Temporada de namoro

Juventude Facts, um clássico do humor futebolístico nacional

2020.09.24 15:10 CadeOCarimbo Juventude Facts, um clássico do humor futebolístico nacional

JUVENTUDE FACTS
submitted by CadeOCarimbo to futebol [link] [comments]


2020.08.17 05:18 DemonFranco Vivi por 20 anos preso em minha própria melancolia.

Olá, comunidade do Reddit! Esse é meu primeiro post aqui :) Meu intuito neste, especificamente, é conseguir pelo menos um pouco de calor humano (metaforicamente, claro) pois sinto que minhas feridas nunca foram cicatrizadas, desde a primeira delas.
Bom, pra começar minha história: minha infância foi marcada por conturbações no casamento de meus pais. A diferença de personalidade dos dois gerou brigas cada vez mais pesadas e incontroláveis. Chegaram ao ponto que já não existia mais companheirismo e meu pai começou a beber e trair minha mãe. Me recordo vividamente de cenas terríveis, como ele estar horas no banho a horas e quando entro pra ver se está bem, na verdade ainda estava de roupa e dormindo no chão molhado. Ou até momentos de alteração violenta onde, por medo, eu me trancava no quarto e ficava debaixo da coberta até o dia seguinte depois que ele saía pra trabalhar. Nunca fui violentado fisicamente (minha mãe, infelizmente, sim), mas acho que meu pai estava tão perdido dentro de si que esqueceu que tinha um filho, então eram raras as vezes que sequer trocávamos olhares ou palavras, e quando acontecia era frio e passageiro. Pra tornar tudo ainda mais tenso, nossa situação financeira nunca foi boa: vivíamos peregrinando entre aluguéis mais baratos, acumulando prestações não pagas e até mesmo alimento chegava a ser escasso. Minha válvula de escape eram meus avós, que moravam na mesma cidade e sempre me acolhiam com mimos. Meu avô, entretanto, morreu quando eu tinha 9 anos e isso foi um impacto enorme que passou despercebido: minha avó entrou em uma depressão que foi negligenciada até o ano passado (2019), quando finalmente tomou a atitude de visitar um psiquiatra e foi diagnosticada. As brigas entre meus pais cessaram, mas isso foi ainda pior pois os problemas que já existiam continuaram a crescer em silêncio. Eu não recebi diagnóstico algum, até porque sempre fugi dos psicólogos em que me jogavam, mas o efeito também foi claro em mim: emagreci quilos em semanas, já não tinha mais vontade de fazer a mais simples das tarefas como cortar cabelo ou sair na rua, me tornei cada dia mais introvertido. Alguns anos depois, meus pais enfim se separaram, mas antes me deram duas irmãs e um irmão (as únicas pessoas a quem posso dizer com sinceridade sentir amor incondicional). A esse ponto, eu me vidrava em videogames e mentia pra mim mesmo sobre a realidade que eu vivia e não queria aceitar.
Essa foi, digamos, a "primeira temporada" da minha história. A segunda foi marcada pela péssima e mal executada decisão de me declarar a uma garota por quem, desde moleque, fui apaixonado, mesmo sendo que não tínhamos nem amizade. Tudo o que eu tinha era um sentimento inexplicavelmente forte, e nenhum tipo de habilidade social pra sequer chegar nela com um simples papo agradável. Porém, ela aceitou meu pedido de namoro. E isso me destruiu, porque na verdade ela queria dizer não, só não disse por """"medo de me magoar"""" e revelou isso depois de 2 anos me iludindo com histórias do tipo "meus pais não me deixam namorar, tenho que focar na escola", etc. Enfim segui minha vida tentando, sem sucesso, superá-la. Felizmente, apesar de introvertido, dois de meus primos viraram meus amigos próximos e isso me ajudou a segurar todo aquele peso de sentimentos que eu não compreendia e mal sabia que tinha. Vivemos anos sendo os nerdolas da escola, sempre juntos e com mais ninguém, até que um desses primos se incomodou com esse estilo de vida (e com razão) e começou a fazer novas amizades; eu e meu outro primo resistimos a isso, o que o separou da gente. Continuamos sendo introvertidos até o penúltimo ano da escola, quando ele também se afastou de mim aos poucos sem razão aparente (hoje, depois de conversarmos, eu sei que era porque não tínhamos mais muito a ver como antes). Meu outro primo, agora extrovertido, se adequou à grande turma da escola facilmente e não demorou pra ficar popular - felizmente pra mim, isso não subiu à cabeça dele e continuamos ótimos amigos até hoje. Ainda nessa época, conheci na internet uma garota de São Paulo que, com uns bons meses de conversa, acabou desenvolvendo sentimentos por mim; eu, carente e introvertido, abracei isso com todas minhas forças e namoramos virtualmente, com vários vai e volta, durante 3 anos. Apesar de que eu me sentia melhor em ser desejado por alguém, essa garota também tinha sérios problemas com depressão e no final só puxamos o pior um do outro. Minha única conquista nessa época foi meu primeiro emprego, da onde tirei dinheiro para ir visitá-la.
E é aqui que eu considero ser a "terceira temporada". Viajei pra SP e passei quatro dias junto com a garota que por 3 anos desejei somente por fotos e vídeos. Mas quando voltei pra casa as coisas já não eram as mesmas: ela só me dava respostas evasivas e ríspidas, parecia até mesmo ter raiva de mim, sendo que, em minha visão, tínhamos conquistado outro nível em nosso relacionamento. Mas ela obviamente não pensava assim e terminou tudo com a seguinte frase: "Estou tirando as pessoas tóxicas da minha vida". Foi esse o estopim pra eu decidir ser extrovertido e começar a viver fora de meu quarto, e eu tive resultados rápidos: fiz novas amizades e até comecei um novo namoro, agora presencial com uma garota que realmente me admirava. Porém, fui perceber tardiamente que pouquíssimas dessas amizades me faziam bem - a mais danosa delas foi a de um feiticeiro três vezes mais problemático do que eu. Como sempre fui uma pessoa muito compreensiva e aberta, relevei seus defeitos gritantes e mantive a ''amizade'' pelo conhecimento esotérico que ele passava (por mais que grande parte deste conhecimento fossem delírios de grandeza de um feiticeiro egomaníaco). Depois de dois anos meu próprio corpo começou a recusar a presença desse sujeito, que insistia sempre em me acompanhar mesmo quando não era conveniente: comecei a ter constantes dores de cabeça quando estava em sua presença, meio que como um aviso do que já era óbvio: aquele cara não prestava. Aos poucos comecei a me aproximar mais da minha namorada e outros amigos como método de me afastar do sujeito, e curiosamente (ou não...), essas pessoas foram abruptamente saindo da minha vida, incluindo minha namorada (agora ex), que era a pessoa em quem eu mais confiava e me dedicava. Ainda inocente e o chamando de amigo, nunca imaginaria que ele poderia ter relação com tudo aquilo, mas não parou por aí: depois que a poeira abaixou e eu consegui superar toda aquela maré estranha de azar, ele ainda usou o nome de minha deusa pra me iludir e usar meu corpo (sendo essa deusa relacionada ao luxo e ao sexo, era um contexto perfeito pra ele). Eventualmente descobri que não fui sua primeira vítima, e toda a imagem de sacerdote sábio que ele outrora passou, do dia pra noite, virou nada mais que um charlatão desesperado. Essa foi a separação mais problemática de todas que eu já tive, pois enquanto eu me afastava cada vez mais, o ego ferido do sujeito nunca deixaria tal afronta passar em branco, e recebi cargas de energia pesada nos meses seguintes. 2019/2020 caprichou muito bem no quesito de desgraças, pois minha mãe, extremamente cabeça dura e ignorante, agora se recusa a trabalhar fichada mesmo sendo que tem três crianças pra sustentar, meu pai passa por cirurgias seríssimas pois contraiu câncer maligno no fígado e isso não deixou de atingir minha vó ainda viva, que tem problemas de coração e toma mais de 300 remédios por mês (palavras dela).
E agora aqui estou eu, solteiro, enganado pela maioria daqueles que chamei de amigos, com uma provável depressão mal resolvida e uma família abalada desde os primórdios de meu nascimento. Felizmente não tenho problemas com autoestima, o que já ajuda muito, mas ao mesmo tempo não tenho motivação em fazer nada que não seja sonhar com uma vida simples, leve e longe de tudo daqui. Hoje, especificamente, está sendo um dia difícil pois minha ficha caiu e tomei consciência da minha situação - chorei muito, escondido. Mas decidi fazer algo a respeito por mais simples que seja: criei uma conta na Twitch.tv pra criar conexões com outras pessoas enquanto jogo, e também este post como o maior desabafo que já fiz na vida. Na verdade, só de ter escrito tudo isso e lido logo após já estou melhor. Mas ainda me sinto sozinho e desamparado, não consigo buscar ajuda com meus familiares pois nunca fui de me abrir pra eles, nem ajuda profissional por falta de dinheiro, e depois de todas essas quebras de confiança fiquei extremamente seletivo a quem eu quero do meu lado, sobrando dois/três amigos com quem posso conversar (e mesmo assim somente meu primo que convive comigo desde criança sabe de toda minha história).
Quem estiver disposto a trocar experiencias e conversar, simplesmente por conversar, ficaria muito grato!
Gratidão a todos que, mesmo não enviando uma mensagem, leram até o final com atenção.
Blessed be. :)
submitted by DemonFranco to desabafos [link] [comments]


2020.07.22 20:36 outsider2677 Amor platônico é foda!

Seguinte, na epoca do ensino médio eu gostava muito de uma garota, vamos chamar ela de "P".
Na época ela estava namorando com outro cara, porem como estudavamos na mesma sala, nós criamos uma amizade bem forte, o problema foi que eu me apaixonei hard por ela.
Como eu sempre fui confiante, quando vi que estava me afetando bastante decidi ser sincero com ela, não pra ela terminar o namoro e ficar comigo mas sim pra ela saber o que eu sentia e como éramos amigos senti a liberdade pra isso
Entao ta, falei o que eu sentia pra ela e pra minha surpresa foi recíproco, ela afirmou que também havia se apaixonado por mim mas que nao iria trair o namorado e que iria terminar com ele para ficarmos juntos. Clichê demais, eu sei.
E então ela terminou com ele mas devido a um mal entendido entre eu e ela (ela achou que eu tava ficando com outra guria porque a desgraçada da melhor amiga dela falou isso. Acho que ela não queria que eu ficasse com a "P")
Terminamos o ensino medio brigados, cada um foi pra seu lado e logo após isso eu fechei essa porta e comecei a procurar outras garotas. E acabei ficando com uma garota que conheci no escoteiro, vamos chamar de " J". Gostamos um do outro e após uma semana de eu ter pedido ela em namoro a "P" me manda uma mensagem querendo marcar um encontro com ela. Eu aceitei pra finalmente dar um ponto final.
Nós saímos e foi um dos melhores dias da minha vida, não nos beijamos nem nada, a "P" sabia da "J" e respeitou isso. Eu continuei com meu namoro (4 anos já) com a "J" e de vez em quando falo com a "P" mas mesmo eu nao tendo ficado com ela nem nada, eu continuo com esse sentimento de: como poderia ter sido, sabe?
Eu amo minha namorada, ela é a melhor pessoa que conheço mas isso fica preso na minha cabeça e eu fico maluco.
Já tentei cortar laços com a "P" várias vezes mas sempre voltamos a nos falar, até chamamos isso de temporadas.
submitted by outsider2677 to desabafos [link] [comments]


2020.07.03 07:56 rVonyon Sogro kuzao

Vou tentar ser breve no relato, mais tem coisas que eu tenho que explicar senão o resto não faz muito sentido. Namoro com ela a 1 ano e 4 meses, nesse tempo fui na casa dela uma 10 vezes no max, passando sempre menos de meia hora.O motivo = o pai kuzão
Mais quando eu falo kuzão, é kuzão mesmo, o cara sempre me esnobou, das vezes que nos cruzamos o maluco fez questão de me fazer eu me sentir um *****, me humilhar e tripudiar. Além do fato de eu comer a filha dele, o outro motivo pelo qual ele me odeia é aquela clássica diferença de classe, quem assistiu algumas das 30 temporadas de malhação manja como é. Não sou pobrão master, mais meu trabalho não é la essas coisas, e eles são de família rica,gerações e gerações de engenheiros e tal, rios de grana.Como a filha dele foi se apaixonar por mim? Outros 500. O maluco achar que eu to ali por causa do dinheiro já é um motivo escroto,tendo em visto que a filha é linda,até se fosse favelada eu olharia do mesmo jeito,mais [email protected], FAZ MAIS DE UM ANO,custa o maluco levantar bandeira branca e ficar em paz?
Explicada a situação, vamos aos fatos- Minha família foi viajar pra casa de uns parentes,eu trabalho,não pude ir.Quando você namora,e sua namorada não curte seus amigos, inevitavelmente você se afasta dos caras, é o famoso "ou eles ou eu" Sem família,distante dos amigos,não tinha outra alternativa a não ser ficar com ela. Eu odiei a ideia, lógico, mais ela insistiu, disse que não tinha problema e que tudo ia acabar bem, Ô. A mãe dela não é necessariamente uma [email protected] rica,sempre me tratou com educação, a mesma educação que ela tem com os empregados, mais ok. Tem uma irmã também, mais é adolescente rica autista, não esboça emoção, não é gata e não faz diferença, só citei porque ela também estava na mesa.
A TRETA- Vamos pular pra ceia, Já podem imaginar que o sogrão "gente boa" além de não olhar na minha cara, fez questão de mandar indiretas,a fim de humilhar este ****** que vos fala. Começou aquela palhaçada depois da meia-noite, começou o que eu vou chamar de rage-time: Primeiro rage-time: A empregada servindo todo mundo,chegou na minha vez ele INTERROMPEU a mulher,falou pra ela deixar os negocios em cima da mesa lá que eu sabia me servir sozinho, que tava acostumado com self-service. Imagina aí já minha cara de lixo. Minha namorada,que não enfrenta o pai, fez um olhar de tristeza e me serviu, eu pensei em outras coisas, tentei relevar. Segundo rage-time: Meu telefone tocou,minha mãe querendo dar feliz natal,fui atender na inocência,ele deu UM SOCO na mesa, -VOCÊ NÃO SABIA QUE ISSO É FALTA DE EDUCAÇÃO NÃO ? "MALANDRO". Essa minha mãe ouviu,levantei da mesa e fui falar com ela,voltei,ele tinha tirado meu prato da mesa (rs) A essa altura, vocês já imaginam o quão **** eu tava, [email protected] a ceia, [email protected] tudo, nem fome eu tinha mais. Minha namorada empurrou discretamente o prato dela pra mim, disfarçando perguntou quem era, falei baixinho que era minha mãe. Rage-time final:O filho da **** TINHA que fazer piadinha com a minha mãe né caras, Quando ele ouviu fez o comentário, dessa vez direto pra mim: -E a patroa da sua mãe deixa ela ligar pra celular? é muita folga, aqui empregada folgada assim comigo se *. Não dava mais, eu ia me sentir um ** pro resto da vida se eu não quebrasse os dentes daquele maluco ali mesmo Tá bom que ia acabar o namoro, ta bom que eu também podia apanhar,que ia acabar com o natal da família,mais ofender assim alguém que nem ta ali pra se defender, alguém que eu sei que dá um duro do ******* pra viver ser motivo de gracinha pra quele lixo de pessoa. Toquei o *-se,não lembro exatamente as palavras porque tava muito nervoso mesmo,mais foi mais ou menos isso: -ESCUTA AQUI Ô SEU MONTE DE **,VOCÊ QUERER TIRAR COM A MINHA CARA JÁ DURANTE UM ANO É UM BOM MOTIVO PRA EU TE QUEBRAR,AGORA OFENDER A MINHA MÃE SEM MAIS NEM MENOS. Nessa ele me interrompeu simplesmente gritou -FALA BAIXO SEU FAVELADO e jogou o copo em mim,pegou no meu braço. Imagina o caos que tava essa mesa, minha namo tentando me segurar,a esposa puxando ele, a outra louca autista chorando, Eu naquele ódio já tava disposto a matar ele ali mesmo.Ele veio,dando a volta na mesa igual um touro pra me pegar, eu firme encarando ele,enquanto ele vinha eu via a janela da sala de jantar grande de fundo Vi o que parecia ser uma aeronave não tripulada pequena passando rápido, logo atrás uma especie de exoesqueleto metálico armado com uma metralhadora, de repente, um estrondo ensurdecedor seguido de um clarão. Era o início da era das máquinas.
submitted by rVonyon to copypastabr [link] [comments]


2020.06.13 08:12 hayarden Triste e de pau duro

Bem, sou homem e tenho 22 anos, namoro com uma menina de 25 há um ano e sete meses e foi ela quem me descabaçou. Quando perdi minha virgindade com ela, aos 20 anos, eu descobri o quanto eu gosto de sexo e o quanto ele me aproxima da pessoa que eu amo. Os seis primeiros meses do meu primeiro namoro foram marcados por descobertas sexuais, descobri que eu gosto muito de buceta, de bunda, dos peitos, dos toques, dos cheiros, das carícias, das palavras sujas, dos beijos, e de dar prazer para a mulher que eu amo. O sexo pra mim é maravilhoso, é uma benção dos deuses, e eu faria sexo estando triste ou feliz.
Há aproximadamente um ano, ela passou pra um curso numa federal em outra cidade daqui do Rio de Janeiro, e eu fui com ela pra esta cidade morarmos juntos pagando aluguel. Junto com nossas decisões, vieram novas responsabilidades, e com as responsabilidades vieram as dificuldades, que eu julgo normal nessa vida. É difícil fazer uma faculdade em outra cidade, principalmente uma faculdade com péssimos horários numa cidade turística que só funciona em alta temporada, meio escassa de empregos. Sem emprego fixo, nos mantemos com freelances, a base de incertezas. Devido às dificuldades provenientes dessas incertezas, as preocupações e ansiedades aumentaram, tanto em mim quanto nela.
Acontece que depois dela ter começado essa faculdade, ela não tem mais tanto ânimo pra sexo. E é compreensível levando em conta os estresses causados pela faculdade e pelos trabalhos. Tem sido difícil pra mim também, cansativo, desgastante e por vezes desanimador, mas aconteça o que acontecer, eu continuo sentindo atração sexual por ela, já ela parece ignorar completamente o fato de que eu sou um ser sexual. Nesse meio tempo, a maioria das vezes que transamos parecia que ela tava fazendo só pra me agradar, o que é horrivel pra mim, que fico sentindo como se estivesse explorando ela. É um evento uma transa onde ela parece estar fazendo com gosto, e quando acontece, eu fico em êxtase.
Por vezes ficamos mais de um mês sem sexo, mesmo eu tentando investidas, ela não entrava no clima. Já conversei com ela, ela me disse que fica "xoxada" por causa da faculdade e pelas dificuldades, então eu venho procurando não pressionar ela, afim de que uma hora ela esteja de boa, mas parece não funcionar. Já tentei dar uma inovada no sexo, comprei produtos de sexshop, venho sendo mais prestativo pra ela, e nada.
Isso tem fodido com meu psicológico, além da minha autoestima estar baixíssima, estou me afundando em pornografia. Enfim, triste e de pau duro.
submitted by hayarden to sexualidade [link] [comments]


2019.01.08 17:08 hhikigayaa Mob Psycho 100 II - Episódio 01

Ep. 02 - 03 →
Comentarei sobre o ep.1 a pedido do u/kuromorii. Após uma longa espera de quase 3 anos pela 2ª temporada de Mob Psycho 100 II finalmente saiu o primeiro episódio ontem.
Podemos ver pela primeira vez nosso pequeno Mob se envolvendo em um relacionamento amoroso, depois de ter travado no discurso, acabou recebendo um pedido de namoro que no começo era só um jogo, mas foi se desenvolvendo ao decorrer do episódio.. que acabou levando para os minutos finais onde revela ser um paranormal.
O que achou do episódio? Será que continuará esse romance? ou foi algo apenas episódico..
submitted by hhikigayaa to animebrasil [link] [comments]


2018.12.25 16:05 PalmoLasso Agredi meu sogro durante a ceia de natal

Vou tentar ser breve no relato, mais tem coisas que eu tenho que explicar senão o resto não faz muito sentido.
Namoro com ela a 1 ano e 4 meses, nesse tempo fui na casa dela uma 10 vezes no max, passando sempre menos de meia hora.O motivo = o pai kuzão

Mais quando eu falo kuzão, é kuzão mesmo, o cara sempre me esnobou, das vezes que nos cruzamos o maluco fez questão de me fazer eu me sentir um *****, me humilhar e tripudiar.
Além do fato de eu comer a filha dele, o outro motivo pelo qual ele me odeia é aquela clássica diferença de classe, quem assistiu algumas das 30 temporadas de malhação manja como é.
Não sou pobrão master, mais meu trabalho não é la essas coisas, e eles são de família rica,gerações e gerações de engenheiros e tal, rios de grana.Como a filha dele foi se apaixonar por mim? Outros 500.
O maluco achar que eu to ali por causa do dinheiro já é um motivo escroto,tendo em visto que a filha é linda,até se fosse favelada eu olharia do mesmo jeito,mais [email protected], FAZ MAIS DE UM ANO,custa o maluco levantar bandeira branca e ficar em paz?

Explicada a situação, vamos aos fatos-
Minha família foi viajar pra casa de uns parentes,eu trabalho,não pude ir.Quando você namora,e sua namorada não curte seus amigos, inevitavelmente você se afasta dos caras, é o famoso "ou eles ou eu"
Sem família,distante dos amigos,não tinha outra alternativa a não ser ficar com ela.
Eu odiei a ideia, lógico, mais ela insistiu, disse que não tinha problema e que tudo ia acabar bem, Ô.
A mãe dela não é necessariamente uma [email protected] rica,sempre me tratou com educação, a mesma educação que ela tem com os empregados, mais ok.
Tem uma irmã também, mais é adolescente rica autista, não esboça emoção, não é gata e não faz diferença, só citei porque ela também estava na mesa.

A TRETA-
Vamos pular pra ceia,
Já podem imaginar que o sogrão "gente boa" além de não olhar na minha cara, fez questão de mandar indiretas,a fim de humilhar este ****** que vos fala.
Começou aquela palhaçada depois da meia-noite, começou o que eu vou chamar de rage-time:
Primeiro rage-time: A empregada servindo todo mundo,chegou na minha vez ele INTERROMPEU a mulher,falou pra ela deixar os negocios em cima da mesa lá que eu sabia me servir sozinho,
que tava acostumado com self-service.
Imagina aí já minha cara de lixo.
Minha namorada,que não enfrenta o pai, fez um olhar de tristeza e me serviu, eu pensei em outras coisas, tentei relevar.
Segundo rage-time: Meu telefone tocou,minha mãe querendo dar feliz natal,fui atender na inocência,ele deu UM SOCO na mesa, -VOCÊ NÃO SABIA QUE ISSO É FALTA DE EDUCAÇÃO NÃO ? "MALANDRO".
Essa minha mãe ouviu,levantei da mesa e fui falar com ela,voltei,ele tinha tirado meu prato da mesa (rs)
A essa altura, vocês já imaginam o quão **** eu tava, [email protected] a ceia, [email protected] tudo, nem fome eu tinha mais.
Minha namorada empurrou discretamente o prato dela pra mim, disfarçando perguntou quem era, falei baixinho que era minha mãe.
Rage-time final:O filho da **** TINHA que fazer piadinha com a minha mãe né caras,
Quando ele ouviu fez o comentário, dessa vez direto pra mim:
-E a patroa da sua mãe deixa ela ligar pra celular? é muita folga, aqui empregada folgada assim comigo se ****.
Não dava mais, eu ia me sentir um ***** pro resto da vida se eu não quebrasse os dentes daquele maluco ali mesmo
Tá bom que ia acabar o namoro, ta bom que eu também podia apanhar,que ia acabar com o natal da família,mais ofender assim alguém que nem ta ali pra se defender,
alguém que eu sei que dá um duro do ******* pra viver ser motivo de gracinha pra quele lixo de pessoa.
Toquei o ****-se,não lembro exatamente as palavras porque tava muito nervoso mesmo,mais foi mais ou menos isso: -ESCUTA AQUI Ô SEU MONTE DE *****,VOCÊ QUERER TIRAR COM A MINHA CARA JÁ DURANTE UM ANO É UM BOM MOTIVO PRA EU TE QUEBRAR,AGORA OFENDER A MINHA MÃE SEM MAIS NEM MENOS.
Nessa ele me interrompeu
simplesmente gritou -FALA BAIXO SEU FAVELADO e jogou o copo em mim,pegou no meu braço.
Imagina o caos que tava essa mesa, minha namo tentando me segurar,a esposa puxando ele, a outra louca autista chorando,
Eu naquele ódio já tava disposto a matar ele ali mesmo.Ele veio,dando a volta na mesa igual um touro pra me pegar, eu firme encarando ele,enquanto ele vinha eu via a janela da sala de jantar grande de fundo
Vi o que parecia ser uma aeronave não tripulada pequena passando rápido, logo atrás uma especie de exoesqueleto metálico armado com uma metralhadora, de repente, um estrondo ensurdecedor seguido de um clarão. Era o início da era das máquinas.
submitted by PalmoLasso to valetudo [link] [comments]


2018.08.02 19:33 Sera_ffi Apenas mais um em muitos.

Sou um jovem de 19 anos que está passando pelos problemas que todos passam nessa convergência de adolescente à adulto, porém sempre que as pressões sociais do meu estágio e faculdade caiam sobre mim eu recorria ao meu pilar que era meu antigo relacionamento e acabou tendo um fim a poucos meses ( 8 mêses para ser específico) . Porém, sempre que o dia 03 de qualquer início do mês (A data que estariamos concluindo mais um mês de namoro e em 2018 completariamos 4 anos juntos) eu sinto a ligeira vontade de correr até sua casa e recorrer ao meu pilar emocional, sinto saudades e sempre que tento me comunicar sobre isso com terceiros eu sofro represálias, quero terminar minha graduação e cumprir as metas que fiz para o meu futuro...mas esse "Rombo" em meus dias só me desanima ainda mais dia após dia. Nunca entendi a frase do Byron no poema "A Inês " quando ele fala: "Não tenha medo em desvendar o coração do homem, dentro é o próprio inferno." Porém agora que estou uma pequena temporada sozinho em SP eu consigo entender aos poucos oque essa fala tem a passar a atualidade. Obrigado por me "ouvirem".
submitted by Sera_ffi to desabafos [link] [comments]