altura não pensar duas vezes em relação à resposta que foi dada. Da mesma forma que muitos de nós vendo notícias de cadáveres em ringues de patins em gelo em Espanha e médicos a escolher quem vive e quem morre na Itália, e depois da confusão da China em Wuhan, também não hesitamos em pensar que aquilo que tínhamos de fazer era abdicar de liberdades individuais para salvaguardar vidas.
Penso que agir como estamos a agir é um nada contraditório contra aquilo que tanto se apregoa, de que a liberdade é mais importante que a segurança, que não devemos que o medo nos faça entregar os nossos direitos a um Estado, ainda que temporariamente. Uns podem dizer "isto é um tema de saúde, não confundas com organizações políticas", mas no final é de novo o binómio segurança/vidas vs liberdade.
Dito isto, não quero argumentar nem que se argumente contra o acto altruísta de nos fecharmos em casa por vontade própria, para salvaguardar os outros. Simplesmente à imposição desse acto.
Perguntas para debate:
  1. A vida humana é mais importante que liberdade em todas as situações? Ou só quando o agressor dessas vidas é um organismo ao invés de um ser humano?
  2. Será que as decisões que tomamos enquanto sociedade permitirão um pender mais favorável ao autoritarismo em Portugal e quais as suas consequências?
submitted by aquele_inconveniente to portugal [link] [comments]


2020.05.02 22:01 Vayu0 Problema com post em Indexfundinvestor.eu sobre Tech ETF

Gosto muito deste site, e aconselho-o vivamente a todos, mas tenho uma dúvida.
Neste link, cujo o dono do site fez um AMA hoje, que infelizmente não tive oportunidade de participar, há algo que me faz confusão. Talvez o próprio me possa esclarecer.
Nesse post, na parte dos "Historical returns", mostra um gráfico a comprar VTSAX com QQQ.
Apesar de ser dito no post que "historical returns can be easily manipulated because the dates can always be cherrypicked.", o autor escolheu a pior altura para se investir no QQQ da história (dotcom bubble), e comparou o com Vanguard Total Stock Market Index Fund (VTSAX), para demonstrar que não vale a pena investir num tech ETF.
No gráfico da para ver que ambos basicamente são iguais em termos de retorno. Contudo, aqui está o problema disto:
VTSAX, é: "Vanguard Total Stock Market Index Fund is designed to provide investors with exposure to the entire U.S. equity market, including small-, mid-, and large-cap growth and value stocks."
Ou seja, esta comparação não é entre o World Index (algo que o autor aconselha como principal investimento, e que eu concordo), como podemos ser levados a acreditar, mas entre o mercado US e Nasdaq (US tech, principalmente).
Além do mais, quando corro os dados com $10,000 investidos inicialmente e $1,000 investidos por mês, entre basicamente a mesma data (Janeiro 2000 - Dezembro 2018) que o autor pôs, vejo que acabaria com:
*QQQ - $930,310
*VTSAX - $670,433
(tive que usar a classe mais antiga do VTSAX, que é a VTSMX, pois a VSTAX não existia em '00, mas vai dar ao mesmo resultado)
*dados vistos no Portfolio Visualizer.
O autor afirma que:
"After the bottom it took 15 years for the technology fund to surpass the total stock market’s performance in May 2017. It looks to me that the technology fund had more risk, was more volatile and the upside was little when compared to the total stock market fund."
Contudo, discordo parcialmente desta afirmação. É verdade que há mais risco num QQQ que num world index, mas também há possibilidade de ter mais retornos a longo prazo.
A meu ver, a diferença é bastante significativa, mesmo com a terrível bolha do dotcom. Isto porquê a ausência de diferença só se verificaria se investisses todo o dinheiro no inicio, e depois nunca mais investisses nada. Com investimentos periódicos mensalmente, e a apontar para um investimento a longo prazo de mais de 10 anos, existe uma grande diferença nos retornos. No exemplo de '00-'18, a diferença é de 29%! Abismal.
Mesmo com um investimento de apenas 10 anos, iniciado na pior altura possível, '00 - '10, o QQQ ganha por 7.1% ao VTSAX.
Ou seja, o gráfico posto neste link é inadvertidamente enganador.
Se fossemos comparar um World Index com o Nadaq na mesma data, veríamos que os resultados seriam ainda piores para o World Index (entre 40 a 50% piores). Em 99/00, não haviam World Indexes, que eu saiba, portanto, tive de ir buscar fundos internacionais non-US:
Vanguard International Growth Fund VWIGX
Vanguard International Value Fund VTRIX
Para fazer um world index, teríamos que misturar estes fundos com os dos EUA, de acordo com os correctos market cap. Podemos concluir que, se estes fundos forem piores que o VTSAX (US), então, um World Index da altura também faria pior que o VTSAX.
Ao usar o Portfolio Visualizer, verifico que de '00 a '18, estes 2 fundos fizeram 20-30% pior que o VTSAX. Logo, dá para rapidamente reconhecer que um World Index (composto por US+Resto do Mundo) iria ter pior performance que US (VTSAX), e US teria um pior performance que Nasdaq 100 (QQQ).
Contudo, não quero com isto afirmar que se deva investir tudo num QQQ. Isso seria irresponsável. O que quero é indicar que não acho que seja irrelevante investir num QQQ, para quem assim o decidir. Tem mais risco, mas poderá trazer mais retornos a longo prazo que um World Index. Depende do objetivo de cada um. Historicamente, trouxe basicamente o dobro de um World Index, em termos de média anual de retorno.
Ao concluir, gostaria que afirmar o já conhecido: lá porque um ETF/fundo teve excelente performance no passado, isso não significa que continuará assim. Ninguém sabe o que vai acontecer no futuro.
Talvez eu esteja errado. Aguardo pelas vossas respostas, pois talvez haja algo que não esteja a ver!
Cumprimentos.
submitted by Vayu0 to literaciafinanceira [link] [comments]


2020.04.18 16:42 MarcosMegi Os grandes jogadores do Grande Conselho de 233

Após a morte do rei Maekar I, os Sete Reinos foram jogados na incerteza política por causa da falta de clareza sobre a sucessão do Trono de Ferro. Os filhos mais velhos do rei, Daeron e Aerion, haviam falecido antes do monarca. Apesar disso, ambos deixaram descendência: a princesa Vaella, considerada simplória, e o recém-nascido príncipe Maegor. Além destes candidatos também foram levados em consideração o terceiro filho do rei, o meistre juramentado Aemon e o príncipe Aegon, o filho mais novo. Por fim, Aenys, um pretendente Blackfyre também foi convidado a apresentar a sua pretensão ao Trono. O resultado nós os leitores conhecemos: Aenys foi decapitado por lorde Corvo de Sangue e Aegon foi escolhido como rei.
Não conhecemos, entretanto, os pormenores e os bastidores do conselho. Não sabemos se todos os lordes participaram ou se houve alguma ausência, notadamente os Stark, se houve a criação de facções e nem os números dos votos ou preferências de cada um dos eleitores. Mas, é possível pensar que alguns nobres, muito provavelmente, exerceram papéis importantes na decisão ou nos votos. O primeiro deles que eu posso imaginar é Gerold Lannister, senhor de Rochedo Casterly. O Leão Dourado foi casado pela segunda vez com Rohanne Webber, conhecida tanto por sor Duncan como por Aegon, e poderia ter inclinações favoráveis ao príncipe Targaryen. Apesar do misterioso desaparecimento de sua esposa, que pode ter acontecido (ou não) em decorrência de algum evento envolvendo sor Duncan e o príncipe Targaryen, Gerold demonstrava ter apreço por Aegon, já que o seu próprio filho, sor Tion Lannister, foi escudeiro do príncipe. Desta forma, é possível que o senhor de Rochedo Casterly tenha sido uma voz favorável em favor do futuro rei. Outro candidato provável a ter uma preferência pelo príncipe Aegon é Lyonel Baratheon, senhor de Ponta Tempestade. Após tornar-se rei, Aegon V arranjou o casamento entre o seu herdeiro, príncipe Duncan, e uma filha de Lyonel, em 237. É possível que o príncipe Aegon tenha aventado a possibilidade de um casamento real nos bastidores do Conselho, já em 233, com Lyonel. Isto poderia levar o senhor de Ponta Tempestade a inclinar-se pelo último filho de Maekar.
Outra jogadora importante, se consideramos a possibilidade de estar viva na altura do acontecimento, provavelmente foi lady Alys Arryn. A senhora Arryn provavelmente era irmã de lorde Jasper Arryn, senhor do Ninho de Águia e protetor do Leste. Alys foi casada com o príncipe Rhaegel Targaryen, príncipe de Pedra do Dragão e herdeiro do rei Aerys I, até a sua trágia morte em 215. Após a morte do marido, seus filhos gêmeos Aelor e Aelora tornaram-se herdeiros do Trono de Ferro, mas também faleceram nos anos seguintes. A sua última filha, princesa Daenora foi pulada da sucessão em favor de Maekar, último irmão de Arys I e Rhaegel. Em uma data incerta, a princesa Daenora casou-se com seu primo Aerion e o casal gerou a pequeno príncipe Maegor. O casamento entre os primos provavelmente foi arquitetado por Lady Alys, que desejava que o seu sangue retornasse ao Trono de Ferro. O casamento de sua filha com o segundo herdeiro masculino de Maekar poderia facilitar o retorno ao Trono. Com a morte de Aerion e a convocação do Grande Conselho, Alys Arryn e a princesa Daenora certamente tornaram-se grande defensoras e porta-vozes dos direitos de Maegor ao Trono, mesmo que isto significasse uma regência. O fato da sucessão do pequeno bebê ter sido considerada pode-se também ser atribuída ao papel que a Casa Arryn e o Vale desempenharam na defesa do infante.
O terceiro e último grande nobre a exercer um grande papel no Grande Conselho foi Leo Espinholongo Tyrell, senhor de Jardim de Cima e Protetor do Sul. Apesar de ter sido louvado como um grande guerreiro e que participou ao lado da Coroa na Primeira Rebelião Blackfyre, meistre Yandel apontou que o senhor de Jardim de Cima não participou da batalha pois “ suas forças não puderam se reunir com rapidez suficiente para chegar a tempo na Batalha do Campo do Capim Vermelho” (O Mundo de Gelo e Fogo, Os Sete Reinos: A Campina, Casa Tyrell). Steven Atwell sugeriu que Leo Tyrell era, na verdade, apoiador Blackfyre em segredo, sendo o único das Grandes Casas a acreditar na causa de Daemon. Se levarmos em consideração que Torwyn Greyjoy, senhor das Ilhas de Ferro e senhor Ceifeiro de Pyke, jurou um juramento com Açoamargo (provavelmente uma aliança construída para a Quarta Rebelião Blackfyre), é possível considerar que ainda havia um considerável apoio a causa Blackfyre entre os nobres e senhores presentes no Grande Conselho. Deste modo, Aenys poderia ter encontrado uma facção favorável a sua pretensão, se lorde Corvo de Sangue não o tivesse assassinado antes de se apresentar ao Conselho.
Por fim, com relação aos senhores Martell, Tully e Stark, sem um conjunto maior de informações sobre estas Grandes Casas, torna-se difícil e complicado emitir qualquer opinião ou especular votos ou preferências. Mas, o que vocês acham?
submitted by MarcosMegi to Valiria [link] [comments]


2020.03.27 17:37 TeresaFMendes Apoio pedagógico a docentes para formação em regime de Learning

Perante a quarentena exigida às escolas e universidades pela covid-19, foram disponibilizadas plataformas para ensino à distância, e muitos docentes já as utilizam.
No entanto, a falta de formação e de preparação destes docentes, não menosprezando o seu esforço e boa vontade, faz com que não se aproveite todo o potencial que o ensino à distância pode trazer ao ensino e à aprendizagem ao se "clonar" o método presencial, baseada em palestras, para o ambiente online.
É talvez altura de se ousar uma inovação, embora se tenha de ultrapassar uma resistência por parte dos docentes.
Para exemplificar, e no espirito de entreajuda nesta fase difícil, junto envio um texto - correspondência online - que explica resumidamente um método de ensino à distância com grandes vantagens para todos os intervenientes.
Fico ao dispor para esclarecimentos e até acompanhamento de "instructional designer" para quem o solicitar.


"Olá professor
Fico satisfeita de ver feliz por uma boa causa. Isto da quarentena é um tédio para os mais afoitos. A razão do meu “oferecimento” é assim principalmente por sobra de tempo e de desafios intelectuais.
Pelo que, analisando a sua descrição, vejo praticas interessantes, aulas virtuais para grupos pequenos, mas … não será pouco eficiente dar a mesma aula 3 ou 4 ou 10 vezes?
Claro que, nessas condições a relação entre professor e alunos se estreita, o que é bom, mas pouco sustentável, para além de que se perde muito "tempo de professor” em logística.
Sendo assim, e porque fui completamente surpreendida pela eficácia de uma metodologia para curso online exclusivamente assíncrono, que me convenceu que a minha percepção de décadas como formadora estava completamente errada, vou ousar sugerir-lhe que complemente a sua abordagem de grupos pequenos com este método assíncrono que potência o networking e a aprendizagem dos alunos com os seus colegas (e já sabe o que penso sobre este tema, particularmente no nosso curso).
A motivação é fácil de explicar: os alunos aprendem tanto com o professor, como como o auto-estudo, como com os seus colegas. Deixo-lhe livre colocar as respectivas percentagens mas o método sugere 1/3, 1/3, 1/3.
O ovo de colombo deste método, (para além da optimização do tempo/custo do professor) é a de estabelecer grupos de alunos “fechados” com 8 a 12 pessoas, para ter massa critica, escolhidas aleatoriamente ou a gosto (temas), tantos grupos quantos os necessários. O trabalho é desenvolvido para um grupo de 8-12 e todos os grupos funcionam com o mesmo conteúdo e método de forma mais ou menos “estanque”.
No meu caso, esta foi uma das características mais interessantes do curso, pois mesmo sendo “estanque” todos poderíamos ir “espreitar” o trabalho dos outros grupos (por exemplo o que o aluno com mesmo numero de grupo que eu teria respondido). Isso criou pontes entre os vários grupos (como por exemplo o de Portugal e o do Brasil), onde se discutia inclusivamente a dinâmica de grupo face a uma cultura parecida em contraste com o grupo do Japão, com cultura completamente diferente. Entre o grupo de Portugal e do Brasil decidimos criar o papel de “relator” (aliás “espião” hehe) onde, à vez, rotativo cada semana, alguém do grupo escrevia um relatório sobre o que de mais interessante havia passado no outro grupo (particularmente se não tivesse sido discutido no nosso grupo). Esses dois relatórios eram partilhados entre os dois grupos. No meu curso havia mais de 20 grupos e obviamente não há tempo para “espreitar” todos eles.
E este exemplo mostra a segunda característica principal do método: uma abordagem de trabalho colaborativa (amigo não empata amigo, e toda a contribuição é bem vinda), e não uma abordagem cooperativa, que são o que chamamos habitualmente trabalhos de grupo (quando um falha alguém tem de compensar para que o trabalho fique completo). (ver nota 1)
Qual o papel do instructional designer? Trabalhar com o professor e adaptar os conteúdos. Basicamente é o seguinte:
- A partir do plano de aulas (semanais) - solicitar que o professor grave em video de uma hora para cada aula. (o video tem de ser gravado com uma distancia curta que dê a impressão de conversa olhos-nos-olhos).
- Distribuir ao aluno um conjunto de textos - escrito pelo professor (powerpoint, white paper) sobre o mesmo tema, assim como as leituras obrigatórias e também facultativas (para alunos que se interessem em particular por esse tema).
- Desenhar um conjunto de 8-12 perguntas abertas, que abranjam todo o conteúdo (obrigatório) da aula. As perguntas terão de ser abertas, e feitas de forma a solicitar a partilha de uma experiência pessoal parecida com o exposto, a comparação de duas coisas, a elaboração de pontos fortes e fracos face a uma situação existente (o caso concreto do aluno) ou sugerida, etc. Cada aluno responde exclusivamente a uma das perguntas, (máximo 200 palavras) a que corresponde ao seu # de aluno no grupo, e todas as respostas ficarão visíveis para todo o grupo.
- É mandatório que cada aluno escolha uma resposta de um colega e lhe dê feedback (máximo 200 palavras) . Esta dinâmica tem um efeito exponencial. ao fim de 3 semanas , já todos os alunos interagiram com todos os outros, pois na primeira semana, já interagimos com um colega e, se a nossa resposta foi interessante alguém interagiu connosco e assim a “conversa” flui”.
- Pela enorme quantidade de interacções assim desenvolvidas, o método inclui também a definição à partida de um membro do grupo, (tarefa rotativa), de fazer um resumo da semana e principalmente que coleccione os links sugeridos e debatidos pelos colegas. Esse documento semanal é extremamente interessante e a regra é que cada link terá de ser classificado numa categoria, ter a data em que foi acedido, quem o sugeriu e 3 linhas descritivas desse autor sobre porque o sugeriu. Nós chamámos a esta tarefa o “colaboratorium”.
- Este método implica um esforço do aluno entre 4 a 6 horas semanais. No mínimo,uUma hora para ver o video, duas horas para ler os textos, 40 minutos para escrever a resposta à sua pergunta e 20 minutos para escolher e dar o feedback a um colega. A semana começa à quarta-feira com a disponibilização das perguntas, leituras obrigatórias e facultativas e dos “papeis” que cada aluno deverá desempenhar nessa semana e a interacção fecha à meia noite da terça feira da semana seguinte. Os videos semanais podem estar todos disponibilizados antecipadamente.
- A avaliação é por feita pr participação. Quem cumprir as regras das semanas, passa, quem não consegue cumprir as regras (durante duas semanas) não passa (aliás desiste). Para os que o desejarem poderá haver um trabalho final, classificado, com uma dimensão máxima de palavras, e cujo tema é escolhido pelo próprio aluno e aprovado pelo professor . (Penso que este formato, participação e trabalho final, seria adequado ao seu curso neste mestrado).
- Durante o curso o professor tem acesso a todos os conteúdos, mas nunca intervém.
- De referir que o principal problema é tecnológico. problemas de firewall, acessos etc, pelo que terá de existir um HelpDesk informático, mas não de conteúdo. às vezes é necessário um “moderador” para impedir relações “toxicas” entre os alunos.
- Tem de ser escrito um documento inicial para os alunos para disciplinar a comunicação, e forçar a sua implementação, senão é o caos. (nota 2)
De referir ainda a componente lúdica que esta abordagem proporciona. Eu, mesmo depois de ter treinado o trabalho da semana, diariamente, antes de ir trabalhar, ligava-me à plataforma, e, antes de sair, voltava a ligar-me, para ver o que tinha acontecido entretanto. Há colegas interessantíssimos, outros absolutamente idiotas que são “insultados” com a mais fina “netettiquete”, outros com os quais ficamos amigos, outros que nos surpreendem com as suas capacidades de organização e empatia e os brasileiros eram simplesmente hilariantes. O (senhor professor) japonês fez harakiri virtual (em português chama-se “birra”) no fim do curso, quando ninguém quis trabalhar com ele (na tal componente cooperativa).
Bom, e assim matei duas horas de tédio. :)
Espero que tenha gostado e que possa tirar ideias para o seu curso.
Um beijo à distancia
Teresa
Nota 1: também estudamos o método cooperativo, mas foi tão difícil e conflituoso que realmente não vale a pena.
Nota 2: na ultima semana do meu curso a professora retirou todas as regras (que todos já conhecíamos) e … foi o caos. Eu desisti de trabalhar nessa semana- fiz a minha parte e pronto. Mais ilustrativo não podia ter sido."
submitted by TeresaFMendes to BeyondCovid19 [link] [comments]


2020.02.15 02:28 carretinha O padre e A Baronesa

Em uma aldeia havia um padre conhecido pela sua piedade com os monstros. Possuídos de todos os lugares viajavam até a pequena aldeia para serem curados de seus demônios. O padre atendia em uma pequena igreja, sem bancos, feita de madeira, pintada de branco, que era quente demais no verão e fria demais no inverno. A simplicidade das instalações não incomodava aquele sujeito humilde, porém a Baronesa se contorcia de ver um servo de Deus trabalhar num lugar tão mal cuidado. Claro, isso não seria um problema se Ela não tivesse que ‘visitá-lo’ toda dia de missa.
A Baronesa, dona daquelas terras e outras na região, tentava emplacar seus novos produtos no mercado. Máquinas como o mundo nunca tinha visto, criaturas metálicas espertas, programadas para todo tipo de tarefas: limpeza, construção, cuidado com as crianças, vigilância dos escravos, mordomos e tudo mais que o cliente pudesse imaginar. Mas o povo, pobre de conhecimento e ainda mais pobre de dinheiro, olhava para as máquinas com desconfiança, viam em seus olhos amarelos e iluminados motivações ocultas e sombrias. A Baronesa, sabia o que o povo pensava de suas construções e se surpreenderia se fosse diferente.
“Esses ignorantes e imbecis, não compreendem os avanços da tecnologia! Mas de que adianta? Ainda que entendessem, nada poderiam fazer! Essa gentalha não consegue manter uma moeda no bolso. Oh, imagine! Nem que juntassem todos os pobretões de todas as aldeias da região, não conseguiram comprar um peça das minhas maravilhosas máquinas.”
O que a surpreendia era a reação dos seus pares, os sofisticados baroneses, duques e nobres, que rejeitavam com igual força suas ideias sobre a modernidade.
“Minha querida Baronesa, a senhora possui tantas terras boas, devia focar em cultivá-las ao invés de construir essas criaturas de metal.”
Para impressionar a nobreza, encontrar possíveis compradores ou pelo menos alguém que a apoiasse, a Baronesa gastava partes enormes da sua interminável fortuna com festas e mais festas. Onde as máquinas serviam, cozinhavam, faziam segurança e entretinham os convidados, sem parar, sem reclamar e sem se cansar.
No entanto os barões, duques e nobres não pareciam impressionados e tratavam com profunda indiferença as maravilhas da tecnologia. Num mundo iluminado por velas, onde moinhos de água tinham acabado de ser inventados, tais criaturas metálicas pareciam apenas uma alegoria festiva, um enfeite, algo que está ali por estar e ao mesmo tempo não existe, uma mistura estranha entre personagens bizarros de circo e mendigos de rua.
Foi durante uma missa, num dia extraordinariamente quente, agravado pelas instalações da igreja; no meio da aglomeração do povo, que se agregava mais próximo do altar para acompanhar mais um exorcismo e cura de um monstro; onde a nossa querida Baronesa se sentia absolutamente desconfortável; que Ela teve a ideia de que
“Se meus pares fecham os olhos para as modernidades, a igreja há de abri-los.”
Foi assim que irrompeu um grito pedindo atenção. O povo, até então atento a cura, voltou-se para Ela. Até o monstro sobre o altar se virou. O único que não se mexeu foi o padre, pois aquele era o momento mais crucial do exorcismo, se ele saísse do transe a alma daquela pessoa poderia se perder para sempre.
“Senhoras e senhores, desculpe-me interromper o espetáculo que é a cura divina! Todavia preciso anunciar para todos vocês, que depois de tantos anos que passamos neste lugar caindo aos pedaços, finalmente teremos uma nova igreja! A doação, claro, será feita do meu próprio bolso e construída com minhas próprias máquinas, de modo que todos só tem a ganhar.”
O povo que desconfiava no começo da fala, sorriu ao ouvir ‘do meu próprio bolso’. Mas logo fechou a cara novamente, ao ouvir ‘com minhas próprias máquinas’. Afinal, se não fossem por essas malditas criaturas de metal, os pedreiros teriam algum trabalho e receberiam o suficiente pra gastar no bar, no verdureiro e na peixaria; que faria com que a dona do bar, a moça das verduras e os pescadores tivessem mais dinheiro pra gastar no padeiro, no alfaiate e no ferreiro; e assim, sucessivamente. De modo que o pouco dinheiro pago aos pedreiros passasse pela mão de todos na aldeia, em seguida na mão de todos das aldeias vizinhas, até enfim ser pego por cobradores de impostos e finalmente se perder dentro do cofre de algum nobre.
Apesar da decepção, o ânimo geral foi positivo. Afinal uma igreja nova ainda era melhor que nada. E embora duvidassem das intenções da Baronesa e de suas criações, jamais duvidariam de sua Fé, que alegavam ser a maior entre todo povo comum. Boatos passados de boca em boca diziam até que Ela era capaz de realizar milagres, mas claro que não passavam de boatos.
Entretanto por mais fervorosa que fosse a Baronesa, a ponto de sair da sua confortável mansão no topo do Monte; descer a pé todo o morro; atravessar o rio; subir a colina onde estava a igreja; e fazer o caminho de volta todas as vezes que ia à missa, Ela ainda questionava certas ações do padre. A Baronesa, assim como todos ‘cidadãos de bem’, defendia que os monstros não deveriam ser curados, muito pelo contrário, deveriam ser caçados e mortos pelos crimes que cometeram contra Deus, pois ‘os crimes contra Deus’ eram a única explicação para tem se transformado. Isso se não tiverem matado gado, ou estripado alguém depois que assumiram a sua forma monstruosa.
Após o anúncio ninguém mais assistia o exorcismo e para o padre isso não fazia diferença, na verdade era até melhor. Não gostava de fazer os exorcismos em cima do altar ou em público, se o fazia daquela forma era por dois motivos: O primeiro, era literalmente por pressão popular, porque uma vez o povo quase quebrou a porta dos fundos da igreja enquanto tentavam espiar um ritual. E o segundo, porque aquela era uma boa forma de divulgar seu trabalho e atrair aqueles que precisam de cura. Portanto apenas um exorcismo era feito em público e só no final da missa, se ainda houvesse outros possuídos a serem curados eles seriam atendidos na parte de trás da igreja, quase em segredo.
Só depois que o demônio foi expurgado e finalmente o monstro pode olhar no espelho e ver a pessoa que era, que o padre abandonou o transe e a concentração no trabalho. E não demorou muito a saber da novidade através dos cochichos e conversas que corriam por toda assembléia:
“Onde ficará a nova igreja?”
“Será que vão derrubar essa daqui?”
“Tomara que tenha uma torre do sino!”
“Espero que não seja em cima do morro.”
“Ia ser lindo se fosse em cima do rio!”
Assim que pescou informação o suficiente sobre a construção da nova igreja, foi imediatamente contra. Jamais um único fiel deveria ser responsável pelo dinheiro e construção do templo, porque
“Um templo, assim como a Fé, deve ser uma construção conjunta. Feita pela dedicação e amor das pessoas e não por ganhos materiais ou glória pessoal. O marceneiro deveria trabalhar a madeira que o lenhador cortou e doou, para que os ajudantes usem os pregos que sobraram da construção de suas casas, para pregar juntas as tábuas. Todos trabalhando juntos, sem ninguém cobrar a ninguém, cada um fazendo e doando de acordo com o que pode e tem!”
“É assim que deveria ser construído um templo! E foi assim que foi feita essa capela.”
Esperou a multidão se dispersar e foi conversar com a Baronesa, que por sua vez estava ansiosa para contar os detalhes da obra.
“Eu agradeço sua oferta minha querida, mas um templo assim como a Fé deve ser uma constr...”
“Desculpe senhor padre, porém acredito que alguém mais competente deveria tomar a decisão. Passados mais alguns anos ou uma praga de cupins e esse lugar vem abaixo! Além disso o povo clama por um lugar mais confortável! Já lhe aviso: se o senhor insistir em recusar minha proposta, enviarei a oferta ao bispo.”
“QUE ENVIE ENTÃO! Mas saiba que nunca estarei de acordo com um templo feito tão mundanamente!”
Foi uma discussão acalorada, contudo não foi nem a primeira, nem a mais tensa delas. O padre e a Baronesa tiveram várias discussões em torno da Fé, da organização da aldeia, das leis e de outros vários assuntos. Mantinham ao mesmo tempo um profundo respeito e um certo desafeto um pelo outro, mas nunca rancor.
O padre achava que as ideias da Baronesa eram afastadas demais da comunidade e pouco preocupadas com a benevolência, apesar de estarem de acordo com as palavras de Deus. Para a Baronesa, as ideias do padre eram sempre ideológicas demais e pouco práticas, apesar de estarem de acordo com as palavras de Deus. E como era a concordância com as palavras de Deus que decidia quais eram as melhores ideias, eles não tinham critério de desempate. Costumeiramente, o padre ganhava as discussões, por ter uma posição mais próxima de Deus, mas as coisas costumavam ser feitas ao modo da Baronesa, por ter uma posição mais próxima do Governador.
No fim, o projeto foi enviado ao bispo que o aceitou imediatamente, formando uma comissão de bispos para abençoar o local da nova igreja e os objetos santos.
A planta da igreja, também incluía uma área no subsolo que seria a nova casa do padre. Ele, até então, morava num pequeno quartinho de teto baixo, na parte de trás da capela, dormia num colchão fino colocado sobre o chão, que fora presente do pescador. O cômodo também possuía ainda um fogão a lenha, montado pelo ferreiro. O banco e a mesinha onde o padre realizava seus estudos, ambos bambos, eram peças defeituosas doadas pelo marceneiro e um pouco mais afastado havia uma fossa com cabine, feitas pelo próprio padre, onde ele fazia suas necessidades.
A Baronesa foi rápida para mostrar serviço, e assim que abençoaram o local as máquinas deram início a construção. Os bispos ficaram encantados com a forma que aquelas criaturinhas de metal trabalhavam, tão encantados que se sentaram num ‘acampamento de obras’, montado pela Baronesa, para assistir a construção. Quando anoiteceu, a casa do padre já tinha o piso e todas as paredes. Logo antes de se retirarem para dormir os bispos perguntaram a Baronesa:
“Suas construções não vão descansar?”
“Ah, senhor bispo, não se preocupe, elas não precisam disso, podem trabalhar por dias seguidos. Inclusive, garanto aos senhores que a igreja estará de pé e decorada antes do dia de missa.”
Os bispos se surpreenderam com a promessa. Uma igreja como aquela demoraria ao menos três meses para ser construída por mãos humanas, se essas fossem mãos de pedreiros experientes talvez dois e meio. Porque a Baronesa falou muito bem delas, os bispos esperavam que as máquinas fizessem em um mês, tanto que a maioria deles tinha planejado ir embora no dia seguinte, menos o bispo responsável pela região que faria a primeira missa e o batismo da igreja. Contudo já que a Baronesa prometeu uma entrega tão rápida, todos resolveram esperar para realizar uma grande missa de batismo.
***
As máquinas trabalharam durante toda a noite. Elas têm a forma que melhor condiz com o seu trabalho. Sim, porque diferente das obras feitas por pedreiros, onde cada um faz um pouco de tudo, as máquinas possuem uma função específica, então necessitam de um corpo específico. Enquanto uma passa o cimento, a outra coloca os tijolos; uma ajuda a secar o cimento e, ao mesmo tempo, outra passa a massa onde o cimento já secou; uma é responsável por ajudar a secar a massa e a outra por pintar onde a massa já secou; algumas ajudam a levantar aquelas que trabalham em andares mais altos; sem falar na batedora de pregos, nas carregadoras, nas colocadoras de móveis e decoração, etc. Tudo isso é perfeitamente sincronizado, para que não se pinte onde a massa está molhada; não se pise onde o piso ainda não assentou; ou para não secar o cimento antes de colocar os tijolos.
Todavia diferente de um relógio, que para funcionar depende de todas suas engrenagens perfeitamente encaixadas, nos lugares e tempos específicos, tais criaturas trabalham de modo tão sincronizado porque se comunicam. Sim, e se comunicam de uma forma parecida, mas ao mesmo tempo muito diferente daquela dos humanos. Sua precisa e avançada ‘fala’ é composta por vários sons de *beep*, e cada máquina tem um *beep* de tom e altura diferentes. Durante a execução de uma tarefa elas ‘falam’ de forma incessante, para alertar umas às outras de suas ações, logo todas precisam conhecer a ‘voz’ uma das outras, a fim de ter uma noção sobre ‘o que ocorre onde’ na execução da tarefa.
Contudo não só na linguagem elas lembram os humanos, elas pensam, tem sentimentos, personalidades, gostam de certas máquinas e desgostam de outras. Apesar de serem fisicamente iguais e pintadas do mesmo jeito, o colocador de tijolos 36579 é alegre e festivo, enquanto o 85479 é introspectivo e silencioso, isso fica evidente em seus movimentos e também no tom e frequência de seus *beeps*. Um humano até poderia perceber isso, se pudesse observá-los atentamente durante dias, no entanto para as máquinas a diferença de personalidade entre eles é gritante. Claro, a personalidade deles pode até fazer com que ajam de forma diferente, mas de modo algum isso afeta seu trabalho, pois apesar de mover o braço um pouco mais e se agitar de vez em quando, o 36579 precisou colocar os tijolos da mesma forma e ao mesmo tempo que o 85479, para que as paredes ficassem prontas juntas.
Um humano provavelmente se sentiria desconfortável de ter que trabalhar de forma tão mecânica, sem poder imprimir sua personalidade, sua ‘marca’ no trabalho. Só que essa é a beleza para as máquinas, elas adoram ser todas diferentes e ainda assim trabalhar de jeito igual. O sincronismo as deixam felizes. Trabalhar para elas não é muito diferente de uma dança, uma dança num mundo onde todos são exímios dançarinos.
E naquele dia participaram de seu grande baile, que se estendeu por toda noite, quando tiveram de cochichar, mantendo seus *beeps* baixinhos para não acordar as pessoas humanas. Com a chegada da manhã seguinte, dançaram novamente sob o dia, cantando *beeps* mais altos, porque os humanos faziam muito barulho. E dançaram, trabalham, cantaram e cochicharam durante os dias que vieram, até que…
***
Na manhã do ‘dia “antes do dia de missa”’ a igreja estava pronta. Era grande, definitivamente maior que a velha capela. Ainda não chegava aos pés de uma catedral, porém tinha os tijolos mais bem colocados, as paredes mais bem niveladas, os únicos bancos posicionados com precisão milimétrica e um altar perfeitamente arrumado, com os todos utensílios alinhados, prontos para o início da missa.
As máquinas, orgulhosas do seu trabalho, se retiraram e aguardaram, ao lado da igreja, o despertar da Baronesa. Dispuseram-se em fileiras organizadas por função e aproveitaram o tempo de espera para conversar. Demoraram apenas 12 segundos para discutir profundamente sobre os mais variados assuntos, a comunicação delas era realmente muito eficaz. Nesse pequeno intervalo de tempo conversaram sobre: como os humanos eram estranhos, como gostaram de finalmente fazer um trabalho fora da mansão, teorizaram sobre os pássaros que cantavam na manhã, flertaram, fizeram novas amizades, planos para os próximos trabalhos, etc. Depois ficaram paradas. As mais afobadas tremiam de levinho, ansiosas para que sua Mestra dessem-lhes mais ordens, afinal gostavam muito de trabalhar.
A aldeia inteira, e boa parte das vizinhas, estava presente para a missa, que foi coordenada sobretudo pelo bispo regional, contando com as participações pontuais e diversas bênçãos dos bispos das outras regiões. Finalmente, depois de anos à frente do altar, o padre podia assistir uma missa como simples fiel e isso trazia-o boas lembranças.
Ao final da missa, e antes de conhecer sua nova casa, o padre perguntou a Baronesa se Ela havia construído um lugar para realizar a cura dos possuídos. Ela disse que não, que havia esquecido, mas os dois sabiam que o ‘esquecimento’ era proposital. Era mais provável que ela tivesse construído um abatedouro do que um lugar de cura.
“Se não construiu não há problema, eu os receberei na minha casa então.”
Em sinal de respeito, a Baronesa presenteou o padre com uma máquina ajudante, que ele só aceitou depois de muita relutância.
“Senhor padre, faça o favor de aceitá-lo, o senhor bem sabe é um tremendo desrespeito cometer a desfeita de rejeitar um presente.”
O ajudante foi instruído por sua Mestra a apresentar a casa ao padre, que levou alguns amigos e o bispo da região consigo. Desceram a escada atrás do altar, que levava à casa. Tudo tinha sido construído e organizado nos padrões mais modernos, o padre, que era um sujeito simples, não gostou da casa de primeira, desconfiava do estranho vaso de porcelana com água dentro, que ficava onde o ajudante disse ser o banheiro. Julgava que aquilo tinha intenções malignas.
Na verdade várias coisas na casa pareciam ‘erradas’, as velas nos candelabros nunca apagavam, a casa estava fresca demais para uma casa no subsolo e havia sempre uma brisa vinda de algum lugar. No final da visita, encontraram várias escotilhas bem discretas, por onde entravam ar e luz. A Baronesa podia não gostar do padre, mas queria que a casa fosse o mais funcional possível. Porém foi só depois de abençoar a casa mais de 15 vezes e finalmente descobrir como funcionava o vaso de porcelana que o padre se livrou de um certo ‘sentimento ruim’.
O ajudante era muito útil. Ele ajudava a preparar a missa, limpava a casa e a igreja, preparava comida e fazia companhia pro padre nas madrugadas. E apesar de achar estranho no começo, o padre foi, aos poucos, se acostumando com a natureza daquele ser flutuante com uma grande lâmpada amarela no meio do rosto. A máquina se auto denominava ‘Ajudante 2047’, tinha uma personalidade extrovertida e adorava falar. Isso incomodava a Baronesa que estava prestes a tirar-lhe o modulador de voz, quando teve a ideia de dá-lo ao padre. Nada poderia tê-lo deixado mais feliz! O padre era quieto e gostava de ouvir as pessoas, então tratava o ajudante com paciência, até quando ele falava demais, o que na opinião do padre não acontecia com tanta frequência, afinal a comunicação dele era estranhamente… eficaz. A maior parte das conversas eram sobre as pessoas. Apesar de nunca falar diretamente com elas, o Ajudante 2047 adorava ver seu comportamento estranho e ficava sempre ansioso para interagir, contudo toda vez que se aproximava de alguém a pessoa se afastava, às vezes com um olhar de repúdio, às vezes com um olhar de medo, mas na maior parte das vezes com uma mistura dos dois. No dia seguinte, o padre teria que encontrar e explicar para a pessoa que o ajudante não faria-lhe nenhum mal. Todavia mesmo com tantas explicações as pessoas ainda evitavam-no, então contentava-se em observá-las.
Agora que não precisava fazer todo trabalho da casa e igreja sozinho, o padre era mais visto do lado de fora, onde ajudava qualquer um que precisasse e não cobrava nada em troca, pedia apenas que comparecessem à missa. Vivendo assim, o padre e o Ajudante ajudaram-se mutuamente e logo isso virou a vida ‘normal’.
Com a reforma a igreja ficou mais famosa e a fila de possuídos cresceu, indo muitas vezes da sala da casa do padre até a entrada da igreja. Ao atender um enfermo, primeiro ele tinha de escutar suas confissões, em seguida concedia-lhes perdão e só depois fazia a oração de expurgo, para livrar-lhes. Alguns viam os sintomas da possessão desaparecem imediatamente, deixando cair qualquer escama, pêlo ou pedaço de pedra que, porventura, vieram a crescer; outros só melhoravam com o passar dos dias, mas seus sintomas iam embora sem deixar qualquer evidência. Os primeiros a serem atendidos eram aqueles que estavam em situação mais grave, ou seja, aqueles prestes a completar a transformação e perder o controle. Destes, alguns eram atendidos antes do final da missa, outros no lugar que estavam assim que fila se formava. Licantropia, glutanismo, petrificação, harpeismo e duplicismo eram os casos mais comuns, mas havia uma infinidade de outras possessões.
Um dia houve uma discussão sobre quem construiria a nova ponte sobre o rio, a Baronesa logo ofereceu suas máquinas, em troca, claro, de uma pequena contribuição da população. Já o povo queria que o marceneiro e o pedreiro fizessem a ponte. O padre, como sempre, tomou o lado do povo, pois sabia que se deixasse a construção nas mãos da Baronesa e suas máquinas o dinheiro jamais sairia dos cofres dela. Quando mandaram o impasse para o Governador, todos temiam que a Baronesa fosse ganhar, então o padre arquitetou um plano: avisou todos na aldeia, de modo que a Baronesa não ficasse sabendo, que seria feita uma missa importante no ‘dia depois do próximo dia de missa’. Durante essa missa ‘escondida’ eles arrecadariam os fundos para a ponte, que deveria ser construída antes que chegasse a ordem do governador. Assim, quando a Baronesa descesse de sua mansão no ‘dia de missa’ a ponte estaria pronta e o dinheiro continuaria entre o povo.
“Sei, senhor bispo, que este não é o plano mais honesto, mas o povo não aguenta mais entregar suas moedas à quem nunca às retorna.”
Confessou o padre, em lágrimas. O bispo apiedou-se do homem e respondeu-lhe que aquela devia ser a vontade de Deus, portanto não haveria castigo.
A Baronesa trabalhava em suas máquinas na varanda da mansão quando viu uma aglomeração na frente da igreja. Era normal que houvesse ‘missas depois do dia de missa’, Ela própria ia às vezes, o estranho era estar tão cheia. Pensou um tempo sobre o assunto, perguntou-se se havia esquecido alguma data especial, até que se lembrou da discussão e conjecturou que aquilo só poderia ser um plano do padre. Com pressa, desceu pela primeira vez o morro com suas roupas de trabalho, tomaria-a muito tempo colocar as roupas chiques, que costumava usar quando descia ao povoado. Andava rápido, porém o caminho era longo e ela só chegaria ao final da missa, mas talvez, a tempo de frustrar os planos do padre.
O padre que havia organizado a missa do lado de fora, exatamente para que pudesse ver o abrir e fechar do portão da mansão, acelerou a missa e conseguiu recolher o dinheiro antes que ela atravessasse o rio. Aflito, disse que não haveriam exorcismos públicos e que aqueles que necessitassem de ajuda deveriam procurá-lo em sua residência.
Neste dia havia um homem, que estava acompanhado de uma enorme criatura envolta num manto negro. O povo sabia que aquilo só podia ser um monstro em estágio final de transformação. A criatura era a esposa do homem e tinha sido possuída por um demônio glutão. Ao ouvir que deveria esperar ainda mais para ser curada, ela perdeu o controle, deixando-se levar pelos pensamentos sombrios que a atormentavam. Ficou furiosa, arrancou a capa que cobria o corpo e o rosto, e respondendo respondendo aos protestos do marido, que implorava para ela colocar o pano de volta , vociferou:
“Estou cansada! Estou com fome!”
O monstro era terrível, gordo, sem pelos ou cabelo, tinha horríveis bolas de pus amarelado, que se espalhavam como furúnculos por todo o corpo. Seu rosto era completamente deformado, a ausência de lábios fazia com que seus dentes e gengiva ficassem totalmente expostos. Porém a pior parte era a carne e pele que faltavam na lateral direita do torço, fazendo com que as costelas ficassem de fora e que fosse possível ver alguns dos órgão internos da criatura, mas o pedaço não parecia ter sido arrancado, não, pelo contrário, estava em formação. A carne borbulhava e parecia crescer muito lentamente, desejando cobrir as vísceras e formar o braço que faltava.
A criatura começou a andar em direção ao altar. As pessoas assistiam a cena paralisadas, em choque, horrorizadas. Ao dar o segundo passo, ela esbarrou no homem do casal à frente. O resultado fez com que o pânico tomasse conta do público, que finalmente disparou a correr em todas as direções. Primeiro, o homem ficou preso, depois seu corpo foi sendo pouco a pouco absorvido pela carne do monstro, e na medida que ia sendo ‘incorporado’ o lado direito do monstro enchia-se de carne, pele e bolhas de pus. A esposa do homem até fez um esforço para salvá-lo, mas ao ver a carne sendo derretida e sugada, vomitou e caiu para trás, para, em seguida, sair se arrastando de costas pro chão, incapaz de desgrudar o olhar do horror que acontecia em sua frente. Por sorte, o monstro a ignorou, seu olhar, faminto e furioso, dirigia-se para o padre, que preparava uma oração desde que este havia tirado o manto. Precisava do exorcismo pronto quando tocasse no monstro, do contrário seria absorvido.
Nesse momento a Baronesa já estava chegando e pode ver tudo com seus próprios olhos, furiosa, ela cerrou os punhos e começou a rezar. A criatura encarou o padre até que o corpo do homem fosse totalmente absorvido, aquela ‘refeição’ tinha sido o suficiente para formar um braço grotesco, mas não para preenchê-lo de carne, sobrara então por todo lado direito do monstro buracos, por onde se via os ossos e partes internas. Isso deu ao padre tempo para terminar o exorcismo. Semi-acabada, a criatura avançou correndo aos tropeções, como as criaturas infernais normalmente fazem, o padre só precisava tocar na criatura e fazer a segunda oração para a salvação das duas almas. O homem absorvido já estava morto, porém sua alma precisaria ser libertada e a possuída, exorcizada. Fazer isso em tão pouco tempo não seria tarefa fácil, mas tinha de tentar.
O monstro já estava perto. O padre sentia o cheiro podre, ouvia as passadas pesadas, os grunhidos inumanos, mas manteve os olhos fechados e o coração sem medo. Calculou a posição do monstro e no momento certo esticou o braço. Ouviu um grito, mas não sentiu o toque. Abriu os olhos. Sua mão estava a centímetros da criatura.
Algo estranho havia acontecido. A Baronesa tocava o monstro pelo lado, que congelado como uma estátua, tinha uma expressão de terror e tristeza nos olhos, um terror que só um possuído poderia sentir. O terror de ter seu corpo mudando a composição de carne, ossos e órgãos para cinzas, o que causava uma dor alucinante, o terror de ter sua alma sendo desmembrada, estraçalhada e destruída, o terror de saber que não vai nem para o céu ou para o inferno e sim para o vazio da inexistência, o terror de sentir tudo isso e não poder gritar.
Do lugar onde a Baronesa tocou, espalhou-se uma cor cinza por todo corpo do monstro, com uma textura que não lembrava pedra, mas, sim, pó acumulado. O padre teve tempo de ver o efeito tomando o corpo da criatura, que apesar dos pecados e da morte, possuía ainda um resquício de humanidade e tinha salvação. Também teve tempo de reparar em uma lágrima, que escorria do olho ainda não transformado em cinza da possuída. Quando foi finalmente inteira afetada pelo toque, ela se desfez e suas cinzas levadas pelo vento. A alma das duas pessoas, assim como a do demônio haviam sido completamente destruídas. O padre sabia que aquilo não era um exorcismo, era uma outra coisa, mais antiga, mais cruel, mais perigosa…
“Ela... ela lançou um sortilégio?”
Foi o que pensou, enquanto encarava a Baronesa, que estava pingando suor, cansada, ofegante, suja de terra e graxa. Ela olhou em seus olhos, mas não disse nada, apenas se virou voltando para a mansão.
Durante a noite, máquinas de limpeza desceram, para limpar o que sobrou das cinzas.
submitted by carretinha to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.01.30 13:40 SuperkidNP Resume da carreira de Carlos Rocha na WON de hoje.

Olá amigos, o Dave Meltzer como prometido resumiu a carreira de Carlos Rocha na última Wrestling Observer Newsletter. Traduzi para português para vocês:
Carlos Rocha, considerado o maior lutador vindo de Portugal, faleceu dia 27 de Janeiro só umas semanas anes do seu 93º aniversário.
Rocha, nascido a 2 de Fevreiro de 1927, estava residindo na Florida.
Rocha era o lutador mais velho ainda vivo que teve carreira na América do norte. Com a sua partida, este record pertence agora a Cowboy Bob Ellis que está próximo dos 91 anos.
Rocha começou a sua carreira em Portugal nos anos 40. Foi uma das maiores estrelas na Europa durante os anos 50 e chegou aos Estados-Unidos em 1962 para competir no Texas e na Califórnia do norte. Regressou à Europa depois disto e só voltou à América em 1971.
Quase imediatamente tornou-se numa das maiores vedetas na América do Norte em 1971-1972, trabalhando em Toronto e Montreal. Foi campeão mundial na International Wrestling da família Rougeau e teve um reinado de quarto meses em 1971. A sua estadia em Montreal é relembrada principalmente pela sua rivalidade com Abdullah the Butcher. Rocha contra Butcher pelo Campeonato do Mundo encheu o Forum em Montreal com 16’557 expectadores no dia 29 de Novembro de 1971. A desforra trouxe 14’900 no dia 27 de Dezembro do mesmo ano.
Ele foi ainda uma maior estrela em Toronto onde foi cabeça de cartaz cinco vezes no Maple Leaf Garden em 1972 numa rivalidade com The Sheik, conseguindo esgotar a sala por três vezes, mais do que qualquer outro adversário do Sheik na altura onde ele era a estrela principal do território. Este periodo foi o tempo com mais sucesso na história da Maple Leaf Wrestling.
Rocha chegou a Toronto no final do ano 1971 e era anunciado como sendo o campeão de Portugal numa era onde ser um campeão nacional na Europa ainda tinha muito significado.
Esteve invicto com vitórias “explosivas” contra a maior parte dos luradores de menor nome, o mais conhecido sendo o George “Man Mountain” Cannon. Isto levou a a um combate contra o Sheik dia 6 de Fevreiro 1972 que acabou em dupla contagem for a do ringue em 2:22 e esgotou a sala com 18’000 fãs. The Sheik tinha conseguido consistentemente muito bom negócio na cidade onde os espetáculos decorriam dois Domingos por mês desde 1969. Mas esta foi só a terceira vez onde ele esgotou uma sala naquele periodo.
The Sheik venceu Rocha em 4:10 na desforra duas semanas depois, esgotando a sala mais uma vez com 18’000 fãs. Em vez de ser o fim da rivalidade como normalmente seria, por causa do sucesso da rivalidade decidiu-se prolongar esta durante mais três datas.
The Sheik nunca trouxe menos de 8’000 fãs num periodo de seis anos. Provavelmente a série de melhores negócios feitos por um lutador num mercado desses onde os eventos decorriam a cada duas semanas. Mesmo com este sucesso, só conseguiu esgotar o Maple Leaf Garden sete vezes nos anos 70, três com o Rocha, duas vezes em 1971 com Tiger Jeet Singh e uma vez com ambos Pampero Firpo em 1972 e Andre the Giant em 1973.
Com as suas “casas cheias”, Rocha teve resultadoes melhores do que literalemente todas as maiores estrelas da altura. O periodo de sucesso de The Sheik incluiu combates com lendas como Lou Thesz, Whipper Billy Watson, Gene Kiniski, Bruno Sammartino, Edouard Carpentier, Bobo Brazil, Lord Layton, Seiji Sakaguchi, Bull Curry, Haystacks Calhoun, Bulldog Brower, Dory Funk Jr., Angelo Mosca, Johnny Valentine, Johnny Powers, Chief Jay Strongbow, Bearcat Wright, Killer Kowalski, Abdullah the Butcher, Jack Brisco, Ernie Ladd, Mighty Igor, Tex McKenzie e muitos outros.
Os fãs da área lembram-se melhor da rivalidade entre Sheik e Brazil por causa do número de vezes onde eles se encontraram, sempre com muito sucesso na bilheteira. Em termos de fama é a rivalidade maior daquela geração. Também temos a rivalidade entre Watson e Kiniski numa série de combates que era apresentada como a batalha entre o héroi mais amado do Canada e o maior vilão da geração anterior. Mas em termos financeiros, Sheik contra Rocha está provavelmente à frente de rivalidades como Ric Flair contra Harley Race, equivalente a Hulk Hogan contra Randy Savage e atrás só de Hogan contra Paul Orndorff em toda a história do wrestling em Toronto.
Essa era a altura onde o Sheik estava numa serie de combates em Toronto dos quais saía sempre invicto. O resultado era sempre uma dupla desqualificação, uma dupla contagem for a do ringue ou uma vitória do Sheik. The Sheik não fazia empates de uma hora como era comum na altura (na realidade fez um com Bobo Brazil em 1973 e não foi bonito de se ver). Quase todos os combates eram intensos, violentos e curtos. O Sheik raramente fazia combates maiores de 6 minutos e muitos dos seus combates principais (main events) duravam menos de 3 com um formato muito simples onde Sheik usava um lápis para fazer sangrar o seu adversário que depois revertia para fazer o mesmo a ele. O combate acabava muito rapidamente depois disto.
A série de invencibilidade do Sheik durou de 1969 a 1974 em 127 combates. Terminou quando perdeu por desqualificação contra o André The Giant dia 11 de Agosto de 1974.
As afluéncias tinham começado a descer no ínicio daquele ano depois de um combate dia 17 de Fevreiro de 1974 que atraíu mais de 15’000 pessoas. O combate foi um Texas Death Match (o que hoje chamariamos um Last Man Standing Match) onde André não conseguiu responder à contagem de 10 depois do Sheik lhe ter mandado uma bola de fogo para a cara. O combate só durou 3:32 e essa foi a única derrota de André com o nome de Andre the Giant (já tinha perdido quando tinha o nome de Jean Ferre) até aos combates contra Canek e Antonio Inoki nos anos 80. Esta derrota também foi escondida por muitas das revistas na altura para não estragar o mito que André era um lutador invicto.A crença é que quando nem o André conseguiu ganhar ao Sheik, os fãs desistiram da ideia de encher a sala para ver quem iria conseguir. Ou simplesemente cansaram-se desta história depois de cinco anos.
Sheik perdeu algumas vezes por desqualificação nos anos seguintes. Com uma vitória de Rocha em 1976 a ser a sua primeira derrota que não foi uma DQ. A primeira derrota do Sheik por assentamento de espadas (pinfall) foi dia 19 de Novembro de 1976 quando perdeu o campeonato dos Estados-Unidos para Thunderbolt Patterson.
Dia 16 de Abril de 1972, empatou mais uma vez com Rocha em 6:10 numa dupla contagem fora do ringue mas a audiencia desceu para 8’500 pessoas. O combate final entre eles foi no dia 30 de Avril num Portuguese Death Match (Last Man Standing Match), um formato de combate que foi apresentado como sendo um que Rocha nunca tinha perdido. Mas o Sheik saiu vencedor em 4:40, numa sala que contava com 11’000 pessoas nas bancadas. Rocha permaneceu no território até Agosto e nunca mais perdeu na cidade naquela altura.
Rocha era um herói cultural. Toronto tinha e ainda tem uma comunidade portuguesa muito grande. O hino nacional português tocava antes de todos os seus combates e os fãs levantavam-no nos seus ombros depois. As suas entrevistas eram sempre feitas em inglês e português.
Por causa do seu sucesso nos dois mercados (Toronto e Montreal), ele era considerado como uma das maiores estrelas no mundo do wrestling, na altura. O território de Montreal raramente era falado nas revistas por causa da barreira da língua (Montreal é uma das cidades francófonas do Canadá). Toronto, por causa do Sheik, dos seus combates cheios de sangue e das salas cheias que esses traziam, era um dos territórios mais falados. Rocha também trabalhou em Detroit, o território onde The Sheik era o promotor e sem ser a estrela principal, sempre foi um dos babyfaces (lutador com o papel de “bom da fita”) com mais sucesso.
Depois desapareceu e regressou à Europa. Sempre foi bastante estranho haver um lutador na faixa dos 40 que era um desconhecido na América do Norte (porque as revistas nunca falavam do circuito europeu e muitos dos fãs nem liam as revistas), aparecer de repente, “explodir” como cabeça de cartaz em dois dos maiores territórios de wrestling e depois, da mesma forma, desaparecer e nunca mais ser falado.
Regressou à América do Norte em 1976, trabalhando como cabeça de cartaz em Vancouver, Toronto e outras partes do Canadá. Terminou a carreira trabalhando em 1976-77 na WWWF (hoje WWE).
Mas o seu trabalho mais notável foi mais uma vez em Toronto contra The Sheik num regresso da rivalidade de há quarto anos atrás.
Regressou e venceu nomes como Ox Baker, Waldo Von Erich, Mighty John Quinn e Chris Colt para se preparar para um combate dia 27 de Setembro de 1976 contra o Sheik.
A dinámica era diferente nesta segunda série. O auge já tinha passado e a afluência nas salas era muito menor. O record de público na cidade neste ano foi 8’000 pessoas com uma media de 6’500. O Sheik já não era invicto mas era o campeão dos EUA. Agora podia perder por desqualificação e manter o título desta forma.
O sentimento geral era que o número de fãs tinha caído por causa dos anos de combates de menos de cinco minutos, então as coisas tiveram de mudar. Rocha venceu Sheik por DQ em 10:44 no primeiro combate pelo título e duas semanas depois ganhou-lhe por contagem for a do ringue em 16:24. Essa foi a derrota mais limpa que o Sheik sofreu desde que começou a sua série de combates invictos.
O Sheik usava a regra que diz que um título não pode mudar de mãos por contagem fora do ringue ou por desqualificação. Esta regra ainda não era aplicada na maior parte dos territórios Americanos na altura. A regra originou na WWWF como forma para o Bruno Sammartino de poder perder combates e voltar com desforras sem perder o Campeonato. Sheik ganhou o terceiro encontro dia 17 de Outubro, ganhando por contagem fora do ringue em 11:00. Rocha só perdeu uma vez por assentamento naquele periodo, dia 5 de Dezembro quando desafiou Terry Funk pelo campeonato mundial da NWA e perdeu em 10:17.
Rocha continuou a aparecer regularmente no Maple Leaf Garden até ao final do ano mas também regressou algumas vezes no verão do ano seguinte enquanto estava a trabalhar full-time na WWWF. Teve o seu ultimo combate com The Sheik foi em junho de 1977.
Trabalhou pela WWWF em 1976 e 1977 e era anunciado como sendo o Campeão português dos pesos pesados. Trabalhava principalmente em combates preliminares. Algumas vezes, em cidades mais pequenas competia no combate principal em lutas de equipa. Praticamente nunca perdia para não arruinar a imagem dele como campeão.Tinha na altura 50 anos e trabalhava a tempo completo. Só quando decidiu se reformar é que perdeu e mesmo assim, foi uma derrota por contagem fora do ringue contra Ken Patera num evento pequeno.
A sua única derrota em combates singulars foi contra o campeão da WWWF Superstar Billy Graham em Providence, RI, em frente a 7’500 fãs. Um grande público para aquela cidade. Nunca perdeu no Madison Square Garden (a sala principal da WWWF na altura) durante a sua carreira e reformou-se no verão de 1977.
submitted by SuperkidNP to lutalivre [link] [comments]


2020.01.11 19:42 ORoxo Como investir Keep it simple, Stupid!

Olá,
Se chegaste até aqui é porque estás preocupado com as tuas finanças, por isso, parabéns!
De facto, é uma preocupação fundamentada, uma vez que, de acordo com Relatório sobre a Sustentabilidade Financeira da Segurança Social publicado em Outubro de 2018 como anexo do Orçamento de Estado de 2019, a Segurança Social como a conhecemos hoje esgotar-se-á no final da segunda metade da década de 2040.
O FEFSS (Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social), a ser utilizado perante saldos negativos do sistema previdencial a partir do final da segunda metade da década de 2020, teria com a atual projeção, um esgotamento no final da segunda metade da década de 2040, representando uma melhoria face à projeção do relatório de sustentabilidade anexo ao Relatório do OE de 2017, em cinco anos.
Assim, se, tal como eu, estás a iniciar a tua vida adulta, provavelmente serás responsável pelo teu próprio sustento durante a idade da reforma. Como tal, temos de arranjar uma forma de garantir que o nosso dinheiro rende, para garantir esse conforto futuro.
A melhor forma que conheço para o fazer é através de investimentos, algo que começa agora a ser falado no nosso país, mas sobre o qual a generalidade das pessoas ainda sabe muito pouco.
Ao contrário de subs de outros países relacionadas com finanças pessoais onde existem vários tópicos Guide, em Portugal, tal não acontece.
Para colmatar essa lacuna, decidi escrever este post que espero ajudar aqueles que buscam conselhos financeiros e que se deparam com esta comunidade pela primeira vez.
Infelizmente (ou felizmente) não venho de famílias abastadas. Como tal, há cerca de 2/3 anos quando comecei a ganhar alguma autonomia financeira coincidente com a minha entrada no mercado de trabalho, comecei a pensar como viria a fazer face às minhas despesas - casa, carro, alimentação, etc.
Desta reflexão resultaram muitas horas de leitura e lições que agora partilho aqui convosco:
Lição 1: ninguém cuidará melhor do vosso dinheiro do que vocês.
Começo por partilhar convosco que uma das coisas que mais me irrita na indústria financeira - e no qual tenho a minha quota-parte de culpa, dado que é a minha área de formação - é da necessidade de complicar. Alguém que esteja de fora, ficará intimidado pela complexidade de palavras que usamos como asset alocation, derivatives, bonds, stocks, optimal portfolio allocation, options, warrants e futuros. Como se isso não bastasse, não educamos os jovens em finanças - em muitos casos temos dificuldade em poupar e noutros tantos em perceber como investir.
Claro que toda esta iliteracia financeira é um paraíso para portfolio managers e outros agentes dispostos a investir o vosso dinheiro por vocês. Porquê, perguntam vocês?
Existem três formas através das quais um porfolio manager consegue fazer dinheiro para a empresa:
  1. Comissões sobre produtos;
  2. Assets Under Management;
  3. Aconselhamento 1-on-1.
Em primeiro lugar, parte do salário de um portfolio manager, é variável. Por outras palavras, está dependente do lucro que trouxer para a empresa. Como tal, não é de admirar que vos sugerirão aqueles produtos que lhes dêem maior retorno, independentemente do retorno que vos trouxerem para vocês. Como tal, aqueles produtos que vos tentarão enfiar pela garganta abaixo são precisamente aqueles que vão de acordo com os objectivos deles (maximizar lucro) e não necessariamente os vossos (maximizar o retorno).
Para além disso, existe também o modelo AUM (Assets Under Management) que na práctica é 1-2% que vos cobrados pelo valor de activos na vossa carteiro. A título de exemplo, suponham que eu tenho 100.000€ investidos na institução A cuja taxa AUM é de 2%. Todos os anos terei de pagar 2.000€ à instituição financeira que faz a gestão dos meus activos, independentemente de ter, ou não lucro. Imaginem que num dado ano tive 6% de retorno, a inflação foi de 3% e a AUM é de 2%. Resta-me 1% de um retorno que deveria ter sido 3%. De repente, um ano que até teria sido bastante positivo transformou-se num mísero 1%. (Parece-vos justo? Nem a mim...)
Por último, alguns advisors estão ainda disponíveis para vos aconselha por uma módica quantia de X, sendo X um valor absolutamente ridículo para o qual não existe qualquer justificação lógica. Como se tal não bastasse, muitas vezes esse aconselhamento não se traduz em qualquer valor acrescentado para nós. Com sorte, vai de encontro ao ponto 1 e comem-nos por parvos duas vezes: no aconselhamento que roçou o medíocre e na venda de um produto com comissões altíssimas e retornos pelas ruas da amargura.
Dito isto, aqui fica a primeira lição: ninguém cuidará melhor do vosso dinheiro do que vocês!
No entanto, identificar um problema sem o tentar resolver soa-me um pouco hipócrita. Por isso, deixem-me introduzir-vos à segunda lição: é mais fácil do que parece.
Dado que, como já partilhei convosco acima, a minha formação base é finanças, comecei a pensar "como é que se investe?". Esta questão levou-me a ler vários livros sobre investimento e apercebi-me que, ao contrário do que todos os profissionais da área faziam parecer crer, investir, era bastante simples.
Tão simples, de facto, que alguém com zero experiência como investidor conseguirá obter um retorno melhor do que 80% dos ditos portfolio managers utilizando apenas as ferramentas que partilharei convosco neste thread.
O quê?! 80%?! Mas investir não é difícil?!
Não.
O quê?! Melhores retornos que portfolio managers que vivem, respiram e comem informação financeira?
Sim.
Afinal eu não preciso de pagar fees ao meu banco para investir por mim?!
Não.
Contudo, antes de partilhar convosco quais são essas ferramentas há três questões que são imperativas que saibam responder:
  1. Em que fase da vossa vida é que estão? Acumulação ou Preservação de riqueza?;
  2. Que níveis de risco é que estão disponíveis a aceitar?;
  3. O vosso horizonte temporal a nível de investimentos é longo ou curto prazo?.
Certamente repararam que as três questões estão intrinsecamente ligadas e que existe um tema comum a todas elas, risco. Pelo que gostava de começar por abordá-lo em primeiro lugar.
Ao contrário do que vos possam dizer ou vocês próprios possam pensar, não existe nenhum investimento 100% seguro.
Experimentem colocar o vosso dinheiro debaixo do colchão durante 20 anos e depois contem-me como os 20k€ que com tanto esforço, suor e lágrimas amealharam valem agora apenas 5k€ em bens e/ou serviços. Ou talvez vocês seja pessoas conservadoras e decidam comprar títulos do tesouro, mas nesse caso apresentar-vos-ei a minha inflação ou então são completamente o oposto e decidem que acções is the way to go, caso em que opto por vos dar a conhecer a minha outra amiga, deflação.
Estes exemplos não servem para vos desincentivar de investir. Queria apenas de uma forma, mais ou menos, lúdica demonstrar-vos que, qualquer que seja a nossa opção, nunca estamos 100% seguros. Consequentemente, a única opção que nos resta é fazer as escolhas que julgamos serem as mais correctas com a informação que temos disponível de momento - e atenção que não fazer escolha é, em si, uma escolha.
Dito isto, existem apenas outras três ferramentas que necessitam para construir o vosso portfolio:
(já repararam que eu gosto de manter as coisas simples?)
  1. Acções
E se invés de apostarmos numa única equipa e rezássemos para que essa equipa vencesse, pudéssemos apostar que uma qualquer equipa entre todas as que estão na competição poderia ganhar? As nossas odds seriam bem melhores, verdade?
É isso que constitui um index fund - um cabaz de acções de várias empresas. Regra geral, cada index fund tem um benchmark que segue o que acaba por definir as ações nas quais esse index fund invest. Tudo o que precisam de saber são três siglas muito simples, IWDA:NA, VUSA e VWRL.
Quais as diferenças?
Dentro dos fundos cotados (aka ETFs), existem duas sub-classes no que toca à distribuição dos dividendos consoante o fundo reeinvista autmaticamente os dividendos ou caso os distribua aos investidores, chamados accumulation ou distribution, respectivamente*.*
Isto é relevante principalmente para efeitos fiscais. No que toca a investimentos desta natureza, existem dois momentos nos quais estás sujeito a imposto.
Na altura de receberes os dividendos e no momento da venda propriamente dito.
Aquando da distribuição dos dividendos, o teu broker transferirá para a conta bancária associada o valor dos dividendos retirados os 28% de imposto. No momento da venda, analisar-se-á qual a mais ou menos valia que há a realizar. Isto é, se vendeste o investimento a um preço superior ao que compraste, o valor de imposto a pagar será de 28% sobre essa diferença. Se o valor de venda for inferior ao valor de compra, não terás qualquer imposto a pagar.
Logo, salvo raras excepções, é aconselhável que se invista num ETF que seja cumulativo (IWDA:NA). Desta forma, tiraremos proveito da capitalização composta dos juros ao mesmo tempo que adiamos o pagamento de impostos desnecessários.
  1. Obrigações
As obrigações proporcionam uma viagem ao longo do percurso de investidor um pouco mais suave. Pessoalmente, dada a minha idade, não creio que tenha muito interesse para mim. No entanto, para investidores mais conservadores, BND e AGGG-fund?switchLocale=y&siteEntryPassthrough=true) são as única sigla que precisam de conhecer neste sub-universo.
  1. Dinheiro
Um fundo de emergência é algo que devemos sempre ter. Ninguém sabe o que acontecerá no dia de amanhã e enquanto investidores de longo-prazo não queremos ter de liquidar os nossos activos devido a uma emergência. Por isso, três a seis meses de despesas fixas é um bom objectivo para se ter em dinheiro numa conta a ordem ou conta poupança que possa ser movimentada sem incorrer em custos.
Lição 2: Todos os portfolio managers acreditam que conseguem bater o mercado. Por sua vez, nós, investidores, acreditamos que conseguimos escolher aqueles que o fazem. Estamos todos enganados.
Imaginem uma sala cheia de crânios financeiros, vestidos nos seus fatos com tecidos italianos. Estes profissionais contam com anos de experiência nos mercados de capitais, para não falar das décadas passadas a estudar em grandes Business Schools.
Para além disso, têm à sua disposição inúmeras ferramentas da Bloomberg, Reuters e outros grandes players que lhes permitem ter acesso a toda a informação, constantemente actualizada, a qualquer instante.
Apesar de trabalharem noite e dia, estes guerreiros também descansam para um ocasional café, cigarro e almoço de negócios. Nesses raros e curtos momentos, encontram-se com outros analistas, experts, insiders das empresas nas quais investem e outra panóplia de gente importante.
Ao conviverem tão próximos com a realidade na qual investem, de certeza que eles sabem o que andam a fazer, certo?
Ahhhhh...think again.
Está comprovado impericamente (clicar irá fazer o download de um pdf) que os vários fundos de investimento não são capazes de dar rendibilidade superior ao seus investidores, quando comparado com o mercado.
Num horizonte temporal de 5 anos, 84,15% dos fundos de investimento tiveram uma performance pior do que o S&P500.
Logo, para terem um retorno superior ao mercado, vocês teriam de escolher o melhor fundo de investimentos possível, de um conjunto de 10! Como se isso não bastasse - e supondo que escolhiam o fundo vencedor -, ser-vos-ia cobra entre 1 a 2% em comissões. Não é muito? Para ilustrar a diferença que isto pode fazer, sigam o meu raciocínio:
Suponham que investiram 10.000€ há 30 anos num dado activo. A rentabilidade média desse mesmo activo foi de 7%, já tida a inflação em conta. Se tivessem investido vocês mesmos esse valor num index fund, teriam aproximadamente 66.000€. Por sua vez, se tivessem escolhido o fundo vencedor teriam apenas 43.000€. Uma diferença de 23.000€ tendo por base apenas 2%. Funny, right?
(aqui estou a supor que o fundo vencedor vos proporcionava apenas a mesma rentabilidade dada pelo mercado, mas dado que assumi, de 10 fundos de investimento, vocês escolhiam o único cuja rentabilidade não era pior que a do mercado, parece-me justo para balançar o cenário)
Este exemplo introduz-nos à próxima lição.
Lição 3: Controlem o que conseguem controlar
Esta conversa é toda muito bonita, mas o que raio é essa coisa da Vanguard e porque é que todos os EFTs que sugeres são geridos por eles? Afinal, também és um vendedor?!
Bom ponto, tens estado atento!
Um mercado de capitais é um sítio feio, se não soubermos gerir as emoções provavelmente perderemos muito dinheiro - mais sobre isto numa edição futura do post. A verdade é que os nossos investimentos irão desvalorizar e valorizar várias vezes ao longo do tempo. Como tal, uns anos serão positivos e outros nem tanto. Isto para dizer algo que ninguém gosta de ouvir: não podemos controlar o retorno que o mercado nos dá. Felizmente, há algo que nos cabe a nós controlar: o custo do nosso investimento.
Uma vez que o lucro do nosso investimento será nada mais do que retorno - custo, minimizando o custo estamos a optimizar esta equação.
É aqui que entra a Vanguard, fundada por um grande senhor, John Bogle, em 1975.
O que a torna tão especial é que, no momento da sua fundação, John Bogle estruturou-a de forma a que fosse customer-owned e cujo objetivo fosse o breakeven (i.e., não é suposto ter lucro, mas sim apenas ser capaz de fazer face às suas despesas).
Para compreenderem a diferença, uma empresa de investimento pode ter duas formas:
  1. É uma empresa privada. Funciona da mesma forma que um negócio familiar e o objectivo é gerar valor para os donos - a Fidelity Investments é um exemplo;
  2. É uma empresa cotada em bolsa, detida por accionistas.
Em qualquer um destes casos, o objectivo da empresa é gerar lucro. Apenas deste modo serão capazes de pagar as suas despesas e remunerar os seus donos, sejam eles privados ou accionistas. Não é difícil perceber que quanto maior for o lucro, maior será a fatia dada a cada um destes agentes. Logo, há todo um incentivo para a maximizar tanto quanto possível. E imaginem de quem virá essa fatia...nós, investidores, claro!
Por outras palavras, quando investimos com uma destas empresas, estamos a pagar pelo investimento financeiro propriamente dito e mais alguns pózinhos para os seus donos/accionistas.
Logo, é claro que há aqui um conflito de interesses - o mesmo se passa com portfolio managers, mas isso fica para uma outra versão do post. O dono de uma empresa de investimento quer que os fees sejam tão altos quanto possível. Eu, enquanto investidor, quero pagar o mínimo.
Ainda que este modelo de negócio seja perfeitamente digno. Nós, investidores, temos uma solução melhor! Acontece que John Bogle quando fundou a Vanguard, fê-lo de modo a que a mesma fosse detida pelos fundos que esta opera. Ora, uma vez que são os investidores que detêm os fundos, na práctica, os investidores detêm a própria Vanguard.
Logo, qualquer lucro que a empresa tivesse entraria directamente para a nossa carteira. No entanto, dado que este circulo Investidor - Vnaguard Mutual Funds - Vanguard - Investidor seria um pouco non-sense, a Vanguard opera no breakeven, cobrando os custos mínimos para garantir a sua operação.
No que é isto se traduz, na práctica? No facto de que o expense ratio (ou seja, a taxa de encargos correntes) média dos fundos da Vanguard seja 0.2% contra 1,20% da indústria. Pode não parecer muito, mas considerando este valor sobre vários anos e sobre um capital considerável, dá uns bons mlhares de euros poupados no final de uma vida de investidor.
Lição 4: Fazer para crer
Dito isto, como é que se compra essas coisas estranhas, ETFs? Para o fazer, precisam de uma correctora ou broker. Cada correctora practica o seu próprio preço. Por isso, é importante compararem-nos antes de abrirem conta numa delas. Deixo-vos aqui e aqui e aqui imagens de tabelas comparativas das várias correctoras a operar em Portugal (obrigado, Bárbara Barroso). Para além dos custos de aquisição de títulos, algumas delas cobram ainda custos de manuntenção e/ou outros.
Muitas destas correctoras permitem criar contas demo. Caso estejam indecisos. criem uma e experimentem a plataforma de negociação.
Feito este passo, é uma questão de acederem à dita plataforma, procurar os títulos indicados acima e adquiri-los.
Frequently Asked Questions
Os mercados estão em máximos históricos. Por isso, uma recessão está para breve. Será que devo esperar que a dita recessão chegue e que os mercados acalmem?
Ninguém sabe ao certo quando - e sequer se - estaremos perante uma recessão. A pesquisa feita em torno dos retornos históricos demonstra que se tiveres X€ para investir, a melhor solução é colocá-los de uma só vez no mercado.
Mas ainda ontem ouvi o Miguel Sousa Tavares a dizer que estaria para breve!
Não.
Ah, mas a minha tia, que é economista, disse no jantar de Natal que a guerra comercial da China e dos EUA...
Não.
Ah, mas o meu piriquito...
Não.
Ninguém consegue fazer timing ao mercado e quem vos disser o contrário está a tentar enganar-vos. No caso de serem vocês próprios, sentem-se à espera que a vontade passe, 99.9% das vezes estarão enganados.
Devo investir com a Degiro?
Antes de usarem a DeGiro como vossa correctora leiam este thread e pesquisem Amsterdamtrader Degiro no Google.
Com este tópico pretendo apenas informar-vos. Como tal, ainda que vos possa partilhar convosco como giro os meus investimentos, tento ser o mais imparcial possível. No entanto, sou defensor que devemos fazer escolhas conscientes. Não digo que não seja uma boa opção, estejam apenas consciente do que se passa no background.
Qual é a correctora que usas, u/ORoxo**?**
Comecei por usar o Banco Invest porque me dava uma segurança adicional fazê-lo através de um banco no qual confio. No entanto, os custos eram demasiado elevados e agora faço-o pela DeGiro, apesar do indiquei no ponto imediatamente acima. O importante é termos consciência dos riscos, lembrem-se.
O que acontece se a correctora que uso for à falência?
Regra geral, as correctoras mantêm os nossos activos numa entidade legal separada. Na práctica, isto significa que a correctora teria uma entidades para o negócio de corretagem propriamente dito através da qual realiza todas as actividades inerentes à operação (i.e., pagar os salários dos empregados, receber os fees dos clientes, etc, etc) e outra entidade à qual os nossos activos estariam alocados (dinheiro que temos em conta e os nossos produtos financeiros). A vantagem deste tipo de estrutura é que, em caso de falência do negócio, os ativos dos investidores não poderiam ser usados para pagar aos credores da correctora.
Não vos posso dizer se na práctica é 100% assim mas, pelo menos em teoria, isto acontece (ver e ver). Usando a DeGiro como exemplo:
DEGIRO holds Financial Instruments for you in such a way that they cannot be accessed by creditors of DEGIRO, even if DEGIRO would be bankrupt.
Ainda assim, supondo que a DeGiro ia à falência, dado que está sediada na Holanda, estaria ao abrigo do Investor Compensation Scheme que fará face às obrigações da correctora até um limite de 20k€ por investidor.
Para vos dar outro exemplo, caso investissem através da Interactive Brokers, o limite seria 500k€, uma vez que estariamos ao abrigo da SIPC (Securities Investor Protection Corporation).
Estes valores/regras dependerão do país no qual a correctora está sediada. Caso queiram optar por outra, as preocupações deverão rondar as seguintes questões:
Qual é a rentabilidade anual que posso esperar do meu portfólio, se seguir as estratégias deste post?
Tendo em consideração os dados do último século, o retorno médio anual do mercado de capitais foi de 10%. Na práctica, isto quer dizer que se adquirires um ETF cujo benchmark seja o S&P500 ou um índice global (muitas vezes os ETF deste tipo têm WLR ou World no nome), no longo prazo (20+ anos), podes esperar um retorno anual de 10% nos teus investimentos. Atenta, por favor, que isto não quer dizer que terás todos os anos 10% - poderão haver anos que ganhas 30% e noutros perdes 15%, por exemplo. Ainda assim, no longo-prazo, em média, poderás esperar um retorno de 10%/ano.
O importante é que não faças o que a maior parte das pessoas faz: vender quando o mercado está a cair e comprar quanto o mercado está em alta. O nosso objectivo enquanto investidores de longo prazo deve ser comprar sempre o mesmo em valor absoluto (supõe que defines como objetivo uma taxa de poupança de 30%/mês; deverás investir sempre esses 30% quer o ETF custe 10€ ou 80€). Uns anos essa poupança de 30% comprará mais unidades do dito ETF, outras menos. Ainda assim, no final da nossa vida de investidor, poderemos esperar um retorno de 10%/ano, em média.
Para aqueles que são conservadores, usem 6% como referência.
O ETF xpto é uma boa alternativa aos que mencionas no teu post?
Quando consideramos investir num ETF há algumas questões que devemos colocar:
  1. Qual é o activo subjacente ao ETF?
  2. Qual o custo de gestão do ETF?
  3. O ETF é cumulativo ou distribuí dividendos?
  4. Em que praça é cotado?
  5. Em que moeda está denominado o ETF?
Em primeiro lugar, importa perceber qual é o activo que está subjacente ao ETF.
Em segundo lugar, importa analisar os custos.
Eu posso pensar "epah estar exposto ao mundo todo é melhor do que estar apenas exposto ao mercado dos EUA." Certíssimo. No entanto, o retorno que irei ter ao estar exposto a empresas de diferentes geografias vai compensar a diferença de custos de gestão anuais que terei de pagar? Para além disso, supondo que estou a investir em empresas do S&P500, a maior parte delas operam em vários mercados. Será que faz sentido optar por um ETF que diversifica ainda mais, incorrendo em custos superiores, quando as grandes empresas são, hoje em dia, na sua grande maioria, globais?".
O ponto 3, ainda para mais em Portugal, é fulcral. Cada vez que te forem pagos dividendos, pagarás 28% de imposto. Logo, supondo que recebes 1.000€ de dividendos, só receberás à cabeça 720€. Num ano, pode não parecer muito, capitaliza isto pela tua vida de investidor, no meu caso 50 ou 60€ e tens uma valente fortuna paga ao Estado, sem motivo para isso.
Qual é então a solução? Fácil! Investir num ETF que invés de te dar os 1.000€ todos os anos, os investe automaticamente no ETF. Não só poupaste 28% em imposto como o poder do juro composto vai multiplicar este valor inúmeras vezes. Lembra-te, sempre que possível, accumulating.
O próximo ponto também é essencial uma vez que se o EFT for cotado nos EUA não está sequer acessível para nós. Infelizmente, as normas europeias exigem que os issuers forneçam uma série de informação, sem a qual os ETF não poderão ser transacionados em bolsa Europeias. Consequentemente, não são sequer solução para nós porque simplesmente não estão disponíveis.
Por último, há pessoas que consideram que seja bastante importante a moeda na qual o ETF está cotado devido ao currency risk (i.e., supõe que tens um activo em USD e gastas o teu dinheiro em EUR. O risco é que o USD desvalorize face ao EUR e que, consequentemente, percas poder de compra).
Pessoalmente, não é algo que me faça perder o sono, mas é uma questão a considerar.
O que acontecerá às minhas poupanças daqui a 20 anos se conseguir investir mais 50€/mês?
De acordo com esta calculadora, daqui a 20 anos terás mais 36.199,34€ ou 22.782,29€, consoante a tua perspectiva face à taxa de juro seja optimista ou pessimista, respectivamente.
Quero aprender mais sobre o tópico. O que me aconselhas?
Infelizmente, muito do conteúdo que existe está extremamente vocacionado para o mercado Norte-americano, em particular os EUA - surprise, surprise, han?
De qualquer modo, existem muitas (e boas!) lições que podemos adaptar à nossa realidade. Por isso, caso se sintam à vontade a ler inglês aconselho os seguintes livros:
Creio que para a maior parte deles poderão encontrar a versão em PT. No entanto, caso considerem que há interesse posso fazer um breve resumo de cada um deles e incluí-lo no âmbito do thread.
Para aqueles cujas versões de inglês forem suficientes, mas cujo valor dos livros faça diferença no orçamento familiar, mandem-me dm.
Tenho mais de 100.000€ disponível para investir, devo seguir o mesmo processo?
Não.
Nesse caso, por favor, abre uma garrafa de champanhe. Para além de estares entre os 20% mais ricos de Portugal e dinheiro não ser uma preocupação para ti, podes investir directamente com a Vanguard.
Para o fazeres, envia um e-mail para [email protected] com a indicação de que pretendes investir no index fund cujo ISIN é IE0002639668. Infelizmente, a partir daqui não te consigo ajudar mais, uma vez que ainda não estou neste patamar. Contudo, para questões particulares, estou sempre disponível por dm, se necessitares.
Caso pretendas consultar os restantes fundos disponíveis para investidores portugueses podes fazê-lo aqui.
Creio que já deu para entender que adoro este temas. Por isso, caso tenham alguma questão, estejam completamente à vontade para a colocar nos comentários ou enviar-me dm. Terei todo o gosto em ajudar cada um de vocês em tudo o que me for possível.
Como qualquer pessoa, sou humano e, como tal, não sei tudo. Ainda assim, se for esse o caso, estou disponível para ir aprender de modo a ser capaz de vos explicar e partilhar convosco.
Provavelmente editarei este tópico várias vezes à medida que me for lembrando de mais informação. Até lá, espero que vos seja útil!
submitted by ORoxo to literaciafinanceira [link] [comments]


2019.12.28 13:24 ORoxo Como investir Keep it simple, Stupid!

Olá,
Se chegaste até aqui é porque estás preocupado com as tuas finanças, por isso, parabéns!
De facto, é uma preocupação fundamentada, uma vez que, de acordo com Relatório sobre a Sustentabilidade Financeira da Segurança Social publicado em Outubro de 2018 como anexo do Orçamento de Estado de 2019, a Segurança Social como a conhecemos hoje esgotar-se-á no final da segunda metade da década de 2040.

O FEFSS (Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social), a ser utilizado perante saldos negativos do sistema previdencial a partir do final da segunda metade da década de 2020, teria com a atual projeção, um esgotamento no final da segunda metade da década de 2040, representando uma melhoria face à projeção do relatório de sustentabilidade anexo ao Relatório do OE de 2017, em cinco anos.

Assim, se, tal como eu, estás a iniciar a tua vida adulta, provavelmente será responsável pelo teu próprio sustento durante a idade da reforma. Como tal, temos de arranjar uma forma de garantir que o nosso dinheiro rende, para garantir esse conforto futuro.
A melhor forma que conheço para o fazer é através de investimentos, algo que começa agora a ser falado no nosso país, mas sobre o qual a generalidade das pessoas ainda sabe muito pouco.

Ao contrário de subs de outros países relacionadas com finanças pessoais onde existem vários tópicos Guide, em Portugal, tal não acontece.
Para colmatar essa lacuna, decidi escrever este post que espero ajudar aqueles que buscam conselhos financeiros e que se deparam com esta comunidade pela primeira vez.
Infelizmente (ou felizmente) não venho de famílias abastadas. Como tal, há cerca de 2/3 anos quando comecei a ganhar alguma autonomia financeira coincidente com a minha entrada no mercado de trabalho, comecei a pensar como é viria a fazer face às minhas despesas - casa, carro, alimentação, etc.
Desta reflexão resultaram muitas horas de leitura e lições que agora partilho aqui convosco:

Lição 1: ninguém cuidará melhor do vosso dinheiro do que vocês.
Começo por partilhar convosco que uma das coisas que mais me irrita na indústria financeira - e no qual tenho a minha quota-parte de culpa, dado que é a minha área de formação - é da necessidade de complicar. Alguém que esteja de fora, ficará intimidado pela complexidade de palavras que usamos como asset alocation, derivatives, bonds, stocks, optimal portfolio allocation, options, warrants e futuros. Como se isso não bastasse, não educamos os jovens em finanças - em muitos casos temos dificuldade em poupar e noutros tantos em perceber como investir.
Claro que toda esta iliteracia financeira é um paraíso para portfolio managers e outros agentes dispostos a investir o vosso dinheiro por vocês. Porquê, perguntam vocês?
Existem três formas através das quais um porfolio manager consegue fazer dinheiro para a empresa:
  1. Comissões sobre produtos;
  2. Assets Under Management;
  3. Aconselhamento 1-on-1.

Em primeiro lugar, parte do salário de um portfolio manager, é variável. Por outras palavras, está dependente do lucro que trouxer para a empresa. Como tal, não é de admirar que vos sugerirão aqueles produtos que lhes dêem maior retorno, independentemente do retorno que vos trouxerem para vocês. Como tal, aqueles produtos que vos tentarão enfiar pela garganta abaixo são precisamente aqueles que vão de acordo com os objectivos deles (maximizar lucro) e não necessariamente os vossos (maximizar o retorno).
Para além disso, existe também o modelo AUM (Assets Under Management) que na práctica é 1-2% que vos cobrados pelo valor de activos na vossa carteiro. A título de exemplo, suponham que eu tenho 100.000€ investidos na institução A cuja taxa AUM é de 2%. Todos os anos terei de pagar 2.000€ à instituição financeira que faz a gestão dos meus activos, independentemente de ter, ou não lucro. Imaginem que num dado ano tive 6% de retorno, a inflação foi de 3% e a AUM é de 2%. Resta-me 1% de um retorno que deveria ter sido 3%. De repente, um ano que até teria sido bastante positivo transformou-se num mísero 1%. (Parece-vos justo? Nem a mim...)
Por último, alguns advisors estão ainda disponíveis para vos aconselha por uma módica quantia de X, sendo X um valor absolutamente ridículo para o qual não existe qualquer justificação lógica. Como se tal não bastasse, muitas vezes esse aconselhamento não se traduz em qualquer valor acrescentado para nós. Com sorte, vai de encontro ao ponto 1 e comem-nos por parvos duas vezes: no aconselhamento que roçou o medíocre e na venda de um produto com comissões altíssimas e retornos pelas ruas da amargura.

Dito isto, aqui fica a primeira lição: ninguém cuidará melhor do vosso dinheiro do que vocês!

No entanto, identificar um problema sem o tentar resolver soa-me um pouco hipócrita. Por isso, deixem-me introduzir-vos à segunda lição: é mais fácil do que parece.

Dado que, como já partilhei convosco acima, a minha formação base é finanças, comecei a pensar "como é que se investe?". Esta questão levou-me a ler vários livros sobre investimento e apercebi-me que, ao contrário do que todos os profissionais da área faziam parecer crer, investir, era bastante simples.
Tão simples, de facto, que alguém com zero experiência como investidor conseguirá obter um retorno melhor do que 80% dos ditos portfolio managers utilizando apenas as ferramentas que partilharei convosco neste thread.

O quê?! 80%?! Mas investir não é difícil?!
Não.

O quê?! Melhores retornos que portfolio managers que vivem, respiram e comem informação financeira?
Sim.

Afinal eu não preciso de pagar fees ao meu banco para investir por mim?!
Não.

Contudo, antes de partilhar convosco quais são essas ferramentas há três questões que são imperativas que saibam responder:

  1. Em que fase da vossa vida é que estão? Acumulação ou Preservação de riqueza?;
  2. Que níveis de risco é que estão disponíveis a aceitar?;
  3. O vosso horizonte temporal a nível de investimentos é longo ou curto prazo?.

Certamente repararam que as três questões estão intrinsecamente ligadas e que existe um tema comum a todas elas, risco. Pelo que gostava de começar por abordá-lo em primeiro lugar.
Ao contrário do que vos possam dizer ou vocês próprios possam pensar, não existe nenhum investimento 100% seguro.
Experimentem colocar o vosso dinheiro debaixo do colchão durante 20 anos e depois contem-me como os 20k€ que com tanto esforço, suor e lágrimas amealharam valem agora apenas 5k€ em bens e/ou serviços. Ou talvez vocês seja pessoas conservadoras e decidam comprar títulos do tesouro, mas nesse caso apresentar-vos-ei a minha inflação ou então são completamente o oposto e decidem que acções is the way to go, caso em que opto por vos dar a conhecer a minha outra amiga, deflação.
Estes exemplos não servem para vos desincentivar de investir. Queria apenas de uma forma, mais ou menos, lúdica demonstrar-vos que, qualquer que seja a nossa opção, nunca estamos 100% seguros. Consequentemente, a única opção que nos resta é fazer as escolhas que julgamos serem as mais correctas com a informação que temos disponível de momento - e atenção que não fazer escolha é, em si, uma escolha.
Dito isto, existem apenas outras três ferramentas que necessitam para construir o vosso portfolio:
(já repararam que eu gosto de manter as coisas simples?)

  1. Acções
E se invés de apostarmos numa única equipa e rezássemos para que essa equipa vencesse, pudéssemos apostar que uma qualquer equipa entre todas as que estão na competição poderia ganhar? As nossas odds seriam bem melhores, verdade?
É isso que constitui um index fund - um cabaz de acções de várias empresas. Regra geral, cada index fund tem um benchmark que segue o que acaba por definir as ações nas quais esse index fund invest. Tudo o que precisam de saber são três siglas muito simples, IWDA:NA, VUSA e VWRL.

Quais as diferenças?
Dentro dos fundos cotados (aka ETFs), existem duas sub-classes no que toca à distribuição dos dividendos consoante o fundo reeinvista autmaticamente os dividendos ou caso os distribua aos investidores, chamados accumulation ou distribution, respectivamente*.*
Isto é relevante principalmente para efeitos fiscais. No que toca a investimentos desta natureza, existem dois momentos nos quais estás sujeito a imposto.
Na altura de receberes os dividendos e no momento da venda propriamente dito.
Aquando da distribuição dos dividendos, o teu broker transferirá para a conta bancária associada o valor dos dividendos retirados os 28% de imposto. No momento da venda, analisar-se-á qual a mais ou menos valia que há a realizar. Isto é, se vendeste o investimento a um preço superior ao que compraste, o valor de imposto a pagar será de 28% sobre essa diferença. Se o valor de venda for inferior ao valor de compra, não terás qualquer imposto a pagar.
Logo, salvo raras excepções, é aconselhável que se invista num ETF que seja cumulativo (IWDA:NA). Desta forma, tiraremos proveito da capitalização composta dos juros ao mesmo tempo que adiamos o pagamento de impostos desnecessários.

  1. Obrigações
As obrigações proporcionam uma viagem ao longo do percurso de investidor um pouco mais suave. Pessoalmente, dada a minha idade, não creio que tenha muito interesse para mim. No entanto, para investidores mais conservadores, BND e AGGG-fund?switchLocale=y&siteEntryPassthrough=true) são as única sigla que precisam de conhecer neste sub-universo.

  1. Dinheiro
Um fundo de emergência é algo que devemos sempre ter. Ninguém sabe o que acontecerá no dia de amanhã e enquanto investidores de longo-prazo não queremos ter de liquidar os nossos activos devido a uma emergência. Por isso, três a seis meses de despesas fixas é um bom objectivo para se ter em dinheiro numa conta a ordem ou conta poupança que possa ser movimentada sem incorrer em custos.

Lição 2: Todos os portfolio managers acreditam que conseguem bater o mercado. Por sua vez, nós, investidores, acreditamos que conseguimos escolher aqueles que o fazem. Estamos todos enganados.

Imaginem uma sala cheia de crânios financeiros, vestidos nos seus fatos com tecidos italianos. Estes profissionais contam com anos de experiência nos mercados de capitais, para não falar das décadas passadas a estudar em grandes Business Schools.
Para além disso, têm à sua disposição inúmeras ferramentas da Bloomberg, Reuters e outros grandes players que lhes permitem ter acesso a toda a informação, constantemente actualizada, a qualquer instante.
Apesar de trabalharem noite e dia, estes guerreiros também descansam para um ocasional café, cigarro e almoço de negócios. Nesses raros e curtos momentos, encontram-se com outros analistas, experts, insiders das empresas nas quais investem e outra panóplia de gente importante.
Ao conviverem tão próximos com a realidade na qual investem, de certeza que eles sabem o que andam a fazer, certo?
Ahhhhh...think again.
Está comprovado impericamente (clicar irá fazer o download de um pdf) que os vários fundos de investimento não são capazes de dar rendibilidade superior ao seus investidores, quando comparado com o mercado.
Num horizonte temporal de 5 anos, 84,15% dos fundos de investimento tiveram uma performance pior do que o S&P500.
Logo, para terem um retorno superior ao mercado, vocês teriam de escolher o melhor fundo de investimentos possível, de um conjunto de 10! Como se isso não bastasse - e supondo que escolhiam o fundo vencedor -, ser-vos-ia cobra entre 1 a 2% em comissões. Não é muito? Para ilustrar a diferença que isto pode fazer, sigam o meu raciocínio:

Suponham que investiram 10.000€ há 30 anos num dado activo. A rentabilidade média desse mesmo activo foi de 7%, já tida a inflação em conta. Se tivessem investido vocês mesmos esse valor num index fund, teriam aproximadamente 66.000€. Por sua vez, se tivessem escolhido o fundo vencedor teriam apenas 43.000€. Uma diferença de 23.000€ tendo por base apenas 2%. Funny, right?

(aqui estou a supor que o fundo vencedor vos proporcionava apenas a mesma rentabilidade dada pelo mercado, mas dado que assumi, de 10 fundos de investimento, vocês escolhiam o único cuja rentabilidade não era pior que a do mercado, parece-me justo para balançar o cenário)

Este exemplo introduz-nos à próxima lição.

Lição 3: Controlem o que conseguem controlar

Esta conversa é toda muito bonita, mas o que raio é essa coisa da Vanguard e porque é que todos os EFTs que sugeres são geridos por eles? Afinal, também és um vendedor?!

Bom ponto, tens estado atento!
Um mercado de capitais é um sítio feio, se não soubermos gerir as emoções provavelmente perderemos muito dinheiro - mais sobre isto numa edição futura do post. A verdade é que os nossos investimentos irão desvalorizar e valorizar várias vezes ao longo do tempo. Como tal, uns anos serão positivos e outros nem tanto. Isto para dizer algo que ninguém gosta de ouvir: não podemos controlar o retorno que o mercado nos dá. Felizmente, há algo que nos cabe a nós controlar: o custo do nosso investimento.
Uma vez que o lucro do nosso investimento será nada mais do que retorno - custo, minimizando o custo estamos a optimizar esta equação.
É aqui que entra a Vanguard, fundada por um grande senhor, John Bogle, em 1975.
O que a torna tão especial é que, no momento da sua fundação, John Bogle estruturou-a de forma a que fosse customer-owned e cujo objetivo fosse o breakeven (i.e., não é suposto ter lucro, mas sim apenas ser capaz de fazer face às suas despesas).
Para compreenderem a diferença, uma empresa de investimento pode ter duas formas:

  1. É uma empresa privada. Funciona da mesma forma que um negócio familiar e o objectivo é gerar valor para os donos - a Fidelity Investments é um exemplo;
  2. É uma empresa cotada em bolsa, detida por accionistas.

Em qualquer um destes casos, o objectivo da empresa é gerar lucro. Apenas deste modo serão capazes de pagar as suas despesas e remunerar os seus donos, sejam eles privados ou accionistas. Não é difícil perceber que quanto maior for o lucro, maior será a fatia dada a cada um destes agentes. Logo, há todo um incentivo para a maximizar tanto quanto possível. E imaginem de quem virá essa fatia...nós, investidores, claro!
Por outras palavras, quando investimos com uma destas empresas, estamos a pagar pelo investimento financeiro propriamente dito e mais alguns pózinhos para os seus donos/accionistas.
Logo, é claro que há aqui um conflito de interesses - o mesmo se passa com portfolio managers, mas isso fica para uma outra versão do post. O dono de uma empresa de investimento quer que os fees sejam tão altos quanto possível. Eu, enquanto investidor, quero pagar o mínimo.
Ainda que este modelo de negócio seja perfeitamente digno. Nós, investidores, temos uma solução melhor! Acontece que John Bogle quando fundou a Vanguard, fê-lo de modo a que a mesma fosse detida pelos fundos que esta opera. Ora, uma vez que são os investidores que detêm os fundos, na práctica, os investidores detêm a própria Vanguard.
Logo, qualquer lucro que a empresa tivesse entraria directamente para a nossa carteira. No entanto, dado que este circulo Investidor - Vnaguard Mutual Funds - Vanguard - Investidor seria um pouco non-sense, a Vanguard opera no breakeven, cobrando os custos mínimos para garantir a sua operação.

No que é isto se traduz, na práctica? No facto de que o expense ratio (ou seja, a taxa de encargos correntes) média dos fundos da Vanguard seja 0.2% contra 1,20% da indústria. Pode não parecer muito, mas considerando este valor sobre vários anos e sobre um capital considerável, dá uns bons mlhares de euros poupados no final de uma vida de investidor.

Lição 4: Fazer para crer
Dito isto, como é que se compra essas coisas estranhas, ETFs? Para o fazer, precisam de uma correctora ou broker. Cada correctora practica o seu próprio preço. Por isso, é importante compararem-nos antes de abrirem conta numa delas. Deixo-vos aqui e aqui e aqui imagens de tabelas comparativas das várias correctoras a operar em Portugal (obrigado, Bárbara Barroso). Para além dos custos de aquisição de títulos, algumas delas cobram ainda custos de manuntenção e/ou outros.
Muitas destas correctoras permitem criar contas demo. Caso estejam indecisos. criem uma e experimentem a plataforma de negociação.
Feito este passo, é uma questão de acederem à dita plataforma, procurar os títulos indicados acima e adquiri-los.


Frequently Asked Questions

Os mercados estão em máximos históricos. Por isso, uma recessão está para breve. Será que devo esperar que a dita recessão chegue e que os mercados acalmem?
Ninguém sabe ao certo quando - e sequer se - estaremos perante uma recessão. A pesquisa feita em torno dos retornos históricos demonstra que se tiveres X€ para investir, a melhor solução é colocá-los de uma só vez no mercado.

Mas ainda ontem ouvi o Miguel Sousa Tavares a dizer que estaria para breve!
Não.
Ah, mas a minha tia, que é economista, disse no jantar de Natal que a guerra comercial da China e dos EUA...
Não.
Ah, mas o meu piriquito...
Não.

Ninguém consegue fazer timing ao mercado e quem vos disser o contrário está a tentar enganar-vos. No caso de serem vocês próprios, sentem-se à espera que a vontade passe, 99.9% das vezes estarão enganados.

Devo investir com a Degiro?
Antes de usarem a DeGiro como vossa correctora leiam este thread e pesquisem Amsterdamtrader Degiro no Google.
Com este tópico pretendo apenas informar-vos. Como tal, ainda que vos possa partilhar convosco como giro os meus investimentos, tento ser o mais imparcial possível. No entanto, sou defensor que devemos fazer escolhas conscientes. Não digo que não seja uma boa opção, estejam apenas consciente do que se passa no background.

Qual é a correctora que usas, u/ORoxo**?**
Comecei por usar o Banco Invest porque me dava uma segurança adicional fazê-lo através de um banco no qual confio. No entanto, os custos eram demasiado elevados e agora faço-o pela DeGiro, apesar do indiquei no ponto imediatamente acima. O importante é termos consciência dos riscos, lembrem-se.

O que acontece se a correctora que uso for à falência?
Regra geral, as correctoras mantêm os nossos activos numa entidade legal separada. Na práctica, isto significa que a correctora teria uma entidades para o negócio de corretagem propriamente dito através da qual realiza todas as actividades inerentes à operação (i.e., pagar os salários dos empregados, receber os fees dos clientes, etc, etc) e outra entidade à qual os nossos activos estariam alocados (dinheiro que temos em conta e os nossos produtos financeiros). A vantagem deste tipo de estrutura é que, em caso de falência do negócio, os ativos dos investidores não poderiam ser usados para pagar aos credores da correctora.
Não vos posso dizer se na práctica é 100% assim mas, pelo menos em teoria, isto acontece (ver e ver). Usando a DeGiro como exemplo:

DEGIRO holds Financial Instruments for you in such a way that they cannot be accessed by creditors of DEGIRO, even if DEGIRO would be bankrupt.

Ainda assim, supondo que a DeGiro ia à falência, dado que está sediada na Holanda, estaria ao abrigo do Investor Compensation Scheme que fará face às obrigações da correctora até um limite de 20k€ por investidor.
Para vos dar outro exemplo, caso investissem através da Interactive Brokers, o limite seria 500k€, uma vez que estariamos ao abrigo da SIPC (Securities Investor Protection Corporation).
Estes valores/regras dependerão do país no qual a correctora está sediada. Caso queiram optar por outra, as preocupações deverão rondar as seguintes questões:


Qual é a rentabilidade anual que posso esperar do meu portfólio, se seguir as estratégias deste post?
Tendo em consideração os dados do último século, o retorno médio anual do mercado de capitais foi de 10%. Na práctica, isto quer dizer que se adquirires um ETF cujo benchmark seja o S&P500 ou um índice global (muitas vezes os ETF deste tipo têm WLR ou World no nome), no longo prazo (20+ anos), podes esperar um retorno anual de 10% nos teus investimentos. Atenta, por favor, que isto não quer dizer que terás todos os anos 10% - poderão haver anos que ganhas 30% e noutros perdes 15%, por exemplo. Ainda assim, no longo-prazo, em média, poderás esperar um retorno de 10%/ano.
O importante é que não faças o que a maior parte das pessoas faz: vender quando o mercado está a cair e comprar quanto o mercado está em alta. O nosso objectivo enquanto investidores de longo prazo deve ser comprar sempre o mesmo em valor absoluto (supõe que defines como objetivo uma taxa de poupança de 30%/mês; deverás investir sempre esses 30% quer o ETF custe 10€ ou 80€). Uns anos essa poupança de 30% comprará mais unidades do dito ETF, outras menos. Ainda assim, no final da nossa vida de investidor, poderemos esperar um retorno de 10%/ano, em média.

Para aqueles que são conservadores, usem 6% como referência.

O ETF xpto é uma boa alternativa aos que mencionas no teu post?
Quando consideramos investir num ETF há algumas questões que devemos colocar:
  1. Qual é o activo subjacente ao ETF?
  2. Qual o custo de gestão do ETF?
  3. O ETF é cumulativo ou distribuí dividendos?
  4. Em que praça é cotado?
  5. Em que moeda está denominado o ETF?
Em primeiro lugar, importa perceber qual é o activo que está subjacente ao ETF.
Em segundo lugar, importa analisar os custos.
Eu posso pensar "epah estar exposto ao mundo todo é melhor do que estar apenas exposto ao mercado dos EUA." Certíssimo. No entanto, o retorno que irei ter ao estar exposto a empresas de diferentes geografias vai compensar a diferença de custos de gestão anuais que terei de pagar? Para além disso, supondo que estou a investir em empresas do S&P500, a maior parte delas operam em vários mercados. Será que faz sentido optar por um ETF que diversifica ainda mais, incorrendo em custos superiores, quando as grandes empresas são, hoje em dia, na sua grande maioria, globais?".
O ponto 3, ainda para mais em Portugal, é fulcral. Cada vez que te forem pagos dividendos, pagarás 28% de imposto. Logo, supondo que recebes 1.000€ de dividendos, só receberás à cabeça 720€. Num ano, pode não parecer muito, capitaliza isto pela tua vida de investidor, no meu caso 50 ou 60€ e tens uma valente fortuna paga ao Estado, sem motivo para isso.
Qual é então a solução? Fácil! Investir num ETF que invés de te dar os 1.000€ todos os anos, os investe automaticamente no ETF. Não só poupaste 28% em imposto como o poder do juro composto vai multiplicar este valor inúmeras vezes. Lembra-te, sempre que possível, accumulating.
O próximo ponto também é essencial uma vez que se o EFT for cotado nos EUA não está sequer acessível para nós. Infelizmente, as normas europeias exigem que os issuers forneçam uma série de informação, sem a qual os ETF não poderão ser transacionados em bolsa Europeias. Consequentemente, não são sequer solução para nós porque simplesmente não estão disponíveis.
Por último, há pessoas que consideram que seja bastante importante a moeda na qual o ETF está cotado devido ao currency risk (i.e., supõe que tens um activo em USD e gastas o teu dinheiro em EUR. O risco é que o USD desvalorize face ao EUR e que, consequentemente, percas poder de compra).
Pessoalmente, não é algo que me faça perder o sono, mas é uma questão a considerar.

O que acontecerá às minhas poupanças daqui a 20 anos se conseguir investir mais 50€/mês?
De acordo com esta calculadora, daqui a 20 anos terás mais 36.199,34€ ou 22.782,29€, consoante a tua perspectiva face à taxa de juro seja optimista ou pessimista, respectivamente.

Terás tido um proveito líquido de 19% com esta simples operação, excluído eventuais comissões de resgate e subscrição. Daí que o passo 1 seja importante.
De nada :)

Quero aprender mais sobre o tópico. O que me aconselhas?
Infelizmente, muito do conteúdo que existe está extremamente vocacionado para o mercado Norte-americano, em particular os EUA - surprise, surprise, han?
De qualquer modo, existem muitas (e boas!) lições que podemos adaptar à nossa realidade. Por isso, caso se sintam à vontade a ler inglês aconselho os seguintes livros:


Creio que para a maior parte deles poderão encontrar a versão em PT. No entanto, caso considerem que há interesse posso fazer um breve resumo de cada um deles e incluí-lo no âmbito do thread.
Para aqueles cujas versões de inglês forem suficientes, mas cujo valor dos livros faça diferença no orçamento familiar, mandem-me dm.

Tenho mais de 100.000€ disponível para investir, devo seguir o mesmo processo?
Não.
Nesse caso, por favor, abre uma garrafa de champanhe. Para além de estares entre os 20% mais ricos de Portugal e dinheiro não ser uma preocupação para ti, podes investir directamente com a Vanguard.
Para o fazeres, envia um e-mail para [[email protected]](mailto:[email protected]) com a indicação de que pretendes investir no index fund cujo ISIN é IE0002639668. Infelizmente, a partir daqui não te consigo ajudar mais, uma vez que ainda não estou neste patamar. Contudo, para questões particulares, estou sempre disponível por dm, se necessitares.
Caso pretendas consultar os restantes fundos disponíveis para investidores portugueses podes fazê-lo aqui.


Creio que já deu para entender que adoro este temas. Por isso, caso tenham alguma questão, estejam completamente à vontade para a colocar nos comentários ou enviar-me dm. Terei todo o gosto em ajudar cada um de vocês em tudo o que me for possível.
Como qualquer pessoa, sou humano e, como tal, não sei tudo. Ainda assim, se for esse o caso, estou disponível para ir aprender de modo a ser capaz de vos explicar e partilhar convosco.

Provavelmente editarei este tópico várias vezes à medida que me for lembrando de mais informação. Até lá, espero que vos seja útil!
submitted by ORoxo to financaspessoaispt [link] [comments]


2019.12.19 03:33 Sarieru2812 Sobre o Governo de Dom Pedro II

Encontrei este texto na aba comentarios de um video sobre a Monarquia, resolvi compartilhar...
Sou novo nesta Comunidade, será um prazer compartilhar conhecimento aqui com vcs...
Hino Nacional (VERDADEIRO): https://youtu.be/cELgENW81v4
Texto: (ESPERO QUE GOSTEM)

(1880) O Brasil teve a 4°Economia do mundo e o 9° maior imperio do mundo (1860-1889) a média do Crescimento Econômico foi de 8,81% ao ano (1880) Eram 14 impostos, atualmente são 92 impostos (1850-1889) a média da Inflação era de 1,08% ao ano (1880) O Brasil tinha a Segunda Maior e Melhor Marinha do mundo, superado apenas pela Inglaterra (1880) A Moeda Brasileira tinha o Mesmo Valor que o Dolar e a Libra Esterlina (1880) O Brasil foi o 1° da America Latina e o 2° do mundo a ter ensino Especial para Deficientes Auditivos e Visuais (1880) O Brasil foi o maior Construtor de Estradas de Ferro do mundo, com mais de 26 mil KM A Imprensa era Livre tanto para Pregar o ideal republicano quanto para mal do nosso Imperador. "Diplomatas europeus e outros Conservadores estranhavam a liberdade dos jornais Brasileiros" conta o Historiador José Murilo de Carvalho. "Schreiner, ministro da Áustria, afirmou que o Imperador era atacado pessoalmente na imprensa de modo 'causaria ao autor de tais artigos, em toda a Europa, até mesmo a Inglaterra, onde se tolera uma dose bastente forte de liberdade, um processo de Traição'." Mesmo diante desses ataques, Dom Pedro II se colocava contra a Imprensa. "A Imprensa se Combate com a Imprensa", dizia "Quanto as Opiniões Politicas, tenho duas, uma Impossivel, outra realizada. A Impossivel é a Republica de Platão. A realizada é o Sistema Representativo [Monarquia], É sobretudo como brasileiro que me agrada sobre essa última opinião, e eu peço aos Deuses (também creio nos Deuses) que afastem o Brasil do sistema Republicano, porque esse dia seria o do nascimento da mais insolente aristocracia que o sol jamais alumiou" MACHADO DE ASSIS ESCRITOR E FUNDADOR DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS .

----------------------------------

1- a média nacional do salário dos professores estaduais de Ensino Fundamental em (1880) era de R$8.950,00 em valores atualizados 2- Entre 1850 a 1890, o Rio de Janeiro era Conhecido na Europa como "A Cidade dos Pianos" devido ao enorme número de pianos em quase todos os ambientes Comerciais e Domésticos 3- O Bairro mais caro do Rio de Janeiro, o Leblon, era um quilombo que cultivava Camélias, Flor simbolo da Abolição, sendo sustentado pela Princesa Isabel 4- O Maestro e Compositor Carlos Gomes de "O Guarani" foi sustentado pelo Pedro II até atingir o grande sucesso mundial 5- Pedro II tinha o projeto de construção de um trem que ligasse diretamente a cidade do Rio de Janeiro a cidade de Niterói. O projeto em tramito até hoje nunca saiu do papel 6- Pedro II mandou acabar com a Guarda Chamada Dragões da Independência por achar desperdício ao dinheiro publico. Com a republica a guarda voltou a existir 7- Em 1887, Pedro II Recebeu Diplomas honorários de Botânica e Astronomia pela Universidade de Cambridge 8- Descostruindo Boatos, Dom Pedro II e o Barão/Visconde de Mauá eram amigos e planejavam juntos o futuro dos escravos Pós-Abolição. Infelismente com o golpe militar de 1889 os planos foram interrompidos 9- Oficialmente, a primeira grande favela do rio de janeiro, data de 1893, 4 anos e meio após a Proclamação da Republica e Cancelamento da ajuda aos ex cativos 10- Dom Pedro II tinha 1,91m de altura, quando a média de altura dos homens brasileiro era de 1,70m e mulheres 1,60m 11- Na Época do Golpe militar de 1889, Dom Pedro II tinha 90% da aprovação da população em geral. Por isso o golpe não teve a participação popular 12- José do Patrocínio organizou uma guarda especialmente para a proteção da Princesa Isabel, chamada "A Guarda Negra". Devido a abolição e até mesmo antes da lei do ventre livre, a princesa recebia diariamente ameaças contra sua vida e de seus filhos. As ameaças eram financiadas pelos grandes cafeicultores escravocratas 1- O Paço Leopoldina localiza-se onde atualmente é o Jardim Zoológico 2- O Terreno onde fica o Estádio do Maracanã pertencia ao Duque de Saxe, esposo da princesa Leopoldina 3- Santos Dumont almoçava 3 vezes por semana na casa da Princesa Isabel em Paris 4- A Ideia do Cristo na Montanha do Corcovado partiu da Princesa Isabel 5- a familia imperial não tinha escravos. Todos os negros eram alforriados e assalariados, em todos os móveis da familia. 6- Dom Pedro II tentou ao parlamento a Abolição da escravatura desde 1848. Uma luta contra os poderosos fazendeiros por 40 anos 7- Dom Pedro II Falava 23 Idiomas, sendo que 17 era Fluente 8- A primeira tradução do clássico árabe "Mil em uma noites" foi feita por Dom Pedro II, do Árabe Arcaico para o Português do Brasil 9- Dom Pedro II doava 50% de sua dotação anual para as instituições de caridade e incentivos para educação do ênfase nas Ciências e artes 10- D. Pedro Augusto Saxe-Coburgo era fã assumido de Chiquinha Gonzaga 11- Princesa Isabel recebia com bastante frequência amigos negros em seu palacio em Larangeiras para saraus e pequenas festas. Um verdadeiro escândalo para época 12- Na casa de veraneio de Petrópolis, Princesa Isabel ajudava a esconder escravos fugidos e arrecadava numerários para alforriá-los 13- Os Pequenos Filhos de Isabel Possuiam um Jornalzinho que Circulava Petrópolis, um jornal totalmente abolicionista 14- Dom Pedro II recebeu 14 mil votos na Filadélfia para a Eleição Presidencial, devido a sua popularidade, na época os eleitores podiam votar em qualquer pessoa nas eleições 15- Uma senhora milionária no Sul, incorfomada com a derrota na guerra civil americana, propôs a Dom Pedro II anexar o sul dos Estados Unidos ao Brasil, ele respondeu literalmente com dois "Never!" bem enfáticos 16- Pedro II fez um empréstimo pessoal há um banco europeu para comprar a fazenda que abrange hoje o Parque Nacional da Tijuca. Em uma Época que ninguém pensava na ecologia ou em desmatamento, Dom Pedro II mandou Reflorastar toda a grande fazenda de café com mata atlatica nativa 17- A Midia ridicularizava a figura de Dom Pedro II por usar roupas extremamentes simples, e o descanso no cuidado e manutenção dos palácios Quinta da Boa Vista e Petrópolis. Pedro II não admitia tirar dinheiro para tais futilidades. Alvo por charges quase diárias nos jornais, mantinha liberdade de expressão e nenhuma censura. 18- Thomas Edilson, Pasteur e Graham Bell fizeram teses em homenagens ao dom Pedro II 19- Dom Pedro II acreditava em Allan Kardec e Dr.Freud, confiando o tratamento do seu neto Pedro Augusto. Os resultados foram excelentes deixando Pedro Augusto nenhum surto por anos 20- Dom Pedro II andava pelas ruas de Paris em seu exilio sempre com um saco de veludo ao bolso com um pouco de areia da praia de Copacabana. Foi enterrado com ele ... ... Fontes: Biblioteca Nacional, IMS, Coleção Teresa Cristina, Diário de Dom Pedro II, Correspondência do acervo do Museu Imperial de Petrópolis, Biografias como As Barbas do Imperador, Imperador Cididão, Filho de uma Hansburgo, Chicl Xavier e Dom Pedro II, Cartaz da Imperatriz, Teatro de Sombras, Construção da Ordem, Dom Pedro II Ser ou não Ser, Acervo Museu Histórico Nacional, entre outros. Para mais informações do Movimento Monarquista do Brasil, visite a página no Facebook do Pró-Monarquico.
-----------------
Foi isso amigos, este é meu primeiro Post na Comunidade. Ave Império!!!
submitted by Sarieru2812 to Monarquia [link] [comments]


2019.12.05 19:13 4in4t92 Se tiverem alternativa evitem os CTT expresso a todo o custo

RANT
A sério, se puderem evitem o serviço dos CTT "expresso", se já tive más experiências com algumas transportadoras os CTT expresso levam sem dúvida a medalha de ouro do mau serviço este ano.
Fiz uma encomenda da qual recebi uma SMS a informar que iam entregar no dia x, nesse mesmo dia estive em casa e ninguém apareceu, tentaram fazer a entrega no dia seguinte, e não estando eu em casa levaram a encomenda de volta. Quando entrei em contacto a perguntar porque não deixaram no posto dos CTT disseram que os CTT expresso já não fazia esse serviço. Ok, muito bem, agendou-se nova entrega que foi bem sucedida.
Segunda encomenda como era de grande volume foi dividida em cinco caixas com cinco tracking numbers. Duas delas saíram para distribuição a uma quarta-feira, ninguém apareceu e no site dava a informação de parcela incompleta. Estranhei mas ainda pensei que tivessem que vir as cinco juntas por algum motivo, no entanto no dia seguinte saiu para distribuição uma terceira encomenda que foi entregue. Sexta-feira saem outras duas para entrega e mais uma vez "parcela incompleta" e nada de entrega. Segunda-feira liguei para lá, paguei um balúrdio pela chamada, ninguém me sabia dizer nada, nem se quer o paradeiro das quatro caixas nem o motivo pelo qual falhou a entrega. Andei a recebê-las "às mijinhas" durante o resto da semana. Recebi a semana passada uma carta com o típico pedido de desculpa copy paste em resposta ao processo que foi aberto.
Na semana passada fiz uma encomenda que foi expedida na 5f, como os CTT expresso prometiam as ditas 24h calculei que mais tardar chegava 2f, nada disso, recebi a mensagem da entrega esta terça-feira às 9 da manhã para o próprio dia. Como sabia que não ia estar em casa e como tinha sido informada que os CTT expresso não deixavam as encomendas nos postos de correio no caso de tentativa de entrega falhada, lá cliquei no link para alterar a entrega para o posto, tive que pagar 3,55€ para esta alteração e para quê? Para à tarde ter recebido uma SMS em como tentaram entregar na minha morada mas como não estava ninguém deixaram no posto dos CTT mais próximo. Ou seja paguei para nada, porque vieram cá à mesma e afinal sempre deixam as encomendas no posto dos CTT, ao contrário da informação que me tinha sido dada, mas pelos vistos só quando lhes apetece.
Hoje era suposto receber uma encomenda enviada pelos excelentíssimos CTT expresso, adiei compromissos porque precisava dela no fim de semana e amanhã não estarei em casa, e lá esperei e esperei, só para ver o tracking alterado para "endereço incorrecto ou insuficiente". Siga gastar mais dinheiro em chamadas e vamos lá confirmar que endereço têm eles, e pois claro batia tudo certo, não havia erro nenhum. Simplesmente a típica incompetência. Mais um processo aberto, mais uma carta que aqui vai chegar com o pedido de desculpas copy paste, e lá me prometeram que iam agendar nova entrega e que caso eu não estivesse em casa deixavam a encomenda no posto dos CTT, vamos lá ver....
Isto tudo no espaço de menos de um mês...e até podia dizer que é por ser nesta altura do ano, não tivesse tido eu N problemas com eles durante o decorrer de 2019. A cada 10 encomendas deve haver 2 ou 3 que chegam a tempo e horas sem problemas.
Infelizmente às vezes é impossível fugir a que sejam eles a fazer a entrega porque as empresas não oferecem outra transportadora (aliás pasma-me como cada vez mais há empresas a optar pelos serviços deles), mas se tiverem escolha não pensem duas vezes.
Só avisam da data de entrega no próprio dia, para muitas vezes nem o cumprirem; o serviço difere consoante o estafeta, tanto lhe pode apetecer deixar a encomenda no posto dos CTT como não apetecer; mentem descaradamente que houve tentativas de entrega ou que houve problemas com a morada; não sabem se quer indicar onde andam as encomendas, muitas vezes perdendo-as; e por fim de expresso não têm nada, que já esperei duas semanas por encomendas nacionais...
submitted by 4in4t92 to portugal [link] [comments]